Pequenas cócegas: abuso sexual de meninas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2022v30n175609

Palavras-chave:

abuso sexual de meninas, educação de crianças, itinerário de formação, cinema

Resumo

A leitura hermenêutica do filme Inocência roubada, foco deste texto, tem por objetivo tratar de abuso sexual com meninas. As contribuições teóricas de Rogério de Almeida e Marcos Ferreira-Santos sobre cinema e hermenêutica nos permitem entender que o cinema também cria um itinerário de formação e, nesse sentido, é educativo. A autora deixa reverberar de maneira autônoma as leituras que fez, ao longo de sua trajetória acadêmica, sobre educação, feminismo, gênero e sexualidade, associadas ao ensaio da espanhola María Zambrano, intitulado “As metáforas do coração”, mote sensível para destacar a ressonância do abuso sexual sofrido na infância, ecoando pela vida inteira da mulher. Concluo que é preciso coragem para emancipar-se de tamanha dor, estudar, falar e narrar sobre abuso sexual com pais e educadores para que as crianças possam seguir em frente na vida, de maneira segura.

Biografia do Autor

Elni Elisa Willms, Universidade Federal de Mato Grosso - Instituto de Educação / Universidade Federal de Rondonópolis - PPGEdu

Professora Associada I, da UFMT, no Insittuto de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Rondonópolis. Pesquisa nas áreas de Educação Infantil, literatura, arte e educação

Referências

ALMEIDA, Rogério de. “Cinema e educação: fundamentos e perspectivas”. Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 33, 2017. Disponível em https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-46982017000100107&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em 20/05/2020.

ALMEIDA, Rogério de. O mundo, os homens e suas obras: filosofia trágica e pedagogia da escolha. 2015. Livre docência (Departamento de Administração Escolar e Economia da Educação) - Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. Disponível em https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/livredocencia/48/tde-15032016-143517/publico/LivreDocenciaRogerioAlmeida2015.pdf. Acesso em 22/05/2020.

ALMEIDA, Rogério de; FERREIRA-SANTOS, Marcos (Orgs.). O cinema como itinerário de formação. São Paulo: Képos, 2011.

ALMEIDA, Rogério de; FERREIRA-SANTOS, Marcos. O cinema e as possibilidades do real. São Paulo: Képos, 2014.

ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. 2 ed. Rio de Janeiro: LTC, 1981.

BENSUSAN, Hilan. “Observações sobre a libido colonizada: tentando pensar ao largo do patriarcado”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 12, n. 1, p. 131-155, jan./abr. 2004. Disponível em https://www.scielo.br/pdf/ref/v12n1/21695.pdf. Acesso em 27/06/2020.

BONFANTI, Ana Letícia; GOMES, Aguinaldo Rodrigues. “A quem protegemos quando não falamos de gênero na escola?”. Periodicus, Salvador, n. 9, v. 1, maio/out. 2018. Disponível em https://portalseer.ufba.br/index.php/revistaperiodicus/article/view/25681/16108. Acesso em 27/06/2020.

BORTOLINI, Alexandre et al. Trabalhando Diversidade Sexual e de Gênero na Escola: Currículo e Prática Pedagógica. Rio de Janeiro: Editora da Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2014. (Fascículo Formação Continuada em Gênero e Diversidade na Escola) Disponível em http://diversidade.pr5.ufrj.br/images/GDE_livro_1.pdf. Acesso em 24/06/2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. Brasília: Senado Federal, 1988. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em 06/05/2020.

BRASIL. Lei Federal n. 8.609, de 13 de julho de 1990: Estatuto da Criança e do adolescente. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm. Acesso em 06/05/2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Linha de cuidado para a atenção integral à saúde de crianças, adolescentes e suas famílias em situação de violências: orientação para gestores e profissionais de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2010. Disponível em https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/linha_cuidado_criancas_familias_violencias.pdf. Acesso em 20/05/2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Brasília: MEC, SEB, 2012. http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/diretrizescurriculares_2012.pdf. Acesso em 22/05/2020.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Mapa da violência conta a mulher 2018. Brasília: Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, 2018. Disponível em https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/comissoes/comissoes-permanentes/comissao-de-defesa-dos-direitos-da-mulher-cmulher/arquivos-de-audio-e-video/MapadaViolenciaatualizado200219.pdf. Acesso em 23/06/2020.

CÍCERO, Marcus Tullius. Disputas de Tusculan de Cícero - tratado sobre a natureza dos deuses e da comunidade. Nova York: Harper & Brothers, 2005. p. 185-186. Disponível em https://www.gutenberg.org/files/14988/14988-h/14988-h.htm. Acesso em 27/05/2020.

DICIONÁRIO ETIMOLÓGICO. “Coragem” (verbete). Dicionário Etimológico, 2008. Disponível em https://www.dicionarioetimologico.com.br/coragem/. Acesso em 22/06/2020.

FALEIROS, Vicente de Paula. “Abuso sexual de crianças e adolescentes: trama, drama e trauma”. Serviço Social & Saúde, Campinas, v. 2, n. 2, p. 65-82, 2005. Disponível em https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8636441. Acesso em 22/05/2020.

FANON, Frantz. Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

FILMOW. “Inocência roubada: ficha técnica”. Filmow, Terra. 2019. Disponível em https://filmow.com/inocencia-roubada-t244429/ficha-tecnica/. Acesso em 08/06/2020.

GASPARINI, Igor. “Dança em rede”. São Paulo Companhia de Dança. São Paulo, [s.d.]. Disponível em https://spcd.com.br/verbete/krump-krumping/. Acesso em 22/05/2020.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis-RJ: Vozes, 1997.

OLIVEIRA, Eleonora Menicucci de. “O feminismo desconstruindo e reconstruindo conhecimento”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 16, n. 1, p. 229-245, jan/abr. 2008. Disponível em https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2008000100021/5531. Acesso em 23/05/2020.

PEREIRA, Teresinha. “O conto original de ‘o lago dos cisnes’”. Myrna Janus sobre a arte de dançar e ensinar. 2011. Disponível em http://myrnajamus.blogspot.com/2011/04/o-conto-original-de-o-lago-dos-cisnes.html. Acesso em 24/06/2020.

PFEIFFER, Luci; SALVAGNI, Edila Pizzato. “Visão atual do abuso sexual na infância e adolescência”. Jornal de Pediatria, v. 81, n. 5 (supl.), 2005. Disponível em https://www.scielo.br/pdf/jped/v81n5s0/v81n5Sa10.pdf. Acesso em 20/06/2020.

RIBEIRO, Cláudia Maria. “Crianças, gênero e sexualidade: realidade e fantasia possibilitando problematizações”. Revista Estudos Feministas, v. 19, n. 2, p. 605-614, maio/ago. 2011. Disponível em https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2011000200020/19438. Acesso em 22/05/2020.

ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

SALGADO, Raquel Gonçalves et al. “Infância, arte, gênero, sexualidade e educação: a mordaça e a criminalização em nome da proteção”. Periodicus, Salvador, BA v. 1, n. 9, 2018. Disponível em https://portalseer.ufba.br/index.php/revistaperiodicus/article/view/25787. Acesso em 22/05/2020.

SATO, Michèle (Coord.). Os condenados da pandemia. Cuiabá: GPEA/UFMT; Editora Sustentável, 2020. Disponível em https://editorasustentavel.com.br/os-condenados-da-pandemia/. Acesso em 19/06/2020.

SCHINDHELM, Virginia Georg. “A sexualidade na educação infantil”. Revista Aleph, ano V, n. 16, 2011. (Dossiê temático Infâncias) Disponível em http://antropologiadacrianca.blogspot.com/2011/12/dossie-infancias-revista-aleph.html. Acesso em 22/05/2020.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A cruel pedagogia do vírus. Coimbra-Portugal: Almedina, 2020. Disponível em https://www.cpalsocial.org/documentos/927.pdf. Acesso em 24/06/2020.

STENGERS, Isabelle. “Reativar o animismo”. Tradução de Jamille Pinheiro Dias. Cadernos de leituras n. 62. Belo Horizonte: Chão de Feira, 2017. Disponível em https://chaodafeira.com/catalogo/caderno62/. Acesso em 27/06/2020.

XAVIER FILHA, Constantina (Org.). Sexualidade, gênero e diferenças na educação das infâncias. Campo Grande-MS: Editora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, 2012.

XAVIER FILHA, Constantina (Org.). Sexualidades, gênero e infâncias no cinema. Campo Grande-MS: Editora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, 2014.

WILLMS, Elni Elisa. “Educação de sensibilidade: a maestria dos saberes tradicionais”. Rev. Fac. Educ. UNEMAT, Cáceres, MT, v. 33, ano 18, n. 1, p. 177-207, jan./jul. 2020. Disponível em https://periodicos.unemat.br/index.php/ppgedu/article/view/4791. Acesso em 31/07/2020.

ZAMBRANO, María. A metáfora do coração e outros escritos. Porto-Portugal: Assírio & Alvim, 2000.

Downloads

Publicado

2022-05-23

Edição

Seção

Artigos