A construção das masculinidades dos trabalhadores das minas de carvão em Santa Catarina (1940-1970)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2022.e82763

Resumo

Este artigo abordará a construção das masculinidades e da cultura de virilidade na categoria dos mineiros de carvão no Sul do Brasil, na região carbonífera de Santa Catarina entre as décadas de 1940 a 1970.  A partir dos referenciais de masculinidade e masculinidade hegemônica, primeiro será analisado o mineiro em seu ambiente de trabalho, as minas de carvão, por ser o espaço onde mais tempo passavam. Em seguida, percorreremos outros espaços de sociabilidades masculinas, como os bares, as zonas de prostituição e as rinhas de galo, para identificar outros locais onde tais práticas eram reproduzidas socialmente. Portanto, a partir de aspectos de uma cultura de classe, será discutido como a construção da honra masculina e de suas práticas sociais estão imbricadas na formação da masculinidade dos mineiros como um elemento central de suas vidas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Mandelli, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Mestre em História pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Doutorando em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Referências

ALVES, Ismael Gonçalves. Divisão sexual dos espaços: práticas e sociabilidades femininas e masculinas nas vilas operárias do sul de Santa Catarina (Brasil 1930-1960). Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Débats, mis en ligne le 27 octobre 2010, consulté le 15 janvier 2021. URL : http://journals.openedition.org/nuevomundo/60227 ; DOI : https://doi.org/10.4000/nuevomundo.60227

BARON, Ava. Masculinity, the Embodied Male Worker, and the Historian’s Gaze. International Labor and Working-Class History, n. 69, p. 143-160, Spring 2006.

BARRIENTOS, Jaime. Minería, género y cultura: una aproximación etnográfica a espacios de esparcimiento y diversion masculina em el norte del Chile. AIBR: Revista de Antropología Iberoamericana, v. 4, n. 3, p. 385-408, septiembre-diciembre, 2009.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand-Brasil, 2007.

CIOCCARI, Marta Regina. Do gosto da mina, do jogo e da revolta: um estudo antropológico sobre a construção da honra em uma comunidade de mineiros de carvão/ Marta Regina Cioccari – Rio de Janeiro: UFRJ / Museu Nacional, 2010.

COIMBRA, David. Atravessando a escuridão: memórias de um comunista casual. Criciúma: Editora Unesc, 1996.

CONNELL, Robert W.; MESSERSCHMIDT, James W. Masculinidade hegemônica: repensando o conceito. Rev. Estud. Fem., Florianópolis , v. 21, n. 1, p. 241-282, Apr. 2013 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2013000100014&lng=en&nrm=iso>. access on 15 Jan. 2021.

FRAGA, Adriana Vieira. Maracangalha: “vilarejo das desocupadas”: espaço de Prostituição e boemia na região carbonífera catarinense (1955-1980). 2008. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

GROSSI, Yonne de Souza. Mina de Morro Velho: a extração do homem. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

KERGOAT, Daniele. Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo. In: HIRATA, Helena et. al. (org.). Dicionário Crítico do Feminismo. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

KIMMEL, M. S. A produção simultânea de masculinidades hegemônicas e subalternas. Horizontes antropológicos, Porto Alegre, ano 4, n. 9, 1998.

LIMA, Joaquim Celso de. Navegar é preciso: memórias de um operário comunista. São Paulo: Diniz, 1984.

MANDELLI, Bruno. Maria, Ida e Dorací: acidentes de trabalho das mulheres nas minas de carvão de Criciúma/SC (Brasil) na década de 1940. Dynamis , v. 39, p. 357-380, 2019.

MATOS, Maria Izilda Santos de. Meu lar é o botequim: alcoolismo e masculinidade. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2000.

QUEIRÓS, César Augusto Bubolz. Conflitos e sociabilidade: os bares e cabarés de Porto Alegre no contexto das greves da Primeira República. Hist. R., Goiânia, v. 21, n. 3, p. 110–125, set. /dez. 2016.

SILVA, Fernando Teixeira da. Valentia e cultura do trabalho na estiva de Santos. In: BATALHA, Claudio H. M.; SILVA, Fernando Teixeira da; FORTES, Alexandre (org.). Culturas de classe. Campinas: Editora Unicamp, 2004.

THOMAS, Keith. O Homem e o Mundo Natural: Mudanças de atitude em relação às plantas e aos animais, 1500-1800. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

ZOLA, Émile. Germinal. São Paulo: Martin Claret, 2008.

Downloads

Publicado

2022-03-24

Como Citar

MANDELLI, B. A construção das masculinidades dos trabalhadores das minas de carvão em Santa Catarina (1940-1970). Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 14, p. 1-19, 2022. DOI: 10.5007/1984-9222.2022.e82763. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/82763. Acesso em: 10 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos