Políticas públicas de mobilidade urbana e práticas corporais: repercussões do sistema de bicicletas compartilhadas

José Paulo Gurgel Teixeira, Braulio Nogueira de Oliveira, Bérgson Nogueira de Oliveira, Wellington Gomes Feitosa

Resumo


O estudo procurou analisar as percepções dos usuários quanto à implantação do projeto de bicicletas compartilhadas em Fortaleza, Ceará. Trata-se de uma pesquisa qualitativa em que foram entrevistados 11 usuários, sistematizada por meio da análise de conteúdo do tipo análise temática. Os resultados apontam que a bicicleta compartilhada tem se tornado um meio de deslocamento alternativo ao transporte público deficiente, mas que seu papel como instrumento de lazer prevalece; encontrou-se a percepção de que o uso da bicicleta de forma contínua traz benefício à saúde, bem como a sensação de segurança. Todavia, há concentração de estações em poucos pontos da cidade e dificuldades de acesso em horário de pico. Conclui-se que o projeto de bicicletas compartilhadas no cenário deste estudo não contempla as demandas a elas atribuídas de mobilidade urbana; entretanto, fomenta o desenvolvimento de práticas corporais. 


Palavras-chave


Mobilidade urbana; Políticas públicas; Bicicleta; Práticas corporais

Texto completo:

PDF/A

Referências


BOSTMAN, R; ROGERS, R. O que é meu é seu. Como o consumo colaborativo vai mudar o nosso mundo. Porto Alegre: Bookman, 2011.

CARRUTHERS, D.; LAWSON, G. (1995). The contribution of transport to the quality of life. In: BLESSINGTON, H.K, ed. Urban Transport. London, Thomas Telford. P.11-20.

D’ELIA, J. R. Ciclismo: treinamento, fisiologia e biomecânica. São Paulo: Phorte, 2009.

DEMAIO. P.; GIFFORD J. W. Smart bikes succeed as Public Transportation in The Unites States? Journal of Public Transportation, London v. 57, n.1, p.9-11, may, 2004.

FERREIRA, H. S.; OLIVEIRA, B. N.; SAMPAIO, J. J. C. Análise da percepção dos professores de Educação Física acerca da interface entre a saúde e a Educação Física escolar: conceitos e metodologias. Rev. Bras. Ciênc. Esporte, Porto Alegre , v. 35, n. 3, p. 673-685, Set. 2013 .

FORTALEZA. Transportes. 2015. Disponível em: . Acesso em: 02 abr. 2015.

FREITAS, A.; VIEIRA, S. O que é ciclismo: história, regras, curiosidades. Rio de Janeiro: Casa da Palavra: COB, 2007.

GEIPOT. Manual de Planejamento Cicloviário. Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes. Brasília, DF: Ministério dos Transportes, 2001.

MARCONI, M.A.; LAKATOS, E.M. Fundamentos de metodologia científica. 7. Ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8. ed. São Paulo: Hucitec, 2004.

NIJKAMP, P.; BLAAS, E. (1994). Impact assessment and evaluation in transportation plannin. Dordrecht, The Netherlands, Kluwer Academic Publishers.

REIS, M. E. Memorial de projeto de pesquisa fotorreportagem: Brasília dá Pedal – a cultura da bicicleta no Distrito Federal. Brasília, 2012.

RODRIGUES, D. C.; OLIVEIRA, B. N.; SILVA, A. L. F. Saúde do trabalhador e qualidade de vida: experiência em um batalhão de Polícia Comunitário do sertão cearense. Motrivivência, Florianópolis, v. 27, n. 44, p. 142-149, mai. 2015.

UNIMED (Fortaleza). Bicicletas compartilhadas. 2015. Disponível em: . Acesso em: 02 abr. 2015.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8042.2016v28n49p71



R. Motriviv., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe: 2175-8042.

Os textos publicados na Revista Motrivivência estão licenciados com uma Licença Creative Commons de atribuição não comercial compartilhar igual: CC BY-NC-SA