Para a saúde da criança. A educação do trabalhador nas teses médicas e nos jornais operários (São Paulo, início do século XX)

Liane Maria Bertucci

Resumo


O artigo discute como em São Paulo, nas primeiras décadas dos novecentos, o saber médico-científico, expresso de maneira privilegiada em teses da Faculdade de Medicina e Cirurgia da cidade, embasou propostas educacionais de doutores e permeou discussões e ações de trabalhadores relacionadas à questão da saúde da criança operária (entendida como criança trabalhadora ou filha de operários ou trabalhadores), dentro e fora da fábrica, no período de maior influência de ideias anarquistas entre o operariado de São Paulo (da virada para o século XX até os anos 1920). Destaco as discussões sobre o trabalho infantil e sobre a mulher-mãe operária, responsável primeira pela saúde dessas crianças.


Palavras-chave


Educação para a saúde; Teses médicas; Jornais operários

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALBERDI, Juan Bautista. Organización de la Conferencia Argentina. Buenos Aires: El Ateneo, 1913.

ALMEIDA, Anna Beatriz de Sá. “Doenças e trabalho: um olhar sobre a construção da especialidade medicina do trabalho”. In: NASCIMENTO, Dilene R. do; CARVALHO, Diana M. de; MARQUES, Rita de C. (org.) Uma história brasileira das doenças. Volume 2. Rio de Janeiro: Mauad X, 2006.

ALMEIDA, Anna Beatriz de Sá. “A Associação Brasileira de Medicina do Trabalho: locus do processo de constituição da especialidade medicina do trabalho no Brasil na década de 1940”. Ciência & saúde coletiva. Rio de Janeiro, v.13, nº3, p.869-877, maio-jun. 2008.

AMADORI, Luis Cesar (Director). Dios se lo pague. Buenos Aires: Argentina Sono Film S.A.C.I. 1948.

AMERICANO, Jayme Cardoso. “Da protecção ao lactante em nosso meio operário”. (Tese de

doutoramento, Faculdade de Medicina e Cirurgia de São Paulo). São Paulo: Typ. Martins, 1924.

ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. 2ª edição. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

ARRUDA, Cyro de Oliveira. “Contribuição para o estudo da mortalidade infantil em São Paulo”. (Tese de doutoramento, Faculdade de Medicina de São Paulo). São Paulo: Typ. S. José, 1926.

BANDEIRA JUNIOR, Antônio Francisco. “A indústria no Estado de São Paulo em 1901”. In: PINHEIRO, Paulo Sérgio; HALL, Michel M.(org.) A classe operária no Brasil. Volume 2 – Documentos. São Paulo: Brasiliense, 1981.

BERTUCCI, Liane Maria. Saúde: arma revolucionária. Campinas: Publicações CMU/Unicamp, 1997.

BIAGINI, Héctor. El movimiento positivista argentino. Buenos Aires: Ed Belgrano, 1980.

BIALET MASSÉ, Juan (1904). Informe sobre el estado de la clase obrera. Madrid: Hispamérica, 1985.

BOUDIN, Jean. Traité de géographie et de statistique médicale. Paris: Baillière, 1857.

CANGUILHEN, Georges. El conocimiento de la vida. Buenos Aires: Ed. Anagrama, 1976.

CAPONI, Sandra. Loucos e Degenerados: uma genealogía da psiquiatría ampliada. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2014.

CAPONI, Sandra. Loucos e degenerados. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2012.

CAMPI, Daniel. A cien años del Informe Bialet Massé. San Salvador de Jujuy: Universidad Nacional de Jujuy, 2004.

CHARTIER, Roger. Práticas e representações: leituras camponesas em França no século XVIII. In: CHARTIER, Roger. A história cultural. Lisboa: Difel, 1990.

CHEVALIER, Luis. Classes laborieuses et classes dangereuses. Paris: Ed. Pluriel, 1978.

CODELLO, Francesco. A boa educação. Volume 1 – A teoria. São Paulo: Imaginário, 2007.

DAVIS, Natalie Zemon. “O povo e a palavra impressa”. In: DAVIS, Natalie Zemon.

Culturas do povo. 2ª edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001.

DEL PRIORE, Mary (org.). História da criança no Brasil. 2ª edição. São Paulo: Contexto, 2000.

DIAS, Maria Odila L. da Silva. Quotidiano e poder em São Paulo do século XIX. São Paulo:

Brasiliense, 1984.

DORDAL, Álvaro Roca. “Da protecção à operária grávida”. (Tese de doutoramento, Faculdade de Medicina e Cirurgia de São Paulo). São Paulo: P.M. Higgins & C.R.B. de Iguape, 1923.

FARIA, Lina. Saúde e política. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2007.

FAURE, Olivier. “O olhar do médico”. In: CORBIN, Alain; COURTINE, Jean-Jacques; VIGARELLO, Georges (dir.). História do corpo. Volume 2, 2ª edição. Petrópolis: Vozes, 2008.

FERNANDEZ, Cristina Beatriz. “¿Teorías científicas fuera de lugar? Algunas derivas del evolucionismo en el positivismo argentino”. Hispanic Research Journal, vol. 7, No. 3, September 2006, p. 223-236.

FLOYD, W. F. y WELFORD, A. T. Fatiga y trabajo. Buenos Aires: Eudeba, 1968; CORIAT, Benjamín. El Taller y el cronómetro. México: Siglo XXI, 1982.

FREIRE, Maria Martha de L. Mulheres, mães e médicos. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2009.

GALFIORE, María Carla. “La sociología criminal de Enrico Ferri: entre el socialismo y la intervención disciplinaria”. VII JORNADAS DE SOCIOLOGÍA DE LA UNIVERSIDAD NACIONAL DE LA PLATA, La Plata, 2012. Sitio web: http://jornadassociologia.fahce.unlp.edu.ar.

GÉLIS, Jacques. “A individualização da criança”. In: ARIÈS, Philippe; DUBY, Georges (dir.). História da vida privada. Volume 3. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

GOFFMAN, Erving. Estigma. Notas sobra a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: Ed. LTC, 1988.

HEYWOOD, Colin. Uma história da infância. Porto Alegre: Artmed, 2004.

HIMMELFARB, Gertrud. La idea de Pobreza. México: Fondo de Cultura Económica, 1988.

HOCHMAN, Gilberto. A era do saneamento. São Paulo: Hucitec, 1998.

INGENIEROS, José (1903). La simulación de la locura. In: Obras Completas. Buenos Aires: Ed. Mar Océano, 1961.

INGENIEROS, José. La legislation du travail dans la Republique Argentine. In: Obras Completas. Buenos Aires: Ed. Mar Océano, 1961.

INGENIEROS, José (1915). La formación de la raza Argentina. In: Obras Completas. Buenos Aires: Ed. Mar Océano, 1961.

INGENIEROS, José (1903a). La pereza latinoamericana. In: Sociología Argentina. Buenos Aires: Ed. Elmer, 1961.

JAURECHE, Arturo. Manual de Zonceras Argentinas. Buenos Aires: Ed. Corregidor, 2012.

JOMINI, Regina C. Mazoni. Uma educação para a solidariedade. Campinas: Pontes; Ed. Unicamp, 1990.

KANT, Immanuel (1798). Antropología en sentido pragmático. Madrid: Alianza Ed., 1991.

LATOUR, Bruno. La science em action. Paris: Éd. La Découverte, 1989.

LOPREATO, Christina Roquette. O espírito da revolta. São Paulo: Annablume, 2000.

LOURO, Guacira Lopes. “Mulheres na sala de aula”. In: DEL PRIORE. Mary (org.) História

das mulheres no Brasil. 5ª edição. São Paulo: Contexto, 2001.

MAGNAN, Valentin. Leçons cliniques sur les maladies mentales. Paris: Baillére, 1887.

MARINHO, Maria Gabriela S.M.C. Elites em negociação. Bragança: Ed. USF, 2003.

MARQUES, Vera Regina Beltrão. Medicalização da raça. Campinas: Ed. Unicamp, 1994.

MARTINS, Valter. Mercados urbanos, transformações na cidade. Campinas: Ed. Unicamp, 2010.

MIRANDA, Marisa; VALLEJO, Gustavo. Una historia de la Eugenesia, Argentina y las redes biopoliticas internacionales. Buenos Aires: Biblos, 2012.

MONTESQUIEU. De l’esprit des loix. London: Nourse, 1767.

MOREL, Benedict. Traité des dégénérescence de l’éspèce humaine. Paris: Baillére, 1857.

MOSSO, Angelo. La fatiga. Madrid: Ed. Jarro, 1891.

MOTA, André; MARINHO, Maria Gabriela S.M.C. (org.). Eugenia e história. São Paulo: FFMUSP; UFABC; Casa Soluções Editora, 2013.

MOTA, André; SCHRAIBER, Lilia Blima. “Mudanças corporativas e tecnológicas da medicina paulista em 1930”. História, ciências, saúde – Manguinhos. Rio de Janeiro, v. 16, nº 2, p. 345-360, abr-jun 2009.

MOURA, Esmeralda B. B. de. Mulheres e menores no trabalho industrial. Petrópolis: Vozes, 1982.

NORDAU, Max. Degeneration. London: University of Nebrsk Press, 1895.

PALACIOS, Alfredo (1922). La Fatiga y sus proyecciones sociales. Buenos Aires: Editorial Claridad, 1944.

PASCARELLI, Vicente. “Da protecção à primeira infância em São Paulo”. (Tese de doutoramento, Faculdade de Medicina de São Paulo). São Paulo: Irmão Ferraz, 1926.

PERROT, Michelle. “O elogio da dona-de-casa no discurso dos operários franceses do século XIX”. In: PERROT, Michelle. As mulheres ou os silêncios da história. Bauru: Edusc, 2005.

POULOT, Denis. Le sublime. Paris: Ed. Maspero, 1980.

RABINBACH, Anson. The human motor. New York: B. Books, 1991.

RAMOS MEJIA, José Maria. Las multitudes argentinas. Buenos Aires:Ed. Tor, 1965.

RECALDE, Hector. “Prólogo”. In: Informe sobre el estado de la clase obrera. Buenos Aires: Ed. Ministerio de la Provincia de Buenos Aires, 2010.

ROLDAN, Diego. “Discursos alrededor del cuerpo, la máquina, la energía y la fatiga: hibridaciones culturales en Argentina fin-de-siècle”. Revista História, Ciência e Saúde – Manguinhos, v. 17, nº 3, 2010.

SANTOS, Carlos J. Ferreira dos. Nem tudo era italiano. São Paulo: Annablume, 1998.

SEIXAS, Jacy Alves de. “Anarquismo e socialismo no Brasil: as fontes positivistas e darwinistas sociais”. História & Perspectivas, Uberlândia, nº 12/13 p. 133-148, jan.-dez., 1995.

SILVA, José Bonifácio de Andrada e. “Representação à Assembleia Geral Constituinte e Legislativa do Império Brasileiro sobre a escravatura”. In: SILVA, Elisiane da; NAVES, Gervásio R.; MARTINS, Liana B. (org.) José Bonifácio. 2ª edição. Brasília: Fund. Ulysses Guimarães, 2013.

SILVA, Ulysses Gonçalves de Souza e. “Pela Puericultura”. (Tese de doutoramento, Faculdade de Medicina e Cirurgia de São Paulo). São Paulo: Casa Vanorden, 1921.

SOIHET, Rachel. “Mulheres pobres e violência no Brasil urbano”. In: DEL PRIORE, Mary (org.). História das mulheres no Brasil. 5ª edição. São Paulo: Contexto, 2001.

STAGNARO, Juan Carlos. “Evolución y Situación de la Historiografía de la psiquiatría Argentina”. Rev Frenia, Vol VI, Nº 1, 2006.

STIKER, Henri-Jacques. “Nova percepção do corpo enfermo”. In: CORBIN, Alain; COURTINE, Jean-Jacques; VIGARELLO, Georges (dir.). História do corpo. Volume 2. 2ª edição. Petrópolis: Vozes, 2008.

TERÁN, Oscar. Positivismo y nación en la Argentina. Buenos Aires: Ed. Paidos, 1987.

TISSIIÉ, Philippe. La fatiga y el adiesteamiento físico. Madrid: Imprenta Rojas, 1897.

THOMPSON, Edward P. A formação da classe operária inglesa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987, especialmente o volume 2 – “A maldição de Adão”.

THOMPSON, Edward P. Costumes em comum. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

TRIMBOLI, Javier. Mil novecientos cuatro por el camino de Bialet Massé. Buenos Aires: Ediciones Colihue, 1999.

TRINDADE, Etelvina Maria de C. Clotildes ou Marias, mulheres de Curitiba na Primeira República. Curitiba: Farol do Saber, 1996.

VENÂNCIO, Renato Pinto (org.). Uma história social do abandono de crianças. São Paulo: Alameda, 2010.

VERMEREN, Patrice y VILLAVICENCIO, Susana. “Positivismo y ciudadanía: José Ingenieros y la constitución de la ciudadanía por la ciencia y la educación en la Argentina”. Anuario de Filosofía Argentina y Americana, nº 15, año 1998, p. 61-78.

VEZZETTI, Hugo. La locura en la Argentina. Buenos Aires: Ed. Paidos, 1988.

WEGNER, Robert; SOUZA, Vanderlei S. de. “Eugenia “negativa”, psiquiatria e

catolicismo: embates em torno da esterilização eugênica no Brasil”. História, Ciências, Saúde - Manguinhos. Rio de Janeiro, v. 20, nº 1, p.263-288, jan-mar 2013.

WHITAKER, José Guilherme. “A questão do trabalho de menores em fábricas em São Paulo”. (Tese de doutoramento, Faculdade de Medicina e Cirurgia de São Paulo). São Paulo: Secção de Obras d’ O Estado de S. Paulo, 1923.

ZIMMERMANN, Eduardo. Los Liberales reformistas. Buenos Aires: Ed. Suadamericana,1994.

ZOLA, Émile. L´assommoire. Paris: Ed. G. Charpentier, 1877.




DOI: https://doi.org/10.5007/1984-9222.2015v7n13p27

Directory of Open Access Journals

 

 

Home

 

 LATINDEX


 

 

 

 

 

 

capes