O ensino de Ciências nas escolas brasileiras

José Erno Taglieber

Resumo


Os currículos de ciência, surgidos nas escolas secundárias na década imediatamente posterior ao Sputnik ( 1957), enfatizaram, de maneira geral, a natureza da Ciência e se propuseram a desenvolver nos alunos a habilidade da inquirição como um meio para desenvolver uma cidadania funcional. Entretanto, após vinte e cinco anos de aplicação destes curriculos, a educação científica está em crise nos países mais desenvolvidos. O Brasil, como um país em desenvolvimento, necessita construir uma cultura tecnológica para poder desenvolver harmoniosamente todos os níveis de sua sociedade. Propomos, como um dos primeiros passos desta transformação sócio-cultural, um ensino científico baseado no processo metodológico, relacionando não só o conhecimento e as aplicações tecnológicas, mas também os fenômenos sócio-culturais. Nosso contato diário e constante é com a tecnologia e não com a Ciência, como afirmou Goodlad (1973). E, poder-se-ia acrescentar que as percepções destes contatos, os pensamentos e as açõessão coordenados e orientados pelos valores sócio-culturais privilegiados pela sociedade na qual a pessoa está inserida. É, portanto, pedagogicamente aconselhável fundamentar o ensino científico nas aplicações tecnológicas próprias da cultura da sociedade onde o aluno vive, para que possa compreender e atuar eficazmente no seu meio ambiente.


Texto completo:

PDFA


DOI: https://doi.org/10.5007/%25x



Direitos autorais 1984 José Erno Taglieber

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Perspectiva, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN print 0102-5473, ISSN 2175-795X.

Recomendamos o uso do browser Firefox_Mozilla como navegador do portal .

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.