Gênero nos currículos dos cursos de licenciatura e bacharelado em Educação Física nas universidades públicas de Minas Gerais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2022.e83753

Resumo

Neste trabalho, o objetivo principal foi analisar se as propostas curriculares dos cursos de licenciatura e bacharelado em Educação Física (EF) das universidades públicas do estado de Minas Gerais trabalham as questões de gênero em suas ementas. Utilizando as fontes documentais, em um estudo quantitativo e qualitativo, buscamos pelo descritor “gênero” nas ementas e nos nomes das disciplinas. Nosso resultado demonstrou uma carência da temática nos currículos, uma falta sobre o tema nas disciplinas direcionadas ao esporte, sendo um achado positivo o fato das disciplinas de lazer discutirem sobre gênero. Concluímos que seria interessante mais pesquisas como essas em outros territórios brasileiros para ampliarmos a visão da Educação Física no cenário nacional. Apontamos também para a urgente demanda que deve ser dada às questões de gênero na sociedade em busca de reduzir não só as opressões de gênero, mas também todas as demais que as cercam.

Biografia do Autor

Carla Chagas Ramalho, Universidade Estadual de Montes Claros

Mestre em Educação (UFRJ) Universidade Estadual de Montes Claros, Departamento de Educação Física e do Desporto, Montes Claros, Brasil

Juliana Valéria Souza Santos, Universidade Estadual de Montes Claros

Licencianda em Educação Física Universidade Estadual de Montes Claros, Departamento de Educação Física e do Desporto, Montes Claros, Brasil

Fernanda de Souza Cardoso, Universidade Estadual de Montes Claros

Orcid: https://orcid.org/0000-0002-6384-1021 Lattes:  http://lattes.cnpq.br/3361055563220647 Graduada em Educação Física pela Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES) Mestre em Educação Física pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Doutora em Ciências da Religião pela Pontífica Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) Professora efetiva do Departamento de Educação Física da UNIMONTES.

Marina Graziele Mendes Pereira, Universidade Estadual de Montes Claros

Licencianda em Educação Física Universidade Estadual de Montes Claros, Departamento de Educação Física e do Desporto, Montes Claros, Brasil

Referências

ALTMANN, Helena. Educação física escolar: relações de gênero em jogo. São Paulo: Cortez, 2015.

ARAÚJO, Ana Beatriz Carvalho de; DEVIDE, Fabiano Pries. “Gênero” e “sexualidade” na formação em educação física: uma análise dos cursos de licenciatura das instituições de ensino superior públicas do Rio de Janeiro. Arquivos em Movimentos, Rio de Janeiro,v.15,n.1,p.31-39, jan-jul. 2019. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/am/article/view/21840. Acesso em: 13 ago. 2021.

ARAUJO, Gabriela Gomes; SILVA,Andréa Costa da. Gênero e sexualidade na licenciatura em educação física (EEFD/UFRJ):reflexões a partir do projeto político pedagógico. Temas em educação física escolar, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, p. 36-59, ago./dez. 2019. Disponível em: https://www.cp2.g12.br/ojs/index.php/temasemedfisicaescolar/article/view/2244. Acesso em: 13 ago. 2021.

ARAÚJO, Samuel Nascimento de; ROCHA, Leandro Oliveira; BOSSLE, Fabiano. Sobre a monocultura esportiva no ensino da educação física na escola. Pensar a Prática, Goiânia, v. 21, n. 4, p. 824-835, out./dez. 2018. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/fef/article/view/501755. Acesso em: 13 ago. 2021.

AUAD, Daniela; CORSINO, Luciano. O professor diante das relações de gênero na educação física escolar. São Paulo: Cortez, 2017.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9394, de20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 13 ago. 2021.

CISNE, Mirla. Feminismo e marxismo: apontamentos teórico-políticos para o enfrentamento das desigualdades sociais. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 132, p. 211-230, maio/ago. 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/sssoc/a/kHzqt9vwyWmMyFd6hZjDmZK/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 13 ago. 2021.

CONNELL, Raewy; PEARSE, Rebeca. Gênero: uma perspectiva global. São Paulo: nVersos, 2015.

CONNEL, Raewyn. Gênero em termos reais. São Paulo: nVersos, 2016.

FONTES, Virgínia. O Brasil e o capital-imperialismo. Teoria e História.Rio de Janeiro: EPSJV/Editora UFRJ, 2010.

GARCIA, Rafael Marques; BRITO, Leandro Teofilo de. Performatizações queer na educação física escolar. Movimento, Porto Alegre, v. 24, n. 4, p. 1321-1334, out./dez. 2018.Disponível em:https://www.redalyc.org/jatsRepo/1153/115360468019/115360468019.pdf. Acesso em: 13 ago. 2021.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas S.A, 2008. 6.ed.

GOMES, Romeu. A análise de dados em pesquisa qualitativa. In: MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org.).Teoria método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002. 21. ed. p. 75-76.

LEIRO, Augusto Cesar Rios. Educação, lazer e relações de gênero: talhes e doxas. Motrivivência, Florianópolis, n. 19, p. 1-16, 2002. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/motrivivencia/article/download/956/4329/15695. Acesso em: 13 ago. 2021.

MAGALHÃES, Carlos Henrique Ferreira. Breve histórico da educação física e suas tendências atuais a partir da identificação de algumas tendências de ideais e idéias de tendências. Revista da Educação Física, Maringá, v. 16, n. 1, p. 91-102, 1. sem. 2005. Disponível em: http://cev.org.br/biblioteca/breve-historico-educacao-fisica-suas-tendencias-atuais-partir-identificacao-algumas-tendencias-ideais-ideias-tendencias/. Acesso em: 13 ago. 2021.

RAMALHO, Carla Chagas; CARDOSO, Fernanda de Souza. A adequação à exploração do mercado de trabalho via segmentação da Licenciatura e Bacharelado em Educação Física. Pensar a Prática, Goiânia, v. 24, 2021. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/fef/article/view/65902. Acesso em: 13 ago. 2021.

Redação gênero e número. Mapa da violência de gênero: mulheres são quase 67% das vítimas de agressão física no Brasil. Pub. 13 ago. 2021. Disponível em: http://www.generonumero.media/mapa-da-violencia-de-genero-mulheres-sao-quase-67-das-vitimas-de-agressao-fisica-no-brasil/.

SACRISTÁN, José Gimeno. Saberes e incertezas sobre o currículo. Porto Alegre: Penso, 2013.

SAVIANI, Dermeval. Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, v. 12, n. 34, p. 152-165, jan./abr. 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/wBnPGNkvstzMTLYkmXdrkWP/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 13 ago. 2021.

SOUZA, Marianna de Alencar e. Marx e a produção do lazer na contemporaneidade. CSOnline – Revista Eletrônica de Ciências Sociais, Juiz de Fora,v. 5, n. 13, p. 106-119, set./dez. 2011. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/csonline/article/view/17233. Acesso em: 13 ago. 2021.

SAFFIOTI, Heleieth IaraBongiovani. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

SILVA, SegislaneMoésia Pereira da; FRANÇA, Marlene Helena de Oliveira; MACIEL, Valnise Verás. Conservadorismo como instrumento capitalista em tempos de barbárie. Revista Katálysis, v. 23, n. 2, p. 256-265, maio/ago. 2020. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/katalysis/article/view/1982-02592020v23n2p256. Acesso em: 13 ago. 2021.

SOARES, Carmen Lúcia; TAFFAREL, Celi NelzaZulke; CASTELLANI FILHO, Lino; ESCOBAR, Michele Ortega; BRACHT, Valter. Metodologia do ensino de educação física.São Paulo: Cortez, 1992.

SOUZA JÚNIOR, Osmar Moreira. Gênero, educação física escolar e pedagogia do esporte:construindo processos educativos empoderadores. In: WENETZ, Ileana; ATHAYDE, Pedro; LARA, Larissa (Orgs.).Gênero e sexualidade no esporte e na educação física. Natal, RN: Ciências do esporte, educação física e produção do conhecimento em 40 anos de CBCE, 2020. 6. ed. p. 47-51.

YOUNG, Michael. Teoria do Currículo: o que é e por que é importante. Cadernos de Pesquisa,São Paulo, v.44, n. 151, p.190-202, jan./mar. 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cp/a/4fCwLLQy4CkhWHNCmhVhYQd/?lang=pt.Acesso em: 13 ago. 2021.

Downloads

Publicado

2022-02-09

Edição

Seção

Porta Aberta