Um objeto-modelo didático do movimento aparente do Sol em relação ao fundo de estrelas

Autores

  • Francisco Catelli Departamento de Física e Química – Universidade de Caxias do Sul
  • Odilon Giovannini Departamento de Física e Química – Universidade de Caxias do Sul
  • Fernando Siqueira da Silva Universidade Federal do Pampa São Borja

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7941.2013v30n1p131

Palavras-chave:

Objeto-modelo didático, Movimento aparente do Sol, Ensino de Astronomia

Resumo

“Por que o Sol nunca passa pela constelação de Órion?” A resposta a essa pergunta, feita por um aluno, inicia com uma revisão da literatura sobre modelos, em especial aqueles relacionados aos objetos-modelo didáticos. A pergunta é respondida, então, inicialmente, usando um mapa do céu, o qual é, em seguida, transformado em um cilindro, e este, por sua vez, é montado em um dispositivo didático de modo a materializar o movimento aparente da abóbada celeste, em uma latitude escolhida, constituindo-se, assim, em um verdadeiro “mini planetário”. Contudo, para chegar a um nível de resposta que inclua conceitos como o da vertical do lugar, a invariância da orientação do eixo de rotação da Terra, o equador celeste e a eclíptica, fazem-se necessários outros modelos. Por fim, conclui-se que não é apenas um, mas sim um conjunto articulado de modelos que pode levar a uma resposta aceitável à questão proposta.

Biografia do Autor

Francisco Catelli, Departamento de Física e Química – Universidade de Caxias do Sul

Odilon Giovannini, Departamento de Física e Química – Universidade de Caxias do Sul

Fernando Siqueira da Silva, Universidade Federal do Pampa São Borja

Downloads

Publicado

2013-04-15

Edição

Seção

Atividades experimentais no ensino de Física