Trabalhadores, obras públicas e Justiça do Trabalho no “milagre econômico” em Alagoas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2020.e75391

Resumo

Este artigo busca analisar como a ditadura empresarial-militar brasileira provocou uma avalanche de obras que implicou no crescimento precarizado de trabalhadores empregados na indústria da construção civil. Nesse sentido, o “milagre econômico” operou através das obras públicas, de forma paulatina, entre os governos, edificando construções cada vez mais vultuosas, como é o caso do estádio de futebol Rei Pelé, popularizado Trapichão. Analisaremos as experiências dos operários nas construções aqui reunidas através da Justiça do Trabalho, uma instituição disputada por trabalhadores e patrões. Pensar em como se deu o “milagre” econômico para esses trabalhadores, significa olhar mais de perto para o barateamento de sua mão de obra, para o seu adoecimento e morte, para a superexploração e a precarização das suas condições de trabalho e de como o patronato e o Estado se beneficiavam das características de terceirização e de informalidade que predominaram naquele contexto.

Biografia do Autor

Renata Silva Gusmão

Mestra em História pela Universidade Federal de Alagoas.

Pesquisadora na áera da História Social do Trabalho.

Referências

AZEVEDO, Sérgio. Vinte e dois anos de política de habitação popular (1964-86): Criação, trajetória e extinção do BNH. Rev. Adm. Públ., Rio de Janeiro, 22 (4), pp. 107-119, out./dez. 1988.

BATALHA, Claudio. A historiografia da classe operária no Brasil: Trajetória e tendências. In: FREITAS, Marcos Cezar (Org.). Historiografia brasileira em perspectiva. São Paulo: Contexto, 2000. pp. 145-158.

Brasil. A história da Justiça do Trabalho no Brasil: Multiplicidade de olhares. Brasília: Tribunal Superior do Trabalho, Comissão de Documentação, 2011.

CALADO, Diógenes Mendes. Ditadura militar e futebol: A construção do Estádio do Arruda e a realização da Taça Independência em Recife (1972). Caravana 25 anos da Anpuh (Pernambuco). Diálogos entre pesquisa e ensino. Recife, 2015.

CAMPOS, Pedro Henrique Pedreira. Estranhas Catedrais: As empreiteiras brasileiras e a ditadura civil-militar, 1964-1988. Niterói: Eduff, 2014.

CARDOSO, Adalberto Moreira. A década neoliberal e a crise dos sindicatos no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2003.

CARVALHO, Cícero Péricles. Formação histórica de Alagoas. 3 Ed. Maceió; Edufal, 2015.

CORREA, Larissa Rosa; FONTES, Paulo Roberto Ribeiro. As falas de Jerônimo: Trabalhadores, sindicatos e a historiografia da ditadura militar brasileira. Anos 90, Porto Alegre, v. 23, n. 43, pp. 129-151, jul. 2016.

COSTA, Edmilson Silva. A política salarial no Brasil, 1964-1985: 21 anos de arrocho salarial e acumulação prê-datória. Tese (Doutorado em Economia) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1996.

COSTA, Rodrigo José. O golpe civil-militar em Alagoas: o governo Luiz Cavalcante e as lutas sociais (1961-1964). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2013

DREIFUSS, René, Armand. 1964: A conquista do Estado. Ação política, poder e golpe de classe. 3. Ed. Petrópolis: Editora Vozes, 1981.

FILGUEIRAS, Vitor Araújo (Org.). Saúde e segurança do trabalho na construção civil brasileira. In.: Saúde e segurança do trabalho na construção civil brasileira. Aracaju: J. Andrade, 2015.

FORNAZIERI, Ligia Lopes. Entre conflitos e debates: A criação da Justiça do Trabalho no Brasil (1934-1943). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014.

FRAGA, Gerson Wasen. Futebol, imprensa e ditadura: Das formiguinhas de Geisel à abertura de Telê. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH • São Paulo, julho 2011.

FRENCH, John. Afogados em leis: A CLT e a cultura política dos trabalhadores brasileiros. São Paulo: Perseu Abramo, 2001.

GOMES, Angela de Castro SILVA, Fernando Teixeira (Org.). A Justiça do Trabalho e sua História: os direitos dos trabalhadores no Brasil. Campinas: Editora Unicamp, 2013.

GOMES, Rafael da Silveira. A produção social do infortúnio: acidentes de trabalho incapacitantes na construção civil. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) – Escola Nacional de Saúde Pública. Rio de Janeiro, 2003.

GUSMÃO, Renata Silva de. Trabalhadores da construção civil e Justiça do Trabalho durante a ditadura empresarial-militar em Alagoas. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2019.

HOBSBAWM, Eric. Mundos do Trabalho: Novos estudos sobre história operária. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

LARA, Silvia H. Escravidão, cidadania e história do trabalho no Brasil. Projeto História. São Paulo (16): 25-38, fev. 1998.

MATTOS, Marcelo Badaró. Os Trabalhadores e o golpe de 1964: Um balanço da historiografia. Revista História & Luta de Classes, n. 1, abr. 2005, pp. 7-18.

MELO, Demian Bezerra. Golpe de 1964 e meio século de controvérsias: O estado atual da questão. Revista História & Luta de Classes, n. 17, pp. 11-21, mar. 2014.

MONTEIRO, Sinei Soares. Futebol, Ditadura e Trabalho: uma análise das relações políticas e sociais no campo desportivo paraense (1964 – 1978). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2009.

NASCIMENTO, Álvaro Pereira. Trabalhadores negros e o “paradigma da ausência”: Contribuições à história social do trabalho no Brasil. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, vol. 29, n. 59, pp. 607-626, set.-dez. 2016.

NETTO, José Paulo. Pequena história da ditadura brasileira (1964-1968). São Paulo: Cortez, 2014.

PERDIGÃO, Lauthenay. História do futebol alagoano: arquivos implacáveis. 3 Ed. Maceió: Graciliano Ramos, 1981.

SILVA, Ana Beatriz Ribeiro Barros. O desgaste e a recuperação dos corpos para o capital: Acidentes de trabalho, prevencionismo e reabilitação profissional durante a ditadura militar brasileira (1964-1985). Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2016.

SILVA, Fernando Teixeira. Trabalhadores no Tribunal: Conflitos e Justiça do Trabalho no contexto do Golpe de 1964. São Paulo: Alameda, 2016.

SILVA, Fernando Teixeira. Nem crematório de fontes nem museu de curiosidades: por que preservar os documentos da Justiça do Trabalho. In: MEINZ, Flavio M. e HARRES, Marluza Marques (Orgs.). A História e seus territórios: Conferências do XXIV Simpósio Nacional de História da ANPUH. São Leopoldo: Oikos, 2008.

SILVA, Luís Geraldo Gomes. Os acidentes fatais entre os trabalhadores contratados e subcontratados do setor elétrico brasileiro. Rede de Estudos do Trabalho, ano VI, nº 12, 2013.

SANTOS, Paulo Henrique Faleiro e BARROS, Vanessa Andrade. A condição de servente na construção civil. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 2011, vol. 14, n. 2, pp. 241-262.

SANTOS, Paulo Vitor Barbosa. Discursos, práticas e memória: O MDB em Alagoas e a ditadura militar (1966-1979). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2017.

THOMPSON, Edward P. Costumes em comum: Estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo, Companhia das Letras, 1998.

Downloads

Publicado

2020-12-14

Como Citar

GUSMÃO, Renata Silva. Trabalhadores, obras públicas e Justiça do Trabalho no “milagre econômico” em Alagoas. Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 12, p. 1–19, 2020. DOI: 10.5007/1984-9222.2020.e75391. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/75391. Acesso em: 17 abr. 2024.

Edição

Seção

D2 "Trabalhadores de construção: por estradas, ferrovias, açudes e outras obras"