Gênero e raça no trabalho doméstico livre em Salvador em fins do século XIX: o surgimento de uma classe fatalmente segmentada

Autores

  • Marina Leão de Aquino Barreto

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2018v10n20p81

Resumo

Em 1887, um conjunto de posturas para disciplinar o trabalho doméstico, em Salvador, foi publicado pela Câmara Municipal. Dentre outras determinações, estabelecia-se que os criados de servir fossem matriculados na Secretaria de Polícia. Foram realizadas 897 matrículas, contendo muitas informações pessoais sobre os trabalhadores, acompanhadas de uma minuciosa descrição física. A partir desse material, foram realizadas análises sobre as possíveis clivagens de gênero, classe e raça dentro da categoria constituída pelos trabalhadores domésticos, cujos resultados são apresentados no presente artigo. Segundo a pesquisa, verificou-se que a atividade mais comum foi a de cozinheira, que abrigava grande quantidade
de matriculadas de cor preta e fula. E apesar de haver funções ocupadas tanto por homens quanto por mulheres, a maior parte delas era restrita a um dos grupos. Esses resultados refletem, igualmente, o que se observa atualmente na caracterização geral do serviço doméstico: mulheres negras confinadas aos trabalhos de cozinha, enquanto homens brancos ocupam posições que deram origem a categorias profissionais que hoje são vistas como destacadas do trabalho doméstico.

Biografia do Autor

Marina Leão de Aquino Barreto

Mestre em História Social pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), bacharela e licenciada em História pela mesma universidade.

Referências

BARRETO, Marina Leão de Aquino. Criada, não, empregada!: contrastes e resistências sob a vigília dos patrões na regulamentação do trabalho doméstico livre ao final do século XIX em Salvador. Dissertação (Mestrado em História Social) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2018.

CARNEIRO, Maria Elizabeth Ribeiro. Uma cartografia das amas de leite na sociedade carioca oitocentista. Textos de História, v. 15, n. 1/2, p. 121-142, 2007.

COSTA, Ana Paula Amaral. Criados de Servir: estratégias de sobrevivência na cidade do Rio Grande (1880-1894), Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Ciências Humanas, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2013.

FRAGA FILHO, Walter. Encruzilhadas da liberdade: histórias de escravos e libertos na Bahia (1870-1910). Campinas: Editora da Unicamp, 2006.

GRAHAM, Sandra Lauderdale. Proteção e obediência: criadas e seus patrões no Rio de Janeiro, 1860-1910, São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

LIMA, Henrique Espada. Trabalho e lei para os libertos na ilha de Santa Catarina no século XIX. Cadernos AEL, v. 14, n. 26, p. 133-179, 2010.

LIMA, Ivana Stolze. Cores, marcas e falas: sentidos da mestiçagem no Império do Brasil. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2003.

MATOS, Maria Izilda Santos de. Do público para o privado: Redefinindo espaços e atividades femininas (1890-1930). Cadernos Pagu, n. 4, p. 97-115, 2008.

MATTOSO, Katia M. de Queirós. Bahia, Século XIX – Uma Província no Império. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1992.

REIS, João José. De olho no canto: trabalho de rua na Bahia na véspera da abolição. Afro-Ásia, n. 24, 2000.

REIS, João José. A greve negra de 1857 na Bahia. Revista USP, n. 18, p. 6-29, 1993.

SANTOS, Jocélio Teles dos. De pardos disfarçados a brancos pouco claros: classificações raciais no Brasil dos séculos XVIII-XIX. Afro-Ásia, n. 32, p. 115-137, 2017.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil – 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SILVA, Maciel Henrique. Nem mãe preta nem negra fulô: histórias de trabalhadoras domésticas em Recife e Salvador (1870-1910). Jundiaí: Paco Editorial, 2016.

SILVEIRA, Renato da. Os selvagens e a massa: papel do racismo científico na montagem da hegemonia ocidental. Afro-Ásia, n. 23, p. 87-144, 2000.

SOUZA, Flavia Fernandes de. Entre nós, nunca se cogitou de uma tal necessidade: o poder municipal da Capital e o projeto de regulamentação do serviço doméstico de 1888. Revista do AGCRJ, n. 5, p. 34, 2011.

Downloads

Publicado

2019-09-20

Como Citar

BARRETO, Marina Leão de Aquino. Gênero e raça no trabalho doméstico livre em Salvador em fins do século XIX: o surgimento de uma classe fatalmente segmentada. Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 10, n. 20, p. 81–102, 2019. DOI: 10.5007/1984-9222.2018v10n20p81. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/1984-9222.2018v10n20p81. Acesso em: 24 maio. 2024.