Benefícios psicológicos do slackline: relação entre estado de fluxo, tempo de prática e qualidade de vida

Autores

  • Juliano Marques Franco Universidade Estadual de Campinas
  • Rosane Camila de Godoi Universidade Estadual de Campinas
  • Hélio Mamoru Yoshida Universidade Estadual de Campinas
  • Fernanda Tartalha do Nascimento Universidade Estadual de Campinas
  • Paula Teixeira Fernandes Universidade Estadual de Campinas - UNICAMp https://orcid.org/0000-0002-0492-1670

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2020e65123

Palavras-chave:

Slackline, Estado de fluxo, Psicologia do esporte, Qualidade de vida

Resumo

Esse estudo teve o objetivo de avaliar e mensurar o nível de estado de fluxo de praticantes de slackline e relacioná-lo com a qualidade de vida dos indivíduos. Foram avaliados 30 sujeitos com idade média de 22 (±3) anos. Os instrumentos utilizados: Ficha de identificação; Flow State Scale-2 (FSS-2), Dispositional Flow Scale-2 (DFS-20) e World Health Organization Quality of Life-Bref (WHOQoL-BREF). Para verificar a correlação entre os instrumentos utilizou-se o coeficiente de Spearman, no qual foi possível observar elevados níveis de estado de fluxo e qualidade de vida geral. Foi encontrada correlação significativa entre o fator psicológico da qualidade de vida com a disposição para atingir o fluxo juntamente com o tempo de prática e duração da sessão de treino. Concluímos que a prática do slackline possibilita o desenvolvimento de aspectos psicológicos, como o estado de fluxo e com isso possibilita a melhora na qualidade de vida de seus praticantes.

Biografia do Autor

Juliano Marques Franco, Universidade Estadual de Campinas

Graduado em Educação Física pela UNICAMP. Participante do GEPESP (Grupo de Estudos em Pedagogia do Esporte). Ex-participante do GEPEN (Grupo de Estudos em Psicologia e Neurociências) com poster apresentado no V Simpósio Internacional de Ciência do Desporto. Professor no Colégio Notre Dame Campinas e na ONG CECOIA (Centro Comunitário Irmão André). Desde cedo sempre praticou esportes, na infância foi campeão Estadual de Jiu-Jitsu e campeão da Liga Campineira de Futsal. Possui curso de Surf pela Escola de Surf Riviera.

Rosane Camila de Godoi, Universidade Estadual de Campinas

Tecnóloga em Turismo, formou-se bacharel em Educação Física pela UNICAMP, no ano de 2018. Participa ativamente no Grupo de Estudos em Psicologia do Esporte e Neurociências (GEPEN), desde 2015. Fez parte do Programa de Apoio Didático nas disciplinas de: Bioquímica, em 2015; Lazer e sociedade, em 2018; e Aspectos Psicológicos do Esporte, em 2019. Ainda em 2015, auxiliou o Profº Dr. Edivaldo Gois na área de pesquisa sobre Higienismo e Educação Física. Em 2016 foi estagiária da Prof. Dra. Paula Teixeira Fernandes, coordenadora da Graduação da Faculdade de Educação Física da UNICAMP. Em 2017, participou do projeto sobre o Amadorismo no Futebol do Profº Sérgio Settani Giglio. Em 2018, foi bolsista do Laboratório MARGEM do departamento de Educação Física e Humanidades. Ademais, tem cursos específicos na área da saúde, reabilitação e treinamento. Ministra palestras referentes a Pesquisa Psicológica no Esporte, Neurociências na Educação e no Esporte, e também sobre Desempenho Esportivo e Estado de Fluxo. Ex-atleta, atualmente é árbitra nacional de Canoagem e Rafting. No presente momento, está finalizando a graduação na modalidade Licenciatura em Educação Física (UNICAMP).

Hélio Mamoru Yoshida, Universidade Estadual de Campinas

Doutorando em Educação Física na Faculdade de Educação Física (FEF) - Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Mestre em Educação Física - FEF/UNICAMP. Possui licenciatura (2017) e bacharelado (2012) pela Faculdade de Educação Física - UNICAMP. Membro do Grupo de Estudos em Psicologia do Esporte e Neurociências (GEPEN). Desenvolve projetos relacionados com Esporte e Aspectos Psicológicos, Neurociências e Psicologia do Esporte, além de projetos relacionados à Psicologia do Esporte e sua Interface com Doenças. É Educador em Atividades Físicoesportivas do Serviço Social do Comércio - SESC - SP. 

Fernanda Tartalha do Nascimento, Universidade Estadual de Campinas

Psicóloga formada pela UNESP – Bauru em 2011 com aprimoramento e especialização em Psicologia do Esporte e da Atividade Física pelo Núcleo Paradigma, respectivamente em 2011 e 2013. Trabalha com a preparação psicológica de atletas de diversas modalidades e atualmente é psicóloga esportiva no Esporte Clube Pinheiros.

Paula Teixeira Fernandes, Universidade Estadual de Campinas - UNICAMp


Professora Livre-docente do Departamento de Ciências do Esporte
Faculdade de Educação Física (FEF), Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Campinas, Brasil
GEPEN (Grupo de Estudos em Psicologia do Esporte e Neurociências), FEF-UNICAMP, Campinas, Brasil
paula@fefunicamp.br

Referências

BARROS, Daniel. O slackline: do surgimento a evolução e seus benefícios. Revista digital EFDeportes, v. 19, n. 202, 2015.

CONSTITUIÇÃO DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS/WHO). Biblioteca Virtual de Direitos Humanos da USP. Nova Iorque, 1946. Disponível em: http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/OMS-Organiza%C3%A7%C3%A3o-Mundial-da-Sa%C3%BAde/constituicao-da-organizacao-mundial-da-saude-omswho.html. Acesso em: 20 de Abril de 2019.

CSIKSZENTMIHALYI, Mihaly. Flow: The psychology of optimal experience. Harper, 1990.

CSIKSZENTMIHALYI, Mihaly. A Psicologia da Felicidade. Saraiva. São Paulo, 1999a.

CSIKSZENTMIHALYI, Mihaly. A descoberta do fluxo: a psicologia do envolvimento com a vida cotidiana. Rocco. Rio de Janeiro, 1999b.

CSIKSZENTMIHALYI, Mihaly; MONTIJO, Monica; MOUNTON, Angela. Flow Theory: Optimizing Elite Performance in the Creative Realm. American Psychological Association. Chapter 14, pp 215 - 229. Washington, DC, United States, 2018.

DONATH, Lars. et al. Effects of slackline training on balance, jump performance & muscle activity in young children. International journal of sports medicine, v. 34, n. 12, p. 1093–1098, 2013.

FERREIRA, Joel Saraiva. et al. Influência da prática de atividade física sobre a qualidade de vida de usuários do SUS. Saúde Debate, vol. 39, nº 106, pp. 792-801. Rio de Janeiro, 2015.

GRANACHER, Urs. et al. Slackline training for balance and strength promotion. International journal of sports medicine, v. 31, n. 10, p. 717–723, 2010.

JACKSON, Susan. Toward a conceptual understanding of the flow experience in elite athletes. Research quarterly for exercise and sport. V. 67, n. 1, p. 76–90, 1996.

JACKSON, Susan; EKLUND, Robert. Assessing flow in physical activity: The flow state scale–2 and dispositional flow scale–2. Journal of Sport and Exercise Psychology. V. 24, n. 2, p. 133–150, 2002.

JACKSON, Susan; ROBERTS, Glyn. Positive performance states of athletes: Toward a conceptual understanding of peak performance. The Sport Psychologist. V. 6, n. 2, p. 156–171, 1992.

KELLER, Martin. et al. Improved postural control after slackline training is accompanied by reduced H‐reflexes. Scandinavian journal of medicine & science in sports, v. 22, n. 4, p. 471–477, 2012.

LAMBERT, Joseph; CSIKSZENTMIHALYI, Mihaly. Facilitating or foiling flow: the role of momentary perceptions of feedback. The Journal of Positive Psychology. 2019.

MONTEIRO NETO, Jahyr Kendrick. Em busca do equilíbrio! slackline: da descoberta da prática à constituição de uma associação na cidade de Guaratuba. 2014.

NAKAMURA, Jeanne; CSIKSZENTMIHALYI, Mihaly. The Concept of Flow. Handbook of positive psychology, Chapter 7, 2002.

NAKAMURA, Jeanne; CSIKSZENTMIHALYI, Mihaly. Flow theory and research. Handbook of positive psychology, p. 195–206, 2009.

OLIVEIRA, Helder Zimmermann; MIRANDA, Renato. O estado de flow no basquetebol em categorias de base: uma análise da interferência da idade e do tempo de prática. Journal of Physical Education. V. 26, n. 1, p. 89–96, 2015.

PEDROSO, Bruno; PILATTI, Luiz Alberto; GUTIERREZ, Gustavo Luis; PICINI, Claudia Tania. Cálculo dos escores e estatística descritiva do WHOQOL-bref através do Microsoft Excel. Revista brasileira de qualidade de vida. V. 2, n. 1, 2010.

PEREIRA, Dimitri Wuo. SLACKLINE: Vivências acadêmicas na educação física. Motrivivência. V. 25, n. 41, p. 223–233, 2013.

PFUSTERSCHMIED, Jürgen. et al. Supervised slackline training improves postural stability. European Journal of Sport Science, v. 13, n. 1, p. 49–57, 2013.

ROPKE, Lucilene Maria. et al. Efeito da atividade física na qualidade do sono e qualidade de vida: revisão sistematizada. Arch Health Invest, vol. 6, pp. 561-566. 2017.

SODRÉ, João Guilherme Hiroshi Higa. et al. Caracterização do perfil dos praticantes de Slackline no Brasil. Journal of Sport Pedagogy and Research, v. 3, n. 1, p. 4–12, 2017.

SOUZA, Simone.; SOUZA, Linton.; FERREIRA, Juliane. Psicologia do Esporte: surgimento, evolução e consolidação. Revista EFDeportes, n. 161, 2011.

SWANN, Christian; JACKMAN, Patricia; SCHWEICKL, Matthew; VELLA, Stewart. Optimal experiences in exercise: A qualitative investigation of flow and clutch states. Psychology of Sport & Exercise. Nº 40, pp 87–98, 2019.

THOMAS, Monika.; KALICINSKI, Michael. The effects of slackline balance training on postural control in older adults. Journal of aging and physical activity, v. 24, n. 3, p. 393–398, 2016.

TSE, Dwight; NAKAMURA, Jeanne; CSIKSZENTMIHALYI, Mihaly. Beyond challenge-seeking and skill-building: Toward the lifespan developmental perspective on flow theory. The Journal of Positive Psychology. 2019.

VIEIRA, Lenamar Fiorese et al. Estado de fluxo em praticantes de escalada e skate downhill. Motriz. Rio Claro, v. 17, n. 4, p. 591–599, 2011.

WEINBERG, Robert. & GOULD, Daniel. Foundations of Sport and Exercise Psychology Fifth Edition. [s.l: s.n.]. 2017

WHOQOL Group. The development of the World Health Organization quality of life assessment instrument (the WHOQOL). In: Orley, John., Kuyken, Willem. editors. Quality of life assessment: international perspectives. Heidelberg: Springer Verlag, 1994.

WORLD MEDICAL ASSOCIATION. World Medical Association Declaration of Helsinki. Ethical principles for medical research involving human subjects. Bulletin of the World Health Organization. V. 79, n. 4, p. 373, 2001.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. WHOQOL-BREF: Introduction, administration, scoring and generic version of the assessment: field trial version, 1996.

XAVIER, Gabriele Carapeto. Slackline em Porto Alegre: configurações da prática. 2012.

ZUMETA, Larraitz; ORIOL, Xavier; TELLETXEA, Saioa; AMUTIO, Alberto; BASABE, Nekane. Collective efficacy in sports and physical activities: Perceived emotional synchrony and shared flow. Frontiers in psychology. V. 6, 2016.

Downloads

Publicado

2020-04-13

Edição

Seção

Artigos Originais