Controvérsias construtivistas

Carlos Eduardo Laburú, Marcelo Alves de Carvalho, Irinéa de Lourdes Batista

Resumo


Neste trabalho apresentamos uma coletânea de análises divergentes
que dizem respeito aos fundamentos epistemológicos, ontológicos e
pedagógicos disseminados pelo pensamento construtivista, envolvido
diretamente com a educação científica. Para evidenciar tais
divergências, partimos da premissa máxima do construtivismo de que o
aprendiz, através de um ativo envolvimento, é o construtor ou o
arquiteto do seu próprio conhecimento. Diante dessa afirmação, alguns
autores questionam o fato de que o conhecimento passa a ser algo que
existe somente na mente dos seres cognitivos, onde ele é construído; e
também, a concepção de que o reino natural não é preexistente mas,
antes, é construído pelas nossas indagações, ficando o seu papel na
construção do conhecimento científico, relegado a uma irrelevância.
Busca-se, igualmente, ponderar a atuação do professor entre uma
conotação construtivista mediadora e negociadora e um enfoque
voltado ao instruir e ensinar de forma mais direta.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5007/%25x

 


Cad. Bras. Ens. Fís. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil - - - eISSN 2175-7941 - - - está licenciada sob Licença Creative Commons
> > > > >