Chica Brincuda, “a última a ficar nestas terras de escravos”: mulheres negras no Litoral Negro do Rio Grande do Sul

Autores

  • Claudia Daiane Garcia Molet

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2019.e67177

Palavras-chave:

Mulheres Negras, Litoral Negro, Escravidão, Liberdade

Resumo

Neste artigo, tenho o objetivo de analisar as experiências de mulheres negras no Litoral Negro do Rio Grande do Sul, visando destacar os arranjos familiares marcados pela matrilinearidade, as memórias da escravidão e as experiências no pós-Abolição. Aciono as memórias e histórias de Chica Brincuda, rememorada na comunidade remanescente quilombola do Limoeiro como “a última a ficar nestas terras de escravos”. Para isso, aciono as memórias dos quilombolas e outros documentos escritos, como testamento, alforrias e registros de batismos.

Referências

COSTA, Luciano Souza. Anastácia, Manoel Barbosa e Ferreira-Fialho, famílias, e territórios negros: tradição e dinâmica territorial em Gravataí e Viamão. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2007.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo Editoral, 2016.

DOS ANJOS, José Carlos Gomes; SILVA, Sergio Baptista. São Miguel e Rincão dos Martiminianos: ancestralidade negra e direitos territoriais. Porto Alegre: Editora da UFGRS, 2004.

GOMES, Flávio dos Santos. História dos quilombolas: mocambos e comunidades de senzalas no Rio de Janeiro, século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

GRAHAM, Sandra Lauderdale. Proteção e obediência: criadas e seus patrões no Rio de Janeiro, 1860-1910. Tradução de Viviana Bosi. São Paulo, Companhia das Letras, 1992.

LEITE, Miriam Moreira. A condição feminina no Rio de Janeiro, século XIX. São Paulo: Hucitec, 1993.

MOLET, Claudia Daiane Garcia. Parentescos, solidariedades e práticas culturais: estratégias de manutenção de um campesinato negro no Litoral Negro do Rio Grande do Sul (do século XIX ao tempo presente). Tese (Doutorado em História). UFGRS, 2018.

PERROT, Michelle. Os excluídos da história: operários, mulheres e prisioneiros. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

RAGO, Margareth. Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar, Brasil (18901930). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

SILVEIRA, Luciana Conceição Lemos da. Relações de reciprocidade quilombola: Peixoto dos Botinhas e Cantão das Lombas – município de Viamão (RS). Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Rural). UFRGS, 2010.

SOIHET, Rachel. Condição feminina e formas de violência: mulheres pobres e ordem urbana (1890-1920). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1989.

WEIMER, Rodrigo de Azevedo. A gente da Felisberta. Consciência histórica, história e memória de uma família negra no litoral sul rio-grandense nós pós-emancipação. (c.1847-tempo presente) Tese (Doutorado em História). Universidade Federal Fluminense. Rio de Janeiro, 2013.

WITTER, Nikelen Acosta. Dizem que foi feitiço: as práticas da cura no sul do Brasil (1845 a 1880). Porto Alegre: EDIPUCRS, 2001.

Downloads

Publicado

2019-12-17

Edição

Seção

Dossiê 2019.2 - "Beatriz Ana Loner: Mundos do Trabalho e Pós-Abolição"