Movimentos sociais e educação popular. Lutas nas empresas, em Portugal, após o 25 de abril

Rui Canário

Resumo


Tendo como referência empírica o movimento grevista operário que, no primeiro semestre de 1974, ocorreu na cintura industrial de Lisboa, antes e imediatamente após o derrube da ditadura fascista, em 25 de Abril de 1974, procurar-se-á co-locar em evidência o potencial educativo desse movimento social, marcado pela autonomia. Pretende-se discutir qual a relação entre aprendizagens colectivas, realizadas no âmbito de processos instituintes de mudança social e o papel e anatureza do Estado nesses processos. Pretende-se num quadro teórico mais amplo, problematizar e discutir o conceito de educação emancipatória. Entende-se que a clarificação deste conceito, essencial para superar o actual desarmamento crítico face à lógica do capital, supõe a análise e desconstrução de uma visão da conflitualidade social no século XX reduzida à dicotomia entre dois campos: o do capitalismo e o do capitalismo de estado. Parte-se do pressuposto de que toda a acção e relação social é atravessada e impregnada por uma dimensão educativa, ela própria expressão política de relações de poder.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-795x.2008v26n1p19



Direitos autorais 2008 Rui Canário

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Perspectiva, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN print 0102-5473, ISSN 2175-795X.

Recomendamos o uso do browser Firefox_Mozilla como navegador do portal .

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.