A casa do trabalhador em tempos epidêmicos. São Paulo, primeiras décadas republicanas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984.9222.2020.e75456

Palavras-chave:

Epidemia, Habitação operária, Jornal operário, Imprensa

Resumo

Entre o final do século XIX e os anos 1910, com o crescimento vertiginoso da cidade de São Paulo, a habitação dos trabalhadores foi tema de discussões médicas e de propostas governamentais, além de pauta recorrente de jornais que, em nome dos trabalhadores ou operários, denunciavam a situação precária das moradias de muitos dos habitantes da cidade. Este artigo discute a casa operária na capital do estado de São Paulo nos contextos da ameaça de peste bubônica em 1899, do surto de varíola de 1908 e da epidemia de gripe espanhola, privilegiando as considerações dos jornais “independentes”, anarquistas ou libertários e, no caso da gripe de 1918, aquelas do O Combate, jornal da grande imprensa cujo lema era “independência, verdade e justiça”. Nesses jornais, a ciência, traduzida em proposições médicas, embasou críticas sociais e ao governo, e a divulgação, para os trabalhadores, do ideal da casa salubre e da importância das práticas higiênicas para a manutenção da saúde nesses períodos epidêmicos.

Biografia do Autor

Liane Maria Bertucci, Universidade Federal do Paraná

Doutora em História pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), realizou estágio de pós-doutorado na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP). Professora associada de História da Educação na Universiade Federal do Paraná (UFPR).

Referências

ABRÃO, Janete S. Banalização da morte na cidade calada. Porto Alegre: EDIPUCRS,1998.

ABREU JUNIOR, José M. de C. O vírus e a cidade. Belém: Editora Paka-Tatu, 2019.

ALMEIDA, Marta de. República dos invisíveis: Emílio Ribas, microbiologia e saúde pública em São Paulo (1898-1917). Bragança Paulista: Edusf, 2003.

AMERICANO, Jorge. São Paulo Neste Tempo - 1915/1935. São Paulo: Melhoramentos, 1960.

BATALHA, Claudio. Edgard Leuenroth. In: ABREU, Alzira A. (coord.) Dicionário histórico-biográfico da Primeira República (1889-1930). [digital]. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2015.

BENCHIMOL, Jaime L. Dos micróbios aos mosquitos. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 1999.

BERTOLLI FILHO. Claudio. A gripe espanhola em São Paulo, 1918. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

BERTUCCI, Liane Maria. Influenza, a medicina enferma. Campinas: Editora da Unicamp, 2004.

BERTUCCI, Liane Maria. Spanish Flu in Brazil: searching for causes during the epidemic horror. In: PORRAS-GALLO, M.-I.; DAVIS, R. A. (ed.). The Spanish Flu Influenza Pandemic of 1918-1919. Rochester: University of Rochester Press, 2014, p. 39-55.

BRESCIANI, Stella. Casa. In: TOPOLOV, Christian et al. (org.). A Aventura das palavras, através dos tempos, das línguas e das sociedades. São Paulo: Romano Guerra Editora, 2014. p. 174-184.

BRITO, Jolumá. História da cidade de Campinas. 23ª ed. São Paulo: Gráfica Saraiva, 1966.

BRITO, Nara Azevedo de. La dansarina: a gripe espanhola e o cotidiano na cidade do Rio de Janeiro. História, ciências, saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 11-30, 1997.

CANO, Jefferson. A cidade dos cortiços: os trabalhadores e o poder público em São Paulo no século XIX. In: AZEVEDO, Elciene et al (org.) Trabalhadores na cidade: cotidiano e cultura no Rio de Janeiro e em São Paulo, séculos XIX e XX. Campinas: Editora da Unicamp, 2009. p. 221-249.

CARPINTÉRO, Marisa Varanda T. A construção de um sonho. Campinas: Editora da Unicamp, 1997.

CORBIN, Alain. Saberes e odores. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

FOUCAULT, Michel. O nascimento da medicina social. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 4ª ed. Rio de Janeiro: Graal, 1984. p.79-98.

GEISON, Gerald. A ciência particular de Louis Pasteur. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; Contraponto, 2002.

MARTINS, Paulo César G. Habitação e vizinhança: limites da privacidade no surgimento das metrópoles brasileiras. In: NOVAIS, Fernando A. (coord.) História da vida privada no Brasil. 3º volume. São Paulo: Companhia das Letras 1999. p. 131-214.

MARTINS, Valter. Cidade-laboratório: Campinas e a febre amarela na aurora republicana. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 22, n. 2, p. 507-524, abr.-jun. 2015.

MCKEOWN, Thomas; LOWE, C. R. Introducción a la medicina social. 4ª ed. Ciudad de México: Siglo Veintiuno Editores, 1989.

MELLO, Francisco Figueira de. Habitações collectivas em S. Paulo. Boletim da Sociedade de Medicina e Cirurgia de São Paulo, São Paulo, v. IX, 3ª série, n. 4, p. 291-295, jun.1926.

MENDES, R. Teixeira. Ainda a Questão da Varíola e da Vacina. Boletim Igreja e Apostolado Positivista do Brasil. Rio de Janeiro, nº 264, 13 jul. 1908.

MENDES, R. Teixeira. Ainda a Vacinação Obrigatória e a Política Republicana. Boletim Igreja e Apostolado Positivista do Brasil. Rio de Janeiro, nº 259, 23 mar.1908.

MENDES, R. Teixeira. Ainda em Defesa da Política Republicana Atraiçoada pela Higiene Oficial. Boletim Igreja e Apostolado Positivista do Brasil. Rio de Janeiro, nº 266, 1º ago. 1908.

MEYER, Carlos Luiz; TEIXEIRA, Joaquim Rabello. A grippe epidemica no Brazil e especialmente em São Paulo. São Paulo: Casa Duprat, 1920.

NEIVA, Arthur. Relatorio da Directoria Geral do Serviço Sanitario. 29 de outubro de 1918. Fundo Arthur Neiva. CPDOC - Fundação Getúlio Vargas.

PERROT, Michelle. História dos quartos. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

RIBEIRO, Maria Alice R. O engenheiro e o inquérito: as habitações operárias no Distrito de Santa Ifigênia, São Paulo, 1893. Cadernos de História da Ciência, São Paulo, v. 11, nº 1, p. 130-169, 2015.

ROSEN, George. Da polícia médica à medicina social. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

SALOMON-BAYET, Claire (ed.). Pasteur et la révolution pastorienne. Paris: Payot, 1986.

SANTOS, Carlos José F. dos. Nem tudo era italiano. São Paulo: Annablume, 1998.

SEIXAS, Jacy A. de. Anarquismo e socialismo no Brasil: as fontes positivistas e darwinistas sociais. História & Perspectivas, Uberlândia, nº 12/13, p. 133-148, jan.-dez. 1995.

SILVEIRA, Anny Jackeline T. A influenza espanhola e a cidade planejada. Belo Horizonte: Argumentum, 2008.

SOUZA, Christiane Maria C. de. A gripe espanhola na Bahia. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2009.

TOLEDO, Edilene. A trajetória anarquista no Brasil na Primeira República. In: FERREIRA, Jorge; REIS, Daniel A. (org.). As esquerdas no Brasil: a formação das tradições (1889-1945). Volume I. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007, p. 53-87.

Downloads

Publicado

2020-10-27

Edição

Seção

Dossiê 2020.2 - "Os mundos do trabalho e suas interfaces com a ciência, a saúde e a doença”