Tradução audiovisual: estudos sobre a leitura de legendas para surdos e ensurdecidos

Autores

  • Patrícia Araújo Vieira Universidade Federal do Ceará
  • Ítalo Alves Pinto de Assis Universidade Estadual do Ceará
  • Vera Lúcia Santiago Araújo Universidade Estadual do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2020v40nesp2p97

Palavras-chave:

Tradução Audiovisual Acessível, Legendagem para Surdos e Ensurdecidos, Leitura de Legendas, Rastreamento Ocular

Resumo

Este artigo é uma revisão de literatura sobre as pesquisas desenvolvidas pelos pesquisadores do grupo LEAD (Legendagem e Audiodescrição) da Universidade Estadual do Ceará (UECE) sobre a leitura de legendas por espectadores surdos e ensurdecidos em meios audiovisuais. Estes estudos têm como suporte teórico-metodológico a Tradução Audiovisual Acessível (TAVa) e buscam um modelo de Legendagem para Surdos e Ensurdecidos (LSE) que atenda às necessidades dos espectadores
surdos e ensurdecidos, contribuindo para a formação de legendistas e para a acessibilidade dos programas audiovisuais brasileiros. Dessa forma, nosso objetivo tem sido investigar como os parâmetros em legendagem, validados pela literatura da área, influenciam o processamento de legendas por espectadores surdos e ensurdecidos. As metodologias vão desde estudos
exploratórios a experimentais baseados no uso de rastreamento ocular. Os mais recentes resultados têm demonstrado que os surdos conseguem processar legendas em velocidade consideradas altas (180 palavras por minuto), desde que o parâmetro de segmentação linguística na quebra de linhas das legendas siga o mais alto nível sintático, conforme já preconizavam
os teóricos Karamitroglou e Diaz Cintas e Remael.

Biografia do Autor

Patrícia Araújo Vieira, Universidade Federal do Ceará

É professora adjunta do curso Letras Libras da Universidade Federal do Ceará - UFC e professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução (POET/UFC). Membro pesquisadora do Laboratório de Tradução Audiovisual (LATAV) e do Laboratório de Ciência Cognitivas e Psicolinguística (LCCP). Doutora em Linguística Aplicada pela Universidade Estadual do Ceará - UECE (2016). Possui graduação em Letras (habilitação em Português) pela UFC (2001), mestrado em Linguística Aplicada pela UECE (2009) e especialização no Ensino da Língua Portuguesa pela UECE (2004).Tem desenvolvido pesquisas na área de Linguística, com ênfase nos seguintes temas: Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS), leitura e escrita em português como segunda língua para os surdos, Tradução Audiovisual Acessível a surdos pela legendagem e movimentação ocular.

Ítalo Alves Pinto de Assis, Universidade Estadual do Ceará

Possui graduação em Letras/Inglês pela Universidade Estadual do Ceará (2013). Durante a graduação, foi bolsista de Iniciação Científica da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico - FUNCAP - de Mar/2013 à Jan/2014, sob orientação da Profa. Dra. Vera Lúcia Santiago Araújo. Possui mestrado pelo Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada - PosLA - da Universidade Estadual do Ceará, também sob orientação da Profa. Dra. Vera Lúcia Santiago Araújo. No momento, cursa o Doutorado em Linguística Aplicada no mesmo programa com tema sobre processamento de Legendagem para surdos e Ensurdecidos a partir de rastreamento ocular. Foi professor substituto de Língua Inglesa (40h) da Universidade Federal do Ceará (UFC) nos curso de graduação em Letras - Inglês (Noturno) e Letras Português/Inglês (Diurno) de Maio/2016 até Março/2017. Atualmente, atua como Professor Assistente D do curso de Letras/Inglês da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA).Tem experiência nas áreas de Linguística Aplicada, Ensino de Língua Inglesa, Linguística de Corpus e Tradução, com ênfase em Tradução Audiovisual (Legendagem, Legendagem para Surdos e Ensurdecidos e Audiodescrição).

Vera Lúcia Santiago Araújo, Universidade Estadual do Ceará

Vera Lúcia Santiago Araújo possui graduação em Letras pela Universidade Federal do Ceará (1982), mestrado em Mestrado em Letras Língua Inglesa pela Universidade Estadual do Ceará (1994) e doutorado em Letras pela Universidade de São Paulo (2000). Atualmente é professor associado da Universidade Estadual do Ceará e pesquisadora nível 2 do CNPq. Tem experiência na área de Linguística Aplicada, com ênfase em Tradução, atuando na tradução audiovisual acessível, mais precisamente na legendagem para surdos e ensurdecidos e audiodescrição. 

Referências

Araújo, Vera Lúcia Santiago (a). “Closed subtitling in Brazil”. Topics in audiovisual translation, Orero, Pilar, (Ed.). Vol. 56. Amsterdam: John Benjamins Publishing, 2004, pp. 199-212.

Araújo, Vera Lúcia Santiago (b). “Por um modelo de legendagem para Surdos no Brasil”. Tradução & Comunicação, Revista Brasileira de Tradutores. 17, (2008): 59–76.

Araújo, Vera Lúcia Santiago (c). “In search of SDH parameters for Brazilian party political broadcasts”. The Sign Language Translator and Interpreter. 3.2, (2009): 157-167.

Araújo, Vera Lúcia Santiago; Nascimento, Ana Katarinna Pessoa. “Investigando parâmetros de legendas para surdos e Ensurdecidos no Brasil”. Tradução em Revista. 2, (2011): 1-18.

Araújo, Vera Lúcia Santiago; Vieira, Patrícia Araújo; Monteiro, Silvia Malena Modesto. “Legendagem para surdos e ensurdecidos (LSE): um estudo de recepção com surdos da região Sudeste”. TradTerm 22, (2013): 283-302.

Araújo, Vera Lúcia Santiago; Assis, Ítalo Alves Pinto de. “A segmentação na legendagem para surdos e ensurdecidos (LSE) de Amor Eterno Amor: uma análise baseada em corpus”. Letras & Letras. 30.2, (2014): 156-184.

Arraes, Daniel. Legendagem para surdos e ensurdecidos: análise baseada em corpus da segmentação linguística do filme “Virada Radical”. Monografia (Bacharelado em Letras Inglês) – Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2015.

Assis, Ítalo Alves Pinto. Legendagem para surdos e ensurdecidos (LSE): análise baseada em corpus da segmentação linguística em “Amor Eterno Amor”. Dissertação de Mestrado em Linguística Aplicada, Universidade Estadual do Ceará, UECE, Fortaleza, 2016.

Chaves, Élida Gama. Legendagem para surdos e ensurdecidos: um estudo baseado em corpus da segmentação nas legendas de filmes brasileiros em DVD. Dissertação de Mestrado em Linguística Aplicada, Universidade Estadual do Ceará, UECE, Fortaleza, 2012.

De Linde, Zoé; Kay, Neil. The semiotics of subtitling. Manchester: St. Jerome Publishing, 1999.

Diaz Cintas, Jorge; Remael, Aline. Audiovisual translation: subtitling. Manchester, UK, Kinderhook, NY, UK: St. Jerome Publishing, 2007.

De Bruycker, Wim; d’Ydewalle, Géry. “Reading native and foreign language television subtitles in children and adults”. The mind’s eye: Cognitive and applied aspects of eye movement research, Radach, Ralph; Jukka Hyona and Heiner Deubel. (Eds.). Amsterdam: Elsevier, 2003, pp. 671-684.

D’Ydewalle, Géry; Rensbergen, Johan Van; Pollet, Joris. “Reading a message when the same message is available auditorily in another language: The case of subtitling”. Eye Movements from Physiology to Cognition, O’Regan, J. Kevin and Ariane Levy-Schoen. (Eds.). Amsterdam: Elsevier, 1987, pp. 313-321.

Franco, Eliana P.C.; Araújo, Vera Lucia Santiago. “Reading television: Checking deaf people’s reactions to closed subtitling in Fortaleza, Brazil”. The Translator. 9.2, (2003): 249-267.

Gottlieb, Henrik. “Subtitling: diagonal translation”. Perspectives: studies in translatology. 2.1, (1994): 101-121.

Ghia, Elisa. “The impact of translation strategies on subtitle reading”. Eye tracking in audiovisual translation. (2012): 157-182.

Ivarsson, Jan; Carroll, Mary. Subtitling. Simrishamn: TransEdit, 1998.

Jakobson, Roman. “On linguistic aspects of translation”. On translation, Brower, Reuben A. (Ed.). MA: Harvard University Press, 3, 1959, pp. 232-239.

Just, Marcel A.; Carpenter, Patricia A. “A theory of reading: From eye fixations to comprehension”. Psychological review. 87.4, (1980): 329.

Karamitroglou, Fotios. “A proposed set of subtitling standards in Europe”. Translation journal. 2.2, (1998): 1-15.

Marquer, Pierre. “La méthode experimentale: quelques points de repère”. La psychologie cognitive. Paris: Armand Colin. (2003): 185-206.

Moran, Siobhan. “The effect of linguistic variation on subtitle reception”. Eye tracking in audiovisual translation. (2012): 183-222.

Monteiro, Silvia Malena Modesto; Dantas, João Francisco. “Tradução audiovisual acessível (TAVa): a segmentação linguística na Legendagem para Surdos e Ensurdecidos (LSE) da campanha política na televisão em Fortaleza”. Trabalhos em Linguística Aplicada. 56.2, (2017): 527-560.

Neves, Josélia. Audiovisual translation: Subtitling for the deaf and hard-ofhearing. Doctoral Dissertation. Roehampton University, 2005.

Perego, Elisa; et al. “The cognitive effectiveness of subtitle processing”. Media psychology. 13.3, (2010): 243-272.

Szarkowska, Agnieszka; et al. “The effects of text editing and subtitle presentation rate on the comprehension and reading patterns of interlingual and intralingual subtitles among deaf, hard of hearing and hearing viewers”. Across Languages and Cultures. 17.2, (2016): 183-204.

Szarkowska, Agnieszka; Gerber-Morón, Olivia. “Two or three lines: a mixedmethods study on subtitle processing and preferences”. Perspectives. 27.1, (2019): 144-164.

Reid, Helene. “Literature on the screen: subtitle translation for public broadcasting”. Something understood: studies in Anglo-Dutch literary translation, Westerweel, Bart, and Theo d’Haen. (Eds.). Vol. 5, Amsterdam: Rodopi, (1990): 97-107.

Rajendran, Dhevi J.; et al. “Effects of text chunking on subtitling: A quantitative and qualitative examination”. Perspectives. 21.1, (2013): 5-21.

Rayner, Keith; Liversedge, Simon P. “Visual and linguistic processing during eye fixations in reading”. The Interface of Language, Vision and Action: Eye Movements and the Visual World, Ferreira, Fernanda and John M. Henderson. (Eds.). London: Psychology Press, 2004, pp. 56-104.

Vieira, Patrícia Araújo; et al. “A segmentação na legendagem do documentário Globo Repórter: uma análise baseada em corpus”. A tradução e suas interfaces: múltiplas perspectivas, Cunha, R.B and E.P Carvalho. (Eds.). Curitiba: Editora CRV, 2015, pp. 65-85.

Vieira, Patrícia Araújo. A influência da segmentação e da velocidade na recepção de legendas para surdos e ensurdecidos (LSE). Tese de Doutorado, Programa em Pós-Graduação em Linguística Aplicada, Universidade Estadual do Ceará, 2016.

Vieira, Patrícia Araújo; Teixeira, Elisângela Nogueira; Chaves, Élida Gama. “Caminhos do Olhar: A Movimentação Ocular de Espectadores Surdos durante a Exibição de Vídeos Legendados”. Trabalhos em Lingüística Aplicada. 56.2, (2017): 493-526.

Vieira, Patrícia Araújo; Araujo, Vera Lúcia Santiago. “A influência da segmentação linguística na recepção de legendas para surdos e ensurdecidos (LSE) em documentários televisivos”. Domínios de Lingu@gem. 11.5, (2017): 1797-1824.

Downloads

Publicado

2020-12-07