O Atlas Submerso: por uma história da Tradução como História da Não-Tradução

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2021.e78123

Palavras-chave:

Atlas Submerso, História da Tradução, Não Tradução

Resumo

Indo aparentemente na contramão de uma tradição disciplinar que, aliás, só em tempos recentes parece ter chegado a atribuir a merecida relevância à história da tradução, o
presente trabalho visa agora a reler essa história através da categoria de “não-tradução”, cujo balizamento conceitual tem demonstrado não só a óbvia inter-relação com o seu oposto (sendo, afinal, a tradução e a não-tradução as duas faces da mesma moeda), como também a legitimidade heurística de complementar uma abordagem histórica da tradução com essa espécie de perspectiva às avessas.

Biografia do Autor

Roberto Mulinacci, Università di Bologna

Roberto Mulinacci é Professor Associado de Língua Portuguesa e Literatura Brasileira na Universidade de Bolonha, onde leciona Lingüística Portuguesa. Foi coordenador da força-tarefa portuguesa Unibo no projeto E-LOCAL.

Referências

Berman, Antoine. A tradução e a letra ou o albergue do longínquo. Rio de Janeiro: 7Letras/PGET, 2007.

Berni, Bruno. “ Perché ritradurre Andersen? Tener conto del doppio destinatario”. Tradurre. Pratiche teorie strumenti. Un’antologia della rivista 2011-2014, Petrillo Gianfranco (Ed.). Bologna: Zanichelli, 2016, pp. 105-111.

Bivona, Kristal R. “Tortured Text: An Analysis of the Absent Pages of Ignácio de Loyola Brandão’s Zero”. Mester, XLII [1], 2013, pp. 67-88.

Couto, Patricia. “A tradução da literatura neerlandesa em Portugal”. De wereld achter het word/Um mundo para além da palavra. Liber amicorum dr. Luís Crespo Fabião, Augusto Celeste, Van Egmond Jef e Couto Patricia (Eds.). Utreque/Lissabon: Universidade de Lisboa, 2013, pp. 441-464.

Delisle, Jean. L’analyse du discours comme méthode de traduction. Ottawa: Éditions de l’Université d’Ottawa, 1984.

D’Hulst, Lieven. “Translation History”. Handbook of Translation Studies, Gambier Yves and Van Doorslaer Luc (eds.). Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 2010, pp. 397-405.

Duarte, João Ferreira. “The Politics of Non-Translation: A Case Study in Anglo-Portuguese Relations”. TTR, 13 [1], 2000, pp. 95-112.

Felici, Maria Serena. “I tanti volti dell’interdetto. Zero di Ignácio L. Brandão e la sua traduzione italiana”. Un incontro lusofono plurale di lingue, letterature, storie, culture, Graziani Michela (ed.). Firenze: Firenze University Press, 2018, pp. 189-200.

Gentzler, Edwin. Translation and Rewriting in the Age of Post-Translation Studies. New York: Routledge, 2017.

Heilbron, Johan; Sapiro, Gisèle. “Outline for a sociology of translation. Current issues and future prospects”. Constructing a Sociology of Translation. Wolf Michaela, Fukari Alexandra (Eds.). Amsterdam-Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 2007, pp. 93-107.

Hermans, T. “The Translator’s Voice in Translated Narrative”. Target. 8 [1], (1996): 23-48.

Koskinen, Kaisa; Paloposki, Outi. “Anxieties of influence. The voice of the first translator in retranslation”. Target. 27 [1], (2015): 25-39.

Koster, Cees. “Non-Translation as an Event. The Reception in the Netherlands of John Dos Passos in the 1930s”. Event or Incident/Evénement ou Incident. On the Role of Translation in the Dynamics of Cultural Exchange/Du rôle des traductions dans les processus d’échanges culturels, Naaijkens Ton (Ed.). Bern: Peter Lang, 2010, pp. 29-45.

Medvedšek, Mojca. “O panorama das traduções literárias da literatura portuguesa na Eslovénia (1991-2013)”. Língua Portuguesa na Europa Central: Estudos e Perspetivas. Ramos Joaquim Coelho, Grauová Šárka, Jindrová Jaroslava (Eds.). Karolinum Press, Prague, 2016, pp. 94-99.

Moretti, Franco. Atlas do romance europeu 1800-1900. São Paulo: Boitempo, 2003.

Mulinacci Roberto. “Seis personagens à procura de um tradutor (ou de um critico). Por uma história das traduções de Machado de Assis na Itália como história das não traduções”. O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, 25 [1], (2016): 109-131.

Osimo, Bruno. “Per un approccio scientifico alla valutazione delle traduzioni”. Tradurre. Pratiche teorie strumenti. Un’antologia della rivista 2011-2014, Petrillo Gianfranco (Ed.). Bologna: Zanichelli, 2016, pp. 125-137.

Patai, Daphne. “Machado in English”. Machado de Assis. Reflections on a Brazilian Master Writer, Graham Richard (Ed.). Austin: University of Texas Press, 1999, pp. 85-116.

Pięta, Hanna. “Autores polacos em tradução portuguesa (1855-2010): um levantamento preliminar”. Cadernos de Tradução. XXVIII [2], (2011): 97-120. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2011v2n28p97. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/traducao/article/view/2175-7968.2011v2n28p97/20372. Acesso em: 03/02/2020

Pym, Anthony. “Shortcomings in the Historiography of Translation”. Babel. 38 [4], (1992): 221-235.

Queirós, Luís Miguel. “Paulo Coelho e Saramago são os mais traduzidos”. O Público. Disponível em: https://www.publico.pt/2016/11/15/culturaipsilon/noticia/paulo-coelho-e-saramago-sao-os-mais-traduzidos-1751172. Acesso em: 30.11.2019, 2016.

Seruya, Teresa. “Translation in Portugal during the Estado Novo Regime”. Translation under Fascism. Rundle Christopher, Sturge Kate (Eds.). Palgrave: Macmillan, 2010, pp. 117-144.

Seruya, Teresa. “Contributos para uma história da tradução em Portugal”. Übersetzen tut not – traduzir é preciso. Contribuições para a teoria e prática da tradução nos mundos lusófono e germanófono. Reichmann Tinka, Sträter Thomas (Eds.). Berlin: Edition Tranvía, 2013, pp. 13-31.

Taivalkoski-Shilov, Kriistina., “Friday in Finnish. A character’s and (re) translators’ voices in six finnish retranslations of Daniel Defoe’s Robinson Crusoe”. Target. 27 [1], (2015): 58-74.

Torres Marie-Hélène C. “Tradução da cultura: literatura brasileira traduzida em francês”. Literatura Traduzida & Literatura Nacional. Guerini Andréia, Torres Marie-Hélène C., Costa Walter (Orgs.) Rio de Janeiro : 7Letras, 2008, pp. 31-38.

Toury, Gideon. “A Rationale for Descriptive Translation Studies”. Dispositio. 7, [19-20], (1982): 23-39.

Downloads

Publicado

2021-01-15