Dentro e fora da fronteira: corpos que subvertem a norma hegemônica de gênero e sexualidade nas aulas de Educação Física

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2022.e85841

Resumo

O objetivo deste trabalho foi analisar a abordagem dos corpos que transgridem as fronteiras do gênero e da sexualidade nos conteúdos da Educação Física Escolar no nível do Ensino Médio. A pesquisa é de abordagem qualitativa, tendo sido realizada em uma escola de Ensino Médio da cidade de Limoeiro do Norte, no Ceará, com um público de sete estudantes da 3º série.  Para a coleta e análise dos dados utilizou-se o questionário, grupo focal e categorização. Os resultados encontrados apontam para: a) As abordagens para com os corpos subversivos em gênero e sexualidade ocorrem de modo velada (piadas, olhares de vigilância) que geram exclusão e autoexclusão; b) Visão equivocada da Educação Física em decorrência das cenas de preconceito. Concluiu-se que, os corpos subversivos estão assujeitados à exclusões e autoexclusões que decorrem das discriminações mediante piadas e olhares de vigilância, que se apresentam, segundo os estudantes, em situações veladas. Tais discriminações interferem ainda, na visão que esses têm da Educação Física e no interesse em participar das aulas desse componente.

Biografia do Autor

Eliaquim de Sousa Lima, Secretaria de Educação do Estado do Ceará- Seduc/CE

Docente efetivo da Secretaria de Educação do Estado do Ceará (SEDUC-CE). Especialista em Educação Física Escolar pela Universidade Cesumar- Unicesumar. Especialista em Gênero, diversidade e direitos humanos pela Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB).

Kaline Lígia Estevam de Carvalho Pessoa, Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Ceará

Kaline Lígia Estevam de Carvalho PessoaDocente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE). Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Ciências da Educação pela Universidade de Alto Douro e Trás-os-Montes (UTAD). Mestra em Educação Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Vice- Líder do grupo de pesquisa Corponexões: corpo, cultura e sociedade.

Arliene Stephanie Menezes Pereira, Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Ceará

Docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE). Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Educação pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Mestra em Educação Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Líder do grupo de pesquisa Corponexões: corpo, cultura e sociedade.

Referências

ALTMANN, Helena. Educação Física escolar: relações de gênero em jogo. São Paulo: Cortez, 2015.

ANJOS, Luiza Aguiar dos; GOELLNER. Silvana Vilodre. Esporte e transgeneridade: Corpos, gêneros e sexualidades plurais. In: DORNELLES, Priscila Gomes; WENETZ, Ileana; SCHWENGBER, Maria Simone Vione. Educação Física e sexualidade: Desafios educacionais. Ijuí: Ed. Unijuí, 2017.

ARAÚJO, Marcus Paulo; ALVARENGA, Raphaela. Lutas e questões de gênero: construções histórico-sócio-culturais. III Congresso Sudeste de Ciências do Esporte, Mega Eventos esportivos no Brasil: seus impactos e a participação popular, Niterói – RJ, 23 a 25 de setembro, 2010. Disponível em: http://congressos.cbce.org.br/index.php/cbcesudeste/iiicbcesudeste/paper/viewFile/2372/1905>. (Acesso em 04 de agosto de 2020).

BETTI, Mauro; ZULIANI, Luiz Roberto. Educação Física Escolar: uma proposta de diretrizes pedagógicas. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, ano 1, Nº 1, p. 73-81, 2002. Disponível em: http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/remef/article/view/1363 (Acesso em 04 de agosto de 2020).

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do "sexo". In: LOURO, G. L. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2ª Ed. Belo Horizonte 2000.Traduções: Tomaz Tadeu da Silva. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/1230/Guacira-Lopes-Louro-O-Corpo-Educado-pdf-rev.pdf?sequence=1. (Acesso em 20 de abril de 2018).

BUTLER, J. Problemas de Gênero: Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

DARIDO, Suraya Cristina. Caderno de formação: formação de professores didática dos conteúdos. Universidade Estadual Paulista. São Paulo: Cultura acadêmica, 2012. Disponível em: https://acervodigital.unesp.br/bitstream/123456789/41556/1/Caderno_blc2_vol6.pdf (Acesso em 04 de agosto 2020)

DARIDO, Suraya Cristina. O contexto da Educação Física na escola. (IN) Educação Física na escola: implicações para a prática pedagógica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000, 64-78.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Miniaurélio século XXI Escolar: o minidicionário da língua portuguesa. 4.ed. rev. Amplianda – Rio de Janeiro: Nova fronteira, 2000.

FILHO, Lino Castellani. Educação Física no Brasil: a história que não se conta. São Paulo: Papirus, 1988.

GERHARDT, Tatiana Engel; SILVEIRA, Denise Tolfo. Métodos de pesquisa. 1º.ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009. Disponível em: http://www.ufrgs.br/cursopgdr/downloadsSerie/derad005.pdf . (Acesso em 04 de agosto de 2020).

IERVOLINO, Solange Abrocesi; PELICIONI, Maria Cecília Focesi. A utilização do grupo focal como metodologia qualitativa na promoção da saúde. Rev Esc Enf USP, v. 35, n.2, p.115-21, jun, 2001.Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v35n2/v35n2a03.pdf >. (Acesso em 15 de maio de 2018).

LIMA, Eliaquim de Sousa; PESSOA, Kaline Lígia Estavam de Carvalho. Os estudantes homoafetivos e suas relações de não aceitação nas aulas de Educação Física: Uma revisão narrativa. In: FILHO, Francisco Sérgio Lopes Vasconcelos; AQUINO, Lívia Silveira Duarte. Educação Física e esportes: pesquisa e práticas contemporâneas. 1º ed. Editora Científica digital: Guarujá-SP, 2021. Disponível em: https://www.editoracientifica.org/books/isbn/978-65-89826-54-5> (Acesso em 27 de janeiro de 2022).

MACHADO, Aline Gomes; PIRES, Roberto Gondim. Identidade de gênero e suas implicações sobre a sexualidade na perspectiva de Educação Física. Motrivivência. V.28, n.48, p.360-375, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/motrivivencia/article/view/2175-8042.2016v28n48p360> (Acesso em 27 de janeiro de 2022).

MACHADO, Aline Martins; SANTOS, Edilene Oliveira; SANTOS, Flávia Costa P. Esquema do autoconceito em mulheres praticantes de voleibol e futsal. MOVIMENTUM - Revista Digital de Educação Física - Ipatinga: Unileste-MG - V.4 - N.1 – Fev/Jul. 2009. Disponível em: https://docplayer.com.br/28882361-Esquema-do-autoconceito-em-mulheres-praticantes-de-voleibol-e-futsal.html (Acesso em 04 de julho de 2020).

MINAYO, Maria Cecília de Souza; et al. Pesquisa social: teoria,método e critatividade. 21º.ed. Petrópolis: Vozes, 2002. Disponível em: https://wp.ufpel.edu.br/franciscovargas/files/2012/11/pesquisa-social.pdf . (Acesso em 04 de agosto de 2020).

MARINHO, Vitor de Oliveira. O que é Educação Física. São Paulo: Brasiliense, 2006.

MORAES, Lidiane Marrero de; OLIVEIRA, Regiane Gonçalves. de; FECHIO, Juliane Jellmayer. A homossexualidade e o bullying na Educação Física Escolar. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 15, Nº 153, Febrero de 2011. Disponível em: https://www.efdeportes.com/efd153/a-homossexualidade-na-educacao-fisica-escolar.htm (Acesso em 04 de agosto de 2020).

PEREIRA, Arliene Stephanie Menezes; GOMES, Daniel Pinto; CARMO, Klertianny Texeira do. Epistemologia sul-corpórea: por uma pedagogia decolonial em Educação Física. Revista COCAR, Belém, Edição Especial N.4 p. 93 a 117 – Jul./Dez. 2017. Disponível em: https://periodicos.uepa.br/index.php/cocar/article/view/1550 > (Acesso em 27 de janeiro de 2022).

PRADO, Vagner Matias do. Fica no gol para pegar as bolas: Educação Física e o dispositivo da (homo)sexualidade. In: DORNELLES, Priscila Gomes; WENETZ, Ileana; SCHWENGBER, Maria Simone Vione. Educação Física e sexualidade: Desafios educacionais. Ijuí: Ed. Unijuí, 2017.

PRADO, Vagner Matias do; RIBEIRO, Arilda Inês Miranda. Gêneros, sexualidades e Educação Física escolar: um início de conversa. Motriz, Rio Claro, v.16 n.2 p.402-413, abr./jun. 2010. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/6729/WOS000284782500014.pdf; sequence= 3>. (Acesso em 04 de agosto de 2020).

SARAIVA, Maria do Carmo; KLEINUBING, Neusa Dendena. Estereótipos de movimento e gênero na dança no Ensino Médio. In: DORNELLES, Priscila Gomes; WENETZ, Ileana; SCHWEGBER, Maria Simone Vione. Educação Física e Gênero: desafios educacionais. Ijuí: ed. Unijuí, 2013.

SEFFNER, Fernando. Aulas de Educação Física e questões de sexualidade: conexão ousada. In: DORNELLES, Priscila Gomes; WENETZ, Ileana; SCHWENGBER, Maria Simone Vione. Educação Física e sexualidade: Desafios educacionais. Ijuí: Ed. Unijuí, 2017.

SILVA, Jeferson Henrique Rodrigues da. Gênero e dança na Educação Física escolar. EFDeportes, Revista Digital. Buenos Aires, Año 17, Nº 175, Diciembre, 2012. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd175/genero-e-danca-na-educacao-fisica-escolar.htm (Acesso em 04 de agosto de 2020).

SOARES, Carmen Lucia; et al. Metodologia do ensino de Educação Física. Ed.2. São Paulo: Cortez, 1992.

SOARES, Carmen Lúcia. Educação Física: raízes europeias. Autores Associados, 2014.

VIEIRA, Martha Bezerra. Gêneros separados nas aulas de Educação Física. Reflexão acerca de tal problemática dentro da escola. EFDeportes.com - Revista Digital. Buenos Aires, Ano 17, Nº 177, Fevereiro, 2013. Disponível em: https://www.efdeportes.com/efd177/generos-separados-nas-aulas-de-educacao-fisica.htm (Acesso em 04 de agosto de 2020).

VIERA, Vanessa Alves; et al. Gênero e diversidade sexual nas escolas: uma questão de direitos humanos. A carta: ideias em tempo real, 2015. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/sociedade/genero-e-diversidade-sexual-nas-escolas-uma-questao-de-direitos-humanos-6727/ (Acesso em 04 de agosto de 2020).

WENETZ, Ileana. Bonecas e barbies no contexto escolar: feminilidade em pauta? In: DORNELLES, Priscila Gomes; WENETZ, Ileana; SCHWEGBER, Maria Simone Vione. Educação Física e Gênero: desafios educacionais. Ijuí: ed. Unijuí, 2013.

Downloads

Publicado

2022-06-30

Edição

Seção

Artigos Originais