Uma lei para os libertos: recrutamentos e território quilombola no Recôncavo da Bahia, 1800-1860

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2019.e66922

Palavras-chave:

Escravos, Recrutamentos, Territórios, Quilombos, Repressão, Recôncavo da Bahia

Resumo

Este artigo analisa a ação repressiva das autoridades coloniais e provinciais sobre os escravos e libertos da Bahia, que viviam nas franjas do condado de Nazaré das Farinhas, na primeira metade do século XIX. Também são analisadas as diferentes estratégias levadas a cabo por homens livres para burlar o recrutamento militar, especialmente a formação de quilombos e a construção de territórios negros. O estudo enfatiza o movimento de escravos fugitivos que estavam tentando sobreviver nas cidades e nos distritos da região, as revoltas que protagonizaram e sua relação com a comunidade de homens livres suspeitos. Além do uso de uma bibliografia atualizada, a pesquisa se baseou em documentos expedidos pelos Juízes de Paz, os censos do governo da Capitania, relatos de viajantes, correspondências da Presidência da Província e municipais, ordenanças, acordos e regulamentos do período colonial, processos criminais, assentamentos em livro batismal e documentos emitidos pela polícia da época.

Biografia do Autor

Wellington Castellucci Junior, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia.

Professor de História da América Latina da universidade Federal do Recôncavo da Bahia.

 

Virgínia Queiroz Barreto, Universidade do Estado da Bahia

Doutora em História Social pela USP. Professora de História da América Latina

Referências

ABREU, Capistrano de. Capítulos de História Colonial. (1500-1800). Salvador: Edições, 2006.

ALVES, Isaias. Matas do sertão de baixo. Salvador, Bahia: EDUNEB, 2010.

BARICKMAN, B. J. Um contraponto baiano - açúcar, fumo, mandioca e escravidão no recôncavo, 1780 - 1860. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003a.

BARICKMAN, B. J. E se a casa-grande não fosse tão grande? Uma Freguesia açucareira do recôncavo baiano em 1835. Revista Afro-Ásia, Salvador, CEAO/UFBA, 29/30, p. 79-132, 2003b.

CASTELLUCCI Jr., Wellington. Caçadores de baleia: armações, arpoadores, atravessadores e outros sujeitos envolvidos nos negócios do cetáceo no Brasil. São Paulo: Annablume, 2009.

DIAS, Maria Odila Leite da Silva. Forros e brancos pobres na sociedade colonial do Brasil. 1675-1835. In: História General da América Latina. UNESCO, Madri, Trota, V. 3, Cap. 14, 2001.

DRUZIAN, Janice Izabel; MACHADO, Bruna Aparecida Souza & SOUZA, Carolina Oliveira de. Qualidade, identidade e notoriedade da farinha de mandioca de Nazaré das Farinhas – Ba: uma contribuição a indicação geográfica. Cadernos de prospecção, vol. 05, n. 2, p.104-114, 2012.

ELLIS, Miriam. A baleia no Brasil colonial. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1968.

FREIRE, Felisbelo. História territorial do Brasil. (Bahia, Sergipe e Espírito Santo). v. 1. Salvador: Secretaria da Cultura e Turismo, Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, 1998.

FUNES, Eurípedes Antonio. Mocambos: natureza, cultura e memória. Revista História Unisinos, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, RG, 13(2); 146-153, maio/agosto, 2009.

GOMES, Flávio dos Santos. A hidra e os pântanos: mocambos, quilombos e comunidades de fugidos no Brasil (séculos XVII-XIX). São Paulo: Ed. UNESP; Ed. Polis, 2005.

GOMES, Flávio dos Santos. Mocambos e quilombos: uma história do campesinato negro no Brasil. São Paulo: Claro Enigma, 2015.

GOMES, Flávio dos Santos. Um Recôncavo, dois sertões e vários mocambos: quilombos na Capitania da Bahia (1575-1808). Revista História Social, Campinas, São Paulo, nº2, 25-54, 1995.

HABSBURGO, Maximiliano de. Bahia: 1860. Esboços de viagem. Salvador: Fundação Cultural do Estado da Bahia, 1982.

JUNQUEIRA, Mary Anne. Velas ao mar. U.S. Exploring Expedition (1838-1842). A viagem científica de circum-navegação dos norte-americanos. São Paulo: Intermeios; FAPESP, 2015.

LINHARES, Maria Yeda e SILVA, Francisco Carlos Teixeira da. História da agricultura brasileira – combates e controvérsias. São Paulo: Brasiliense, 1981.

MAMIGONIAN, Beatriz Gallotti. Os direitos dos libertos africanos no Brasil oitocentista: entre razões de direito e considerações políticas. História São Paulo, São Paulo, v.34, nº2, p. 181-205, jul/dez 2015.

MATTOSO, Kátia M. de Queiroz. Bahia, século XIX: uma província no Império. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1992.

MATTOSO, Kátia M. de Queiroz. Bahia: a cidade do Salvador e seu mercado. São Paulo: Hucitec, 1978.

MOTA, Urania Teixeira. Louça de Deus - O Caxixi em Maragogipinho. Salvador: Editora Fast Design, Salvador,2001.

PITTA, Sebastião da Rocha. História da América Portugueza. Salvador – Ba: Livraria Progresso editora,1950.

PRADO Jr., Caio. História Econômica do Brasil. 32ª edição, São Paulo: Brasiliense, 1985.

QUEIROZ, Fernando Pinto de. A capela do padre Mateus. Feira de Santana, Bahia: SAGRA, 1995.

REIS, João José. Rebelião escrava no Brasil. A história do levante dos Malês em 1835. Edição revista e ampliada. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

REIS, João José. Há duzentos anos: a revolta escrava de 1814 na Bahia.Revista Topoi, (Rio J), Rio de Janeiro, v.15, nº28, p. 68-115, jan/jun, 2014.

REIS, João José. Quilombos e revoltas escravas no Brasil. “Nos achamos em campo a tratar da liberdade”. Revista USP, São Paulo, (28): 14-39, dezembro/fevereiro, 1995/96.

REIS, João José. Resistência escrava em Ilhéus. Anais do APB, 44, 1979, pp. 285-97.

RUSSELL-WOOD, A. J. R. Escravos e libertos no Brasil colonial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

SCHWARTZ, Stuart B. Segredos internos: engenhos e escravos na sociedade colonial. 1º reimpressão. São Paulo: Cia das Letras, 1995.

SCHWARTZ, Stuart B. Roceiros e rebeldes. Bauru, São Paulo: Edusc, 2001.

SCHWARTZ, Stuart B. Cantos e quilombos numa conspiração de escravos haussás. Bahia, 1814. In: REIS, João José & GOMES, Flávio dos Santos (Organizadores). Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

SILVA, Francisco Carlos Teixeira da. A morfologia da escassez: crises de subsistência e política no Brasil colonial (Salvador e Rio de Janeiro, 1680-1790). Tese (Doutorado em História). Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 1990.

TAVARES, Luís H. Dias. História da Bahia. São Paulo: UNESP; Salvador: EDUFBA, 2001.

VAINFAS, Ronaldo. A heresia dos índios: catolicismo e rebeldia no Brasil colonial. 2ª reimpressão. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

Downloads

Publicado

2019-11-05

Edição

Seção

Artigos