Operários e operárias da fábrica a vapor de chapéus de Antônio José Maia & Cia.: gênero, idade, qualificação profissional e nacionalidade. Recife, década de 1880.

Marcelo Mac Cord

Resumo


Aberta oficialmente em meados de 1882, a fábrica a vapor de chapéus de Antônio José Maia & Cia. tinha proprietários portugueses. Eles foram obrigados por lei a contratar uma cota de aprendizes nacionais e garantir sua subsistência. No bojo dessa exigência, havia o problema da “transição” do trabalho escravo para o livre e os históricos conflitos entre nativos e estrangeiros no mercado de trabalho. No início da operação do empreendimento fabril, a maior parte da mão de obra especializada era portuguesa. Aos pernambucanos e às pernambucanas das mais variadas idades, foram destinados, de uma forma geral, os serviços mais simples e provisórios. Entre os anos de 1882 e 1886, os portugueses foram paulatinamente substituídos por nacionais formados na própria fábrica a vapor de chapéus, barateando custos de produção. Naquele mesmo espaço de tempo, meninas, meninos, moças, rapazes e mulheres adultas, brasileiros contratados como aprendizes, foram os que mais sofreram com a precarização e com a rotatividade nas oficinas da chapelaria. Nosso artigo analisa as complexidades do objeto de estudo por meio dos instrumentos da história social do trabalho.


Palavras-chave


Chapelaria; Fábrica de chapéus; Operários; Operárias

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALVES, Jorge Fernandes. Os “brasileiros”: emigração e retorno no Porto oitocentista. Porto: Faculdade de Letras da UP, 1993.

BARROS, Surya Aaronovich Pombo de. Negrinhos que por ahi andão: a escolarização da população negra em São Paulo (1870-1920). Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 2005.

BENSMAN, David. The pratice of solidarity: American hat finishers in the Ninenteenth-Century. Urbana: University of Illinois, 1985.

CÂMARA, Bruno Augusto Dornelas. O “retalho” do comércio: a política partidária, a comunidade portuguesa e a nacionalização do comércio a retalho, Pernambuco 1830/1870. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2013.

CÂMARA, Bruno Augusto Dornelas. Trabalho livre no Brasil Imperial: o caso dos caixeiros de comércio na época da Insurreição Praieira. Dissertação (Mestrado em História Social) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2005.

CARVALHO, Marcus Joaquim Maciel de. Os nomes da revolução: lideranças populares na Insurreição Praieira, Recife, 1848-1849. Revista Brasileira de História, v. 23, n. 45, p. 209-238, 2003.

CORREIA, João da Silva. Unhas negras. Lisboa: Livraria Editora Guimarães & Cia, 1953.

COSTA, Ana Luiza Jesus da. O educar-se das classes populares oitocentistas no Rio de Janeiro entre a escolarização e a experiência. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 2012.

CRUZ, Stéphanie Gomes da. Os usos e a produção do chapéu em Portugal: uma experiência de mediação patrimonial no Museu da Chapelaria. Dissertação (Mestrado em História e Patrimônio) – Faculdade de Letras, Universidade do Porto, Porto, 2015.

EISENBERG, Peter. Modernização sem mudança: a indústria açucareira em Pernambuco, 1840-1910. Rio de Janeiro, Paz e Terra; Campinas, Editora da Unicamp, 1977.

HOBSBAWM, Eric J. A era do capital: 1848-1875: Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2009.

HOBSBAWM, Eric. Mundos do trabalho: novos estudos sobre a história operária. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

KLEIN, Herbert S. A integração social e econômica dos imigrantes portugueses no Brasil nos finais do século XIX e no século XX. Análise social, v. XXVIII, n. 121, p. 235-265, 1993.

MAC CORD, Marcelo. Artífices da cidadania: mutualismo, educação e trabalho no Recife oitocentista. Campinas: Editora da Unicamp; FAPESP, 2012.

MAC CORD, Marcelo. Conexões atlânticas nos canteiros de obras públicas recifenses: lutas subalternas contra a precarização do trabalho. Década de 1850. Revista de História Comparada, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 156-185, 2013.

MAC CORD, Marcelo. Cor e letramento nos censos: Recife e cercanias, 1872-1890. Revista Z Cultural, Rio de Janeiro, ano XIV, n. 1, p. 15, 2019.

MAC CORD, Marcelo. Direitos trabalhistas em construção: as lutas pela jornada de oito horas em Pernambuco, 1890-1891. Tempo, Niterói, v. 22, n. 39, p. 175-195, jan. – abr. 2016.

MAC CORD, Marcelo. Francisco José Gomes de Santa Rosa: experiências de um mestre pedreiro pardo e pernambucano no oitocentos. Afro-Ásia, Salvador, n. 49, p. 199-227, 2014.

MAC CORD, Marcelo. Imperial Sociedade dos Artistas Mecânicos e Liberais: mutualismo, cidadania e a reforma eleitoral de 1881 no Recife. In: MAC CORD, Marcelo; BATALHA, Claudio H. de M. (orgs.). Organizar e proteger: trabalhadores, associações e mutualismo no Brasil (séculos XIX e XX). Campinas: Editora da Unicamp; FAPESP, 2014. p. 153-191.

MELLO, Evaldo Cabral de. O norte agrário e o Império: 1871-1889. Rio de Janeiro: Topbooks, 1999.

MOMESSO, Beatriz Piva. Indústria e trabalho no século XIX: o estabelecimento de fundição e máquinas de Ponta d’Areia. Dissertação (Mestrado em História Social) – Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal de Fluminense, Niterói, 2007.

MÓNICA, Maria Filomena. Uma aristocracia operária: os chapeleiros (1870-1914). Análise Social, Lisboa, v. XV, n. 60, p. 859-945, 1979.

MORAES, Evaristo. Apontamentos de direito operário. São Paulo: LTr, 1998.

MOURA, Vera Lúcia Braga de. Pequenos aprendizes: assistência à infância desvalida em Pernambuco no século XIX. Dissertação (Mestrado em História Social) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2003.

PEREIRA, Miriam Halpern. Artesãos, operários e o liberalismo: dos privilégios corporativos para o direito ao trabalho (1820-1840). Ler História, n. 14, p. 41-86, 1988.

PERROT, Michelle. Os excluídos da História: operários, mulheres, prisioneiros. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

PROTHERO, Iorwerth. Artisans & politics in early nineteenth-century London: John Gast and his times. Londres: University Paperbacks, 1979.

QUEIROZ, Francisco. Subsídios para a história das fábricas de fundição do Porto no século XIX. Associação Cultural Amigos do Porto, 3ª série, n. 19, p. 140-185, 2001.

RAMADA, José Antônio Real Pereira. A indústria chapeleira portuense: um exemplo esquecido de patrimônio cultural. População e sociedade, n. 3, p. 273-299, 1997.

RIBEIRO, Gladys Sabina. A liberdade em construção: identidade nacional e conflitos antilusitanos no Primeiro Reinado. Rio de Janeiro: Relume Dumará; FAPERJ, 2002.

RIZZINI, Irma. Pequenos trabalhadores do Brasil. In: DEL PRIORI, Mary (org.). História das crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 2007. p. 376-406.

RUGIU, Antônio Santoni. Nostalgia do mestre artesão. Campinas: Autores Associados, 1998.

SANTOS, Lyndon de Araújo. Os brácaros chapeleiros: mundos e representações dos chapéus no Rio de Janeiro (1825-1898). Vária História, Belo Horizonte, v. 31. n. 57, p. 787-818, set. – dez. 2015.

SANTOS, Maria Emília Vasconcelos dos. “Moças honestas” ou “meninas perdidas”: um estudo sobre a honra e os usos da justiça pelas mulheres pobres em Pernambuco (1860-1888). Dissertação (Mestrado em História Social) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2007.

SANTOS, Yan Soares. A Sociedade Propagadora da Instrução pública e suas ações de qualificação profissional em Recife (1872-1903). Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Pernambuco, 2014.

SILVA, Adriana Maria Paulo da. Processos de construção das práticas de escolarização em Pernambuco, em fins do século XVIII e a primeira metade do século XIX. Recife: Editora Universitária UFPE, 2007.

SONENSCHER, Michel. The hatters of Eighteenth-Century France. Berkeley and Los Angeles: University of California Press, 1987.

SOUZA, Felipe Azevedo e. A participação política das classes populares em três movimentos, Recife (c. 1880 – c. 1900). Tese (Doutorado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, 2018.

SOUZA, Francisco Belisário Soares de. O sistema eleitoral no Império. Brasília: Senado Federal, 1979.

STOTT, Richard. Artisans and capitalist development. Journal of the Early Republic, v. 16, n. 2, p. 257-271, 1996.

THOMPSON, Edward Palmer. A formação da classe operária inglesa: a maldição de Adão. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

VEIGA, Cynthia Greive. Escola pública para os negros e os pobres no Brasil: uma invenção imperial. Revista Brasileira de História da Educação, Rio de Janeiro, v. 13, n. 39, p. 502-516, 2008.




DOI: https://doi.org/10.5007/1984-9222.2020.e69916

Directory of Open Access Journals

 

 

Home

 

 LATINDEX


 

 

 

 

 

 

capes