As imagens do professor na rede social “facebook”: contradições e relações com a precarização

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-795X.2020.e63107

Palavras-chave:

Condições do trabalho docente, Precarização do trabalho docente, Imagens do professor nas redes sociais

Resumo

A estruturação capitalista das últimas décadas, marcada pela globalização da economia, das mudanças políticas, e do modelo neoliberal desencadearam uma reestruturação produtiva, em todos os setores da economia, produzindo reflexos no mundo do trabalho. Na educação, essas mudanças afetaram significativamente o trabalho do professor. A cada dia esse profissional é exposto a difíceis situações em seu trabalho, e a internet tem sido muitas vezes, o canal para mostrar o descontentamento com a profissão e o prestígio abalado. O objetivo do presente trabalho é analisar como a imagem docente é retratada no ambiente virtual, especificamente, no facebook, identificando, principalmente, imagens que denotam aspectos de precarização da profissão. Para análise das imagens buscou-se respaldo no conceito do imaginário coletivo. A metodologia seguiu a abordagem qualitativa, o tipo de pesquisa caracterizou-se como uma pesquisa netnográfica e teve como tratamento da informação a análise do conteúdo. A pesquisa foi realizada na fanpage “Profissão Professor”, sua observação e acompanhamento foram realizados entre os anos de 2012-2017. Na coleta foram localizadas 88 imagens que apresentavam aspectos que denotavam particularidades de precarização. Através da análise percebeu-se que os aspectos comumente presentes nas imagens envolvem o desrespeito e desvalorização pela profissão, a saúde do professor, a remuneração e as condições de trabalho. Concluiu-se que as imagens traduzem a desvalorização e exaltam as precárias condições de trabalho.  A reprodução dessas imagens no imaginário coletivo pode servir para que se perpetue a imagem estigmatizada da profissão ou produzir elementos de luta. A profissão clama por um sentido de valorização.

Biografia do Autor

Vanessa Terra Pereira, Universidade Estadual Paulista, UNESP

Universidade Estadual Paulista, UNESP
Instituto de Biociências, Câmpus Rio Claro.

José Euzébio de Oliveira Souza Aragão, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Instituto de Biociências, Câmpus Rio Claro.

Professor do Programa de Pós-graduação em Educação e do Departamento de Educação do Instituto de Biociências do Câmpus de Rio Claro/SP

Akauan Arrais Vieira, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Instituto de Biociências, Câmpus Rio Claro.

Graduado em Direito pelas Faculdades Integradas Claretianas.

Referências

ABONIZIO, Gustavo. Precarização do trabalho docente: apontamentos a partir de uma análise bibliográfica. Ensino de Sociologia em Debate, n. 1, v. 1, jan.-jun. 2012.

ALVES, Giovanni. Precariedade e precarização do trabalho. In: Precariedade e precarização do trabalho Dimensões da reestruturação produtiva: ensaios de sociologia do trabalho. 2. ed. Londrina: Praxis, 2007. cap. 5.

ANTUNES, Ricardo. Adeus ao Trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 7 ed. São Paulo: Cortez, 2000.

ANTUNES, Ricardo; PRAUN, Brasil Luci. A sociedade dos adoecimentos no trabalho. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 123, p. 407-427, jul./set. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sssoc/n123/0101-6628-sssoc-123-0407.pdf. Acesso em: 06 jun. 2017.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. [S. l.]: Edições 70, 1988.

BARBARA, Maristela Miranda. Reestruturação produtiva, qualificação, requalificação e desemprego: percepção e sofrimento do trabalhador. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 19, n. 1, p. 30-49, 1999. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98931999000100004&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 04 jun. 2017

BARBOSA, Andreza. Implicações dos baixos salários para o trabalho dos professores brasileiros. Revista Educação e Políticas em Debate, v. 2, n. 2, p. 384-408, jul./dez. 2012.

CAMPOS, Claudinei José Gomes. Método de análise de conteúdo: ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Revista Brasileira Enfermagem, Brasília (DF), p. 611-614, set./out., 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v57n5/a19v57n5.pdf. Acesso em: 19 fev. 2017.

CENTRO DE ESTUDO E PESQUISAS EDUCACIONAIS. Qualidade da educação nas escolas estaduais de São Paulo. 2. ed. São Paulo: APEOESP, 2014. Disponível em: http://www.apeoesp.org.br/publicacoes/saude-dos-professores/pesquisa-apeoesp-data-popular. Acesso em: 29 jun. 2017.

CITELLI, Adilson. (Org.) Educomunicação: imagens do professor na mídia. São Paulo: Paulinas, 2012.

DÍAZ, Esther. ¿QUÉ ES EL IMAGINARIO SOCIAL? Elcomunicauta, 2010. Disponível em: http://elcomunicauta.blogspot.com.br/2010/07/que-es-el-imaginario-social-esther-diaz.html. Acesso em: 22 jun. 2017.

DRUCK, Graça. Trabalho, precarização e resistências: novos e velhos desafios?. Cad. CRH, Salvador, v. 24, n. 1, p. 37-57, set. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-49792011000400004&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 18 jul. 2017.

ELIAS, Maria Aparecida. Equilibrista na corda bamba: o trabalho e a saúde dos docentes no ensino superior provado em Uberlândia/MG. 2014. 181 F. Tese (Doutorado em Ciências) – Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2014.

GASPARINI, Sandra Maria; BARRETO, Sandhi Maria; ASSUNÇÃO, Ada Ávila Assunção. O professor, as condições de trabalho e os efeitos sobre sua saúde. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 189-199, maio/ago. 2005.

GATTI, Bernadete A et al. A atratividade da carreira docente no Brasil. Estudo e Pesquisas Educacionais. São Paulo, n. 1, p. 139-210, 2009.

GATTI, Bernadete A.; BARRETO, Elba, Siqueira de Sá. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 2009. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0018/001846/184682por.pdf. Acesso em: 15 jun. 2017.

GOMES, Ana Luiza Zaniboni. A imagem do professor no rádio: aproximações, representações e miragens reconstituídas. In: CITELLI, Adilson. (Org.) Educomunicação: imagens do professor na mídia. São Paulo: Paulinas, 2012. p. 19-36.

HOELLER, Solange Aparecida de Oliveira. Imaginário Social e a Formação do Sujeito Alfabetizador. Revista Linhas, v. 3, n. 1, 2002.

LIMA, Gercina Ângela Borém de Oliveira. Modelos de categorização: apresentando o modelo clássico e o modelo de protótipos. Perspectivas em Ciência da Informação, v.15, n.2, p.108-122, maio./ago. 2010

LOBO, Luis Felipe Nascimento. A precarização do trabalho docente nas escolas públicas estaduais da Bahia. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO DA PUCPR (EDUCERE), 8., 2008. Anais eletrônicos... Curitiba: PUCPR, 2008. Disponível em: http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2008/anais/pdf/348_148.pdf. Acesso em: 13 fev. 2017.

LOURENCETTI, Gisela do Carmo. A baixa remuneração dos professores: algumas repercussões no cotidiano da sala de aula. Rede Educação Pública, Cuiabá, v. 23, n. 52, p. 13-32, jan./abr. 2014.

MACHADO, Lucília. Usos sociais do trabalho e da noção de competências. In: HIRATA, Helena; SEGNINI, Liliana. Organização, trabalho e gênero. São Paulo: Senac, 2007. cap. 9.

MELO, Daniela da Silva. Profissão docente: um estudo sobre a desvalorização/valorização da carreira. In: jornada pedagógica, 2., 2015. Anais eletrônicos... Salvador, 2015. Disponível em: http://nead.uesc.br/jornaped/anais_2015/formacao_de_professores_e_profissionalizacao_docente/PROFISSAO_DOCENTE_UM_ESTUDO_SOBRE_A.pdf. Acesso em: 21 jun. 2017.

MOSCOVICI, Serge. Prefácio. In: GUARESCHI, Pedrinho A.; JOVCHELOVITCH, Sandra (Orgs.) Textos em representações sociais. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 2008, p. 7-16.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Educação & Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1127-1144, set./dez. 2004.

OLIVEIRA, Wendel Cristian de; SILVA, Flávia Gonçalves da. Alienação, sofrimento e adoecimento do professor na educação básica. Revista Labor, [S.l.], v. 1, n. 13, p. 7 - 27, mar. 2015.

PAVANI, Ruth; BACKSEI, José Licínio. O processo de (des) proletarização do professor da educação básica. Revista Portuguesa de Educação, v. 29, n. 2, p. 35-58. 2016. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/pdf/rpe/v29n2/v29n2a03.pdf. Acesso em: 08 jun. 2017.

PEREIRA, Vanessa Terra. As imagens do professor na rede social “facebook”: contradições e relações com a precarização. 2017. 239 p. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências do Campus de Rio Claro, Rio Claro/SP, 2017.

PEREIRA, Vanessa Terra; ARAGÃO, José Euzébio de Oliveira. A precarização do trabalho docente no ensino superior. In: Encontro Ibero-Americano de Educação, 10., 2015. Anais eletrônicos... Araraquara: FCLUNESP, 2015. Disponível em: https://iage.fclar.unesp.br/eide/arqs/eidex.pdf. Acesso em: 20 fev. 2017.

PESQUISA põe Brasil em topo de ranking de violência contra professores. G1 – Educação, ago. 2014. Disponível em: http://g1.globo.com/educacao/noticia/2014/08/pesquisa-poe-brasil-em-topo-de-ranking-de-violencia-contra-professores.html. Acesso em: 20 maio 2017.

PIOLLI, Evaldo. Gerencialismo e heteronomia: o trabalho, a identidade e a saúde do diretor de escola frente às políticas e programas de qualidade da Secretaria de Educação de São Paulo. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 26., 2013. Anais Eletrônicos... ANPAE, Recife, 2013. Disponível em: http://www.anpae.org.br/simposio26/1comunicacoes/evaldopiolli-comunicacaooral-int.pdf. Acesso em: 08 jun. 2017.

RAMAL, Andrea. Violência contra os professores não pode ser vista como normal. G1, set. 2014. Disponível em: http://g1.globo.com/educacao/blog/andrea-ramal/post/violencia-contra-os-professores-nao-pode-ser-vista-como-normal.html. Acesso em: 04 maio 2017.

SILVA, Eduardo Pinto e. Intensificação do trabalho, manipulação da subjetividade e adoecimento: implicações das políticas educacionais e do gerencialismo. Revista APASE, ano XV, n. 17, p. 20-33, abr. 2016.

SILVA, Eduardo Pinto e. Adoecimento e sofrimento de professores universitários: dimensões afetivas e ético-políticas. Revista Psicologia: Teoria e Prática, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 61-71. jan./abr. 2015. Disponível em: http://dx.doi.org/10.15348/1980-6906/psicologia.v17n1p61-71. Acesso em: 04 jun. 2017.

SILVA, Eduardo Pinto e; SILVA JÚNIOR, João dos Reis. Estranhamento e desumanização nas relações de trabalho na instituição universitária pública. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, número especial, p.223-238, ago. 2010. Disponível em: http://www.histedbr.fe.unicamp.br/revista/edicoes/38e/art14_38e.pdf. Acesso em: 29 jun. 2017.

SILVA JÚNIOR, João dos Reis; SGUISSARDI, Valdemar. O impacto da mercantilização da educação superior. Revista Adusp, p. 47-53, mar. 2000. Disponível em: http://www.adusp.org.br/files/revistas/19/r19a09.pdf. Acesso em: 08 jun. 2017.

VIEIRA, Lívia Fraga; OLIVEIRA, Tiago Grama. As condições do trabalho docente na educação infantil no Brasil: alguns resultados de pesquisa (2002-2012). Revista Educação em Questão, Natal, v. 46, n. 32, p. 131-154 maio/ago. 2013.

Downloads

Publicado

2020-10-28