Mutualismo e Loteria no Rio de Janeiro Imperial (1850-1889)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2021.e76816

Palavras-chave:

cultura associativa, socorros mútuos, Brasil imperial

Resumo

O artigo apresenta um panorama das associações de ajuda mútua que se organizaram na cidade do Rio de Janeiro entre 1850 e 1880 com objetivo de comprar bilhetes de loteria. Utiliza como fontes os processos de criação ou adequação dos estatutos enviados para apreciação ao Conselho de Estado. Tem como objetivo dimensionar com maior precisão a experiência associativa entre libertos e trabalhadores livres, nacionais e imigrantes, residentes na Corte no século XIX. Com destaque para a Sociedade Lotérica Beneficente dos Calábrias, que delimitava um espaço de construção e reprodução de laços de solidariedades horizontais, permeados pelo sentimento de identidade étnica e de nacionalidade.

Biografia do Autor

Ronaldo Pereira de Jesus, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

Doutor em História Social pela Universidade de São Paulo (USP). Professor Associado do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

Referências

BATALHA, Claudio H. M. Relançando o debate sobre o mutualismo no Brasil: as relações entre corporações, irmandades, sociedades mutualistas de trabalhadores e sindicatos à luz da produção recente. Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 2, n. 4, p. 12-22, ago-dez. 2010.

BATALHA, Claudio H. M.; SILVA, Fernando Teixeira da; FORTES, Alexandre (org.). Culturas de classe: identidade e diversidade na formação do operariado. Campinas: Editora da UNICAMP, 2004.

BATALHA, Claudio H. M. Cultura associativa no Rio de Janeiro da Primeira República. In: BATALHA, Claudio H. M.; SILVA, Fernando Teixeira da; FORTES, Alexandre (org.). Culturas de classe: identidade e diversidade na formação do operariado. Campinas: Editora da UNICAMP, 2004.

BATALHA, Claudio H. M.; MAC CORD, Marcelo (org.). Organizar e Proteger: trabalhadores, associações e mutualismo no Brasil (séculos XIX e XX). Campinas: Editora da Unicamp, 2014.

CANTON, Ana Maria. A rede lotérica no Brasil. Brasília: Ipea, 2010.

CASTELLUCCI, Aldrin A. S. A luta contra a adversidade: notas de pesquisa sobre o mutualismo na Bahia (1832-1930). Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 2, n. 4, p. 40-77, ago.-dez. 2010.

CHALHOUB, Sidney. Solidariedade e liberdade; sociedades beneficentes de negros e negras no Rio de Janeiro na segunda metade do século XIX. In: CUNHA, Olívia Maria Gomes da;

GOMES, Flávio dos Santos (org.). Quase-cidadão: histórias e antropologias da pós-emancipação. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007. p. 219-240.

FONSECA, Vitor Manuel Marques da. No gozo dos direitos civis: associativismo no Rio de Janeiro (1903-1915). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional; Niterói: Muiraquitã, 2008.

GASPARETTO JÚNIOR, Antônio. Direitos sociais em perspectiva: seguridade, sociabilidade e identidades nas mutuais de imigrantes em Juiz de Fora (1872-1930). Belo Horizonte: Fino Traço, 2014.

GUIMARÃES, Carlos Gabriel. Bancos, Economia e Poder no Segundo Reinado. Cadernos do ICHF, Niterói, n. 71, p. 4-11, 1995.

JESUS, Ronaldo P. de. Associativismo no Brasil do século XIX: repertório crítico dos registros de sociedades no Conselho de Estado (1860-1889). Locus: Revista de História, Juiz de Fora, v. 13, n. 1, p. 144-170, 2007.

JESUS, Ronaldo P. de; LACERDA, David P. Dinâmica associativa no século XIX: socorro mútuo e solidariedade entre livres e libertos no Rio de Janeiro imperial. Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 2, n. 4, p. 126-142, ago.-dez. 2010.

JESUS, Ronaldo P. de. Associativismo entre portugueses no Rio de Janeiro Imperial. In: MAC CORD, Marcelo; BATALHA, Claudio H. M. (org.). Organizar e proteger: Trabalhadores, associações e mutualismo no Brasil (Séculos XIX e XX). Campinas: Editora da Unicamp, 2014.

JESUS, Ronaldo P. de; MAROTTA, Marconni. Cultura associativa e mutualismo no Rio de Janeiro do século XIX. In: ANDRADE, Francisco Eduardo de; JESUS, Ronaldo P. de;

GONÇALVES, Andréa Lisly (org.). Itinerários da pesquisa histórica: fontes e campos temáticos. Belo Horizonte: Fino Traço, 2013. p. 171-199.

LACERDA, David P. Solidariedades entre ofícios: a experiência mutualista no Rio de Janeiro (1860-1882). 2011. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2011.

LACERDA, David P. Trabalho, política e solidariedade operária: uma história social do Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro (c. 1860 – c. 1890). 2016. Tese (Doutorado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2016.

LEUCHTENBERGER, Rafaela. A organização e a atividade das associações voluntárias de socorro mútuo de trabalhadores de Florianópolis-SC (1886-1932). Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 4, n. 7, p. 57-84, jan.-jun. 2012.

LEVY, Maria Bárbara. A indústria do Rio de Janeiro através de suas sociedades anônimas: esboços de história empresarial. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 1988.

LINDEN, Marcel van der. Workers of the World: essays toward a global labor history. Leiden; Boston: Brill, 2008.

LOBO, Eulália Maria Lahmeyer; STOTZ, Eduardo Navarro. Formação do operariado e movimento operário no Rio de Janeiro, 1870-1894. Estudos Econômicos, São Paulo, 15 (nº especial), p. 49-88, 1985.

LUCA, Tânia R. de. O sonho do futuro assegurado: o mutualismo em São Paulo. São Paulo: Contexto, 1990.

MAC CORD, Marcelo. Redes de sociabilidade e política: mestres de obras e associativismo no Recife oitocentista. Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 2, n. 4, p. 109-125, ago.-dez. 2010.

MAGALHÃES, Felipe. Ganhou, leva, só vale o que está escrito; experiências de bicheiros na cidade do Rio de Janeiro: 1890-1960. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Programa de Pós Graduação em História Social: Rio de Janeiro, 2005.

MATTOS, Marcelo Badaró. Experiências comuns: escravizados e livres na formação da classe trabalhadora carioca. 2004. Tese (Professor Titular de História do Brasil) – Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2004.

NOMELINI, Paula C. B. Mutualismo em Campinas no início do século XX: possibilidades para o estudo dos trabalhadores. Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 2, n. 4, p. 143-173, ago.-dez. 2010.

SILVA JR., Adhemar Lourenço da. Oligarquias em sociedades de socorros mútuos (1854-1940). Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 2, n. 4, p. 78-108, ago.-dez. 2010.

SILVA JR., Adhemar Lourenço da. Etnia e classe no mutualismo do Rio Grande do Sul (1854-1889). Estudos Ibero-Americanos, PUC/RS, Porto Alegre, v. XXV, n. 2, p. 147-174, dez. de 1999.

TORCATO, Carlos Eduardo Martins. Repressão oficial ao jogo do bicho: uma história dos jogos de azar em Porto Alegre (1885-1917). 2011. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

VILLAR, José Luiz. Contravenção e a cultura da ascensão social; uma aplicação do método histórico ao estudo das ilicitudes econômicas. São Paulo: Brucher Acadêmico, 2008.

VISCARDI, Cláudia Maria Ribeiro. Experiências da prática associativa no Brasil (1860-1880). Topoi: Revista de História, Programa de Pós-Graduação em História Social da UFRJ, Rio de Janeiro, v. 9, n. 16, p. 117-136, jan.-jun. 2008.

VISCARDI, Cláudia Maria Ribeiro. O estudo do mutualismo: algumas considerações historiográficas e metodológicas. Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, vol. 2, n. 4, p. 23-39, ago.-dez. 2010.

VISCARDI, Cláudia Maria Ribeiro; JESUS, Ronaldo P. de. A experiência mutualista e a formação da classe trabalhadora no Brasil. In: FERREIRA, Jorge; REIS FILHO, Daniel Aarão (organizadores). As esquerdas no Brasil, vol. 1 – A formação das tradições. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007. p. 21-51.

Downloads

Publicado

2021-02-18

Edição

Seção

Artigos