Descaminhos da leitura como escrita e tradução: uma interpretação de “O recado do morro”, de João Guimarães Rosa

Autores

  • Susana Kampff Lages Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2014v3nespp212

Palavras-chave:

Guimarães Rosa, Tradução, Formação, Interpretação

Resumo

A novela “O recado do morro” de Guimarães Rosa, pertencente ao ciclo de O corpo de baile, é “a estória de uma canção a formar-se”, como declara o próprio autor. Essa “canção” desdobra-se em dois planos, dois textos paralelos: a narrativa do “recado” e o próprio “recado”, ambas realizando-se por meio da tradução (mediação, transmissão, decifração). De um lado, trata-se da salvação de Pedro Orósio da trama armada por sete rivais, com a finalidade de matá-lo, porque consegue agir no momento exato graças à decifração ou tradução de uma mensagem; de outro, da constituição da identidade do protagonista, cujo trajeto percorrido espacialmente corresponde a um percurso de aperfeiçoamento interior: ao ser capaz de traduzir a mensagem, ele passa da condição de ignorante à de senhor do próprio destino. Neste artigo esse processo de formação é tratado como uma tradução, ou seja, como um processo de construção da interpretação adequada de um texto.

Biografia do Autor

Susana Kampff Lages, Universidade Federal Fluminense

Formação em Letras (Tradutor Intérprete Inglês e Alemão), Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Mestrado em Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Doutorado em Comunicação e Semiótica, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professora adjunta da Universidade Federal Fluminense, Departamento de Línguas Estrangeiras Modernas – Setor de Alemão. Niterói, Rio de Janeiro, Brasil. E-mail: susanaklages@hotmail.com

Downloads

Publicado

2014-10-30