Na defesa dos sagrados interesses: a greve dos ferroviários no sul da Bahia (Ilhéus e Itabuna, maio de 1927)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2019.e55765

Palavras-chave:

Ferroviários, Greve, Sul da Bahia, Ilhéus

Resumo

O principal objetivo deste artigo é analisar a greve, ocorrida em 1927, dos ferroviários da Estrada de Ferro que ligava Ilhéus a Conquista. A paralisação dos ferroviários foi uma das principais mobilizações operárias do sul da Bahia na Primeira República, com a atuação de diversas agremiações proletárias de Ilhéus e de Itabuna em torno das atividades e da agenda na “defesa dos sagrados interesses”. Com contornos pacíficos e atuando nas brechas da política oligárquica, os ferroviários deram dimensões populares à greve, de modo a pressionar intendentes, parlamentares e associações patronais, utilizando-se do nacionalismo brasileiro contra os administradores ingleses da ferrovia. O artigo foi escrito a partir de matérias veiculadas em jornais, de relatórios institucionais e de correspondências coletadas em arquivos da Bahia e do Rio de Janeiro.

Biografia do Autor

Philipe Murillo Santana de Carvalho, Instituto Federal da Bahia

Professor efetivo do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia - campus Ilhéus. Doutor em História pelo Programa de Pós-Graduação em História da UFBA, Mestre em História Regional e Local da Uneb - campus V - e Licenciado em História pela UESC.

Referências

AZEVEDO JÚNIOR, Manoel Ursino T. Os caminhos de ferro: a história da ferrovia na região cacaueira da Bahia. Itabuna, BA: Marinete/FICC, 2011.

CARVALHO, Philipe Murillo S. de. Trabalhadores, associativismo e política no sul da Bahia (Ilhéus e Itabuna, 1918-1934). 2015. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2015.

CASTELLUCCI, Aldrin A S. Industriais e operários numa conjuntura de crise. Salvador: FIEB, 2004.

CHALHOUB, Sidney. Machado de Assis: Historiador. São Paulo: Companhia das letras, 2003.

ELIAS, Norbert. A sociedade de corte: investigação sobre a sociologia da realeza e a aristocracia da corte. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

FALCON, Gustavo. Os coronéis do cacau. Salvador: Centro Editorial da UFBA/Ianamá, 1995.

FONTES, José Raimundo. Manifestações operárias na Bahia: o movimento grevista – 1888-1930. 1982. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 1982.

FORTES, Alexandre. Nós do quarto distrito...: a classe trabalhadora porto-alegrense e a Era Vargas. Porto Alegre: Garamond, 2004.

GUIMARÃES, Luciano de Moura. Ideias perniciosas do Anarquismo na Bahia. Lutas e organizações dos trabalhadores da construção civil (Salvador, 1919-1922). 2012. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2012.

LINS, Wilson. Mandonismo e obediência. In: LINS, Wilson. Coronéis e oligarquias. Salvador: Ianamá, 1988.

LLOYD, Reginald. Impressões do Brasil no século vinte. Londres: Lloyd's Greater Britain Publishing Company, Ltd., 1913. Disponível em: http://www.novomilenio.inf.br/santos/h0300g00.htm. Acesso em: 26 jul. 2019.

PANG, Eul Soo. Coronelismo e oligarquias, 1889-1930: a Bahia na Primeira República brasileira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.

RIBEIRO, André Luiz Rosa. Família, Poder e Mito: o município de São Jorge dos Ilhéus (1880-1930). Ilhéus: Editus, 2001.

SCHAUN, Maria (org.). Nelson Schaun, merece um livro... Ilhéus: Editus, 2001.

SOUZA, Robério S. Tudo pelo trabalho livre: trabalhadores e conflitos no pós-abolição (Bahia, 1892-1909). Salvador: EDUFBA, 2011.

THOMPSON, E. P. As peculiaridades dos ingleses e outros artigos. Campinas: Ed. da Unicamp, 2001.

VISCARDI, Claudia M. R. Trabalho, previdência e associativismo: as leis sociais na Primeira República. In: LOBO, Valéria Marques. Trabalho, proteção e direitos: o Brasil além da era Vargas. Juiz de Fora, MG: Editora da UFJF, 2010.

ZORZO, Francisco Antonio. Ferrovia e rede urbana na Bahia. Feira de Santana: Ed. da UEFS, 2001.

Downloads

Publicado

2019-11-18

Edição

Seção

Artigos