Preservação de documentos arquivísticos digitais: reflexões sobre as estratégias de emulação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1518-2924.2015v20n43p3

Resumo

Os constantes avanços das tecnologias da informação, e a sua inserção na Arquivologia, impulsionaram a produção de documentos arquivísticos digitais, e para salvaguardar este patrimônio, tornou-se necessário implementar políticas e estratégias de preservação digital. Neste contexto, escolheu-se estudar as estratégias de emulação com a finalidade de aprofundar os conhecimentos sobre suas vantagens e desvantagens, partindo da revisão bibliográfica de materiais previamente publicados. Após uma análise qualitativa, discutem-se: dependência de hardware e software específicos, fidedignidade de conteúdo, recursos financeiros e planejamento. Os resultados apontam um cenário de incertezas devido à ausência de estudos sobre emulação na preservação em longo prazo.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Henrique Machado dos Santos, Universidade Federal de Santa Maria

Possui graduação em Arquivologia pela Universidade Federal de Santa Maria (2014). Atualmente é arquivista do escritório de advocacia Martini, Medeiros & Tonetto: advogados associados e integrante dos grupos de pesquisa CNPq-UFSM: Gestão Eletrônica de Documentos Arquivísticos (GED/A) e Patrimônio Documental Arquivístico (PDA). Tem experiência na área de Ciência da Informação, atuando principalmente nos seguintes temas: preservação digital, gestão eletrônica de documentos e software livre. Vem abordando questões como: definição de políticas, implementação de estratégias e repositórios confiáveis para a preservação de documentos arquivísticos em longo prazo.

Daniel Flores, Universidade Federal de Santa Maria

Doutor em Documentação pela USal, concluiu o Doutorado em Metodologías y Líneas de Investigación en Biblioteconomía y Documentación - Universidad de Salamanca/España em 2006 (Revalidado/reconhecido no Brasil ao título de Doutor em Ciência da Informação pela UFRJ/IBICT com bolsa CAPES), orientado pela Profa. Dra. Manuela Moro Cabero. Desenvolveu estágio de Pós-Doutorado financiado pela Fundação Carolina na Espanha de 2008 a 2009 em Documentos Digitais: Gestão e Preservação. Concluiu o mestrado em Engenharia de Produção na linha de pesquisa Tecnologia da Informação pela UFSM - Universidade Federal de Santa Maria em 2000, tornou-se especialista em Organização de Arquivos pela USP Universidade de São Paulo em 1998, graduou-se como bacharel em Arquivologia em 1998, desde o ano de 1995. É líder do Grupo de Pesquisa em Gestão Eletrônica de Documentos Arquivísticos - Ged/A e do Grupo de Pesquisa em Patrimônio Documental Arquivístico registrados no CNPq e orientou bolsistas de Iniciação Científica. Atualmente é Professor Adjunto do Departamento de Documentação da Universidade Federal de Santa Maria, desde 1998, onde ministrou disciplinas de Arquivística, Preservação Digital, Gestão Eletrônica de Documentos, Bases da GED e suas linhas de pesquisa, Diplomática Contemporânea, Repositórios Arquivísticos Digitais, Reprografia, Ética e Legislação Arquivística, Tecnologia da Informação I e II, Digitalização de Documentos, Tópicos Avançados de Bancos de Dados para a Arquivologia e orienta Estágios Supervisionados e Trabalhos de Conclusão de Curso, ademais de coordenar Projetos de Pesquisa, Extensão e Ensino. Docente Permanente do Mestrado Profissional em Patrimônio Cultural/PPGPPC-UFSM, Docente Colaborador do Mestrado Profissional em Gestão de Documentos e Arquivos - PPGARQ - UNIRIO e participou como docente do Curso de Especialização à distância em Gestão em Arquivos (EAD), do Curso de graduação em Arquivologia/UFSM, do Curso de graduação em Sistemas de Informação da UFSM, do Mestrado em História da UFSM. É Consultor da Capes, membro presencial da Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos - CTDE do CONARQ - Conselho Nacional de Arquivos / Arquivo Nacional. Participou dos Colegiados de Departamento e Colegiado do Curso de Arquivologia, do Conselho do Centro de Ciências Sociais e Humanas e do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão-CEPE da UFSM (Conselhos Superiores), ademais de participar de Comissões Permanentes, Comissões de Legislação e Normas, de Ensino e exercer cargos Administrativos como Coordenador e vice-coordenador do Curso de Arquivologia/UFSM, Vice-coordenador do Mestrado em Patrimônio Cultural da UFSM e Chefe substituto do Departamento de Documentação/UFSM. Foi o presidente fundador da Associação dos Arquivistas do Estado do Rio Grande do Sul - AARS em 1999. Orientou Dissertações de Mestrado no Programa de Pós-Graduação em Patrimônio Cultural/UFSM, co-orientou dissertações de mestrado em Engenharia da Produção (Tecnologia da Informação/PPGEP/UFSM), orientou monografias da Especialização em Gestão em Arquivos - EAD/UFSM, além de ter orientado trabalhos de iniciação científica e trabalhos de conclusão de curso nas áreas de Ciência da Informação, Ciência da Computação e Arquivística. Atualmente coordena projetos de pesquisa e extensão. Atua na área de Ciência da Informação, com ênfase em Arquivologia. Em suas atividades profissionais interagiu com colaboradores em co-autorias de trabalhos científicos. Em seu currículo Lattes os termos mais freqüentes na contextualização da produção científica, tecnológica e artístico-cultural são: Documentos Digitais, Preservação Digital, Gestão Arquivística de Documentos Digitais, Estágio Supervisionado, Relatório de Estágio, Sistema de Arquivos, Arquivologia, Arquivística, Projeto de Arquivo, GED, Tecnologia da Informação, Gestão Eletrônica de Documentos, Automação em Arquivos, Documentos Eletrônicos, Digitalização de Documentos e Software Livre.

Referências

BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Arquivos permanentes: tratamento documental. 4. Ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2006.

BODÊ, Ernesto Carlos. Preservação de acervos documentais eletrônicos. Revista Brasileira de Arqueometria, Restauração e Conservação. v.1, n.2, 2007, p. 32-35. Disponível em: <http://www.restaurabr.org/siterestaurabr/volumesarc/arc02pdf/07preservacaodeacervos.pdf>. Acesso em: 15 dez. 2014.

BRASIL. Lei nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre a proteção da propriedade intelectual de programa de computador, sua comercialização no País, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 19 fev. 1998. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9609.htm>. Acesso em: 25 jun. 2015.

CASANOVAS, Inés. Gestión de documentos electrónicos. Buenos Aires: Alfagrama, 2008. 256 p.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS – CONARQ (Brasil). Câmara Técnica de documentos eletrônicos. Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2004a. Disponível em: <http://www.conarq.arquivonacional.gov.br/Media/publicacoes/cartapreservpatrimarqdigitalconarq2004.pdf>. Acesso em: 10 ago. 2014.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS – CONARQ (Brasil). Câmara Técnica de documentos eletrônicos. Gestão Arquivística de Documentos Eletrônicos. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2004b. Disponível em: <http://pt.scribd.com/doc/37174068/Gestao-Arquivistica-de-Documentos-Eletronicos-CONARQ-Por-Claudia-Rocha>. Acesso em: 09 jul. 2014.

CONWAY, Paul. Preservação no universo digital. 2. ed. Rio de Janeiro: Projeto Conservação Preventiva em Bibliotecas e Arquivos: Arquivo Nacional, 2001. 32 p.

FERREIRA, Miguel. Introdução à preservação digital: conceitos, estratégias e atuais consensos, Portugal: Escola de Engenharia da Universidade do Minho, 2006. Disponível em: <https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/5820/1/livro.pdf>. Acesso em: 02 ago. 2014.

FONSECA, Maria Odila Kahl. Arquivologia e Ciência da informação. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005, 124p.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1991.

GRANGER, Stewart. Emulation as a Digital Preservation Strategy. D-Lib Magazine, v. 6, n. 10, 2000. Disponível em: <http://www.dlib.org/dlib/october00/granger/10granger.html>. Acesso em: 24 jun. 2015.

HEDSTROM, Margaret. Digital preservation: a time bomb for digital libraries. Computer and the humanities, Netherlands, n. 31, p. 189-202, 1998. Disponível em: <http://deepblue.lib.umich.edu/bitstream/2027.42/42573/1/10579_2004_Article_153071.pdf>. Acesso em: 26 jun. 2015.

HEDSTROM, Margaret. Digital Preservation: Problems and Prospects. University of Michigan, USA, 2001. Disponível em: <http://www.dl.slis.tsukuba.ac.jp/DLjournal/No_20/1-hedstrom/1-hedstrom.html >. Acesso em: 26 jun. 2015.

HEMINGER, Alan R; ROBERTSON, Steven B. The Digital Rosetta Stone: a model for maintaining long-term access to static digital documents. Communications of AIS. Vol. 3, Article 2, January 2000. Disponível em: <http://dl.acm.org/citation.cfm?id=374497&dl=ACM&coll=DL&CFID=514415141&CFTOKEN=70364297>. Acesso em: 27 jun. 2015.

IGLÉSIA FRANCH, David. La fotografia digital em los archivos: Qué es y como se trata. Ediciones TREA, 2008, España.

INNARELLI, Humberto Celeste. Preservação digital e seus dez mandamentos. In: SANTOS, Vanderlei Batista (Org.). Arquivística: temas contemporâneos, classificação, preservação digital, gestão do conhecimento. Distrito Federal: SENAC, 2007. p. 21-75.

INNARELLI, Humberto Celeste. Preservação digital: a influência da gestão dos documentos digitais na preservação da informação e da cultura. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, v.8, n. 2, p. 72-87, jan./jun. 2011. Disponível em: <http://www.sbu.unicamp.br/seer/ojs/index.php/rbci/article/view/487/330>. Acesso em: 07 jul. 2014.

INTERPARES 2 PROJECT. Diretrizes do Produtor. A elaboração e a manutenção de materiais digitais: diretrizes para indivíduos. TEAM Brasil. Tradução: Arquivo Nacional e Câmara dos Deputados. 2002 – 2007. Disponível em: <http://www.interpares.org/ip2/display_file.cfm?doc=ip2_creator_guidelines_booklet--portuguese.pdf>. Acesso em: 09 ago. 2014.

LOPES, Vitor. Preservação Digital. Portugal: Universidade do Minho, Guimarães, 2008. Disponível em: <http://www.vitorlopes.com/Trabalhos/Preservacao_Digital-Vitor_Lopes.pdf>. Acesso em: 28 ago. 2012.

LUNA, Sergio Vasconcelos de. Planejamento de pesquisa: uma introdução. São Paulo: EDUC, 1997.

MÁRDERO ARELLANO, Miguel Ángel. Critérios para a preservação digital da informação científica. 354 p. Tese (Doutorado em Ciência da Informação). Universidade Federal de Brasília, Departamento de Ciência da Informação, 2008. Disponível em: <http://bdtd.bce.unb.br/tedesimplificado/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=4547>. Acesso em: 15 jun. 2014.

MÁRDERO ARELLANO, Miguel Ángel. Preservação de documentos digitais, Ciência da Informação, Brasília, v. 33, n. 2, p. 15-27, maio/ago. 2004. Disponível em: <http://revista.ibict.br/ciinf/index.php/ciinf/article/view/305/1452>. Acesso em: 25 jul. 2014.

ROTHENBERG, Jeff. Avoiding technological quicksand: finding a viable technical foundation for digital preservation. Commission on Preservation and Access and Council on Library and Information Resources: a report to the Council on Library and Information Resources. EUA: Washington, DC, 1999. Disponível em: <http://www.clir.org/pubs/reports/rothenberg/pub77.pdf>. Acesso em: 24 set. 2014.

SANTOS, Henrique Machado dos; FLORES, Daniel. As estratégias de emulação como fundamento para a preservação de objetos digitais interativos: a garantia de acesso fidedigno em longo prazo. Informação Arquivística, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 95-116, jan./jun., 2014. Disponível em: <http://www.aaerj.org.br/ojs/index.php/informacaoarquivistica/article/view/79/34>. Acesso em: 22 mar. 2015.

SANTOS, Henrique Machado dos; FLORES, Daniel. Estratégias de preservação digital em arquivos: garantia de autenticidade e acesso contínuo em longo prazo. In: CONGRESSO NACIONAL DE ARQUIVOLOGIA, 6., 2014, Santa Maria. Anais eletrônicos... Santa Maria: AARS, 2014. Disponível em: <http://pt.slideshare.net/dfloresbr/arquivologia-sustentabilidade-e-inovao-vi-congresso-nacional-de-arquivologia-anais-do-vi-cna-2014>. Acesso em: 21 mar. 2015.

SANTOS, Vanderlei Batista dos. Gestão de documentos eletrônicos: uma visão arquivística. 2ª Ed. Rev. Aum. Brasília: ABARQ, 2005.

SARAMAGO, Maria de Lurdes. Preservação digital a longo prazo: boas práticas e estratégias. Cadernos BAD, Lisboa, 2002, n 2, p. 54-68. Disponível em: <http://www.bad.pt/publicacoes/index.php/cadernos/article/view/866>. Acesso em: 10 fev. 2015.

SILVA, Edna Lúcia da; MENEZES, Estera Muszkat. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4. Ed. rev., Florianópolis: UFSC, 2005. Disponível em: <https://projetos.inf.ufsc.br/arquivos/Metodologia_de_pesquisa_e_elaboracao_de_teses_e_dissertacoes_4ed.pdf>. Acesso em: 13 jun. 2014.

THIBODEAU, Kenneth. Overview of Technological Approaches to Digital Preservation and Challenges in Coming Years, presented at The State of Digital Preservation: An International Perspective, Washington D.C., 2002. Disponível em: <http://www.clir.org/pubs/reports/pub107/thibodeau.html>. Acesso em: 19 ago. 2014.

THOMAZ, Kátia de Pádua. A preservação de documentos eletrônicos de caráter arquivístico: novos desafios, velhos problemas. 389f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação). Escola de Ciência da Informação. Universidade Federal de Minas Gerais, 2004. Disponível em: <http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/VALA-68ZRKF/doutorado___katia_de_padua_thomaz.pdf>. Acesso em: 28 jul. 2014.

THOMAZ, Kátia de Pádua. Documentos eletrônicos de caráter arquivístico: fatores condicionantes da preservação. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v.10 n.1, p. 34-53, jan./jun. 2005. Disponível em: . Acesso em: 07 set. 2014.

THOMAZ, Kátia de Pádua. Gestão e preservação de documentos eletrônicos de arquivo: revisão de literatura – parte 2. Arquivística.net, Rio de Janeiro, v.2, n.1, p.114-131, jan./.jun. 2006. Disponível em: . Acesso em: 07 set. 2014.

THOMAZ, Kátia de Pádua; SOARES, Antônio José. A preservação digital e o modelo de referência Open Archival Information System (OAIS). DataGramaZero, v.5 n.1, fev./2004. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2014.

WEBB, Colin. Guidelines for the Preservation of Digital Heritage. Preparado pela Biblioteca Nacional da Austrália para a Divisão de Sociedade de Informação, UNESCO, relatório n. CI-2003/WS/3. 2003. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001300/130071e.pdf>. Acesso: em 17 ago. 2014.

Downloads

Publicado

2015-08-03

Como Citar

Santos, H. M. dos, & Flores, D. (2015). Preservação de documentos arquivísticos digitais: reflexões sobre as estratégias de emulação. Encontros Bibli: Revista eletrônica De Biblioteconomia E Ciência Da informação, 20(43), 3-19. https://doi.org/10.5007/1518-2924.2015v20n43p3

Edição

Seção

Artigo