O lugar da educação física na educação infantil, existe?

Vilma Aparecida Pinho, José Tarcísio Grunennvaldt, Kátia Garcia Gelamo

Resumo


O objetivo do artigo é discutir o lugar da Educação Física no cotidiano escolar tendo como suporte empírico uma prática pedagógica inovadora, na qual, a partir das possibilidades desenvolvidas pelo Professor, as crianças se tornam partícipes no processo de vivências e desenvolvimento de conhecimentos que envolvem a percepção de si e o conhecimento da sociedade. O Estudo de Caso intrínseco indica que a prática do Professor é resultado de um processo que se desvela na sua trajetória de vida pelos saberes desenvolvidos em formações continuadas e nas experiências comunitárias. Com isso, o Professor de Educação Física considerou a estética como possibilidade epistemológica, pois desenvolveu uma sensibilidade especial para trabalhar com crianças na Educação Infantil, principalmente, por ter transformado, ao longo de sua carreira, os modos de pensar a criança, a escola, a Educação Física Escolar e a própria vida.


Palavras-chave


Educação Física; Crianças; Práticas Pedagógicas; Educação Infantil

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALMEIDA, L. & FENSTERSEIFER, P. E. A relação teoria-prática na educação física escolar: desdobramentos para pensar um “programa mínimo”. Revista Kinesis, Santa Maria, RS, v. 32, n. 2, p. 19-35, jul-dez de 2014.

ALMEIDA, L.; FENSTERSEIFER, P. E.; BRACHT V. Experiência. In GONZÁLEZ F. J. & FENSTERSEIFER P. E. (Orgs.). Dicionário Crítico de Educação Física. 3a ed. pag. 244/ 246. Ijuí: Editora Unijuí, 2014.

BRACHT V. & GONZÁLEZ, F. J. Educação Física Escolar. In GONZÁLEZ & FENSTERSEIFER (Orgs.). Dicionário Crítico de Educação Física. 3a ed. pag. 244/ 246. Ijuí: Editora Unijuí, 2014.

BRACHT V. Educação Física/Ciência do Esporte: que ciência é essa? Revista Brasileira de Ciências do Esporte – RBCE, vol. 14. nº 3. Maio/1993.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: educação física. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Senado Federal. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: nº 9394/96. Brasília: 1996.

CAPARROZ F. E. & BRACHT, V. O tempo e o lugar de uma Didática da Educação Física. In Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, v. 28, n 2, p. 21/37, Jan., 2007.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano. Tradução Ephain Ferreira Alves. 3a ed. Petrópolis - RJ: Editora Vozes, 1998.

CHARLOT, B. Ensinar a educação física ou ajudar o aluno a aprender o seu corpo-sujeito? In.: DANTAS JUNIOR, H.; KUHN R.; DORENSKI, S.(Org.) Educação física, esporte e sociedade: temas emergentes, v.3. p. 231-246, São Cristóvão: Editora da UFS, 2009.

CIDADE, R. E.; & FREITAS, P. S. de. Introdução à Educação Física Adaptada. Curitiba: Ed. UFPR, 2009.

COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do ensino da Educação Física. São Paulo: Cortez, 1992.

DAOLIO, J. Cultura. In GONZÁLEZ F. J. & FENSTERSEIFER P. E. (Orgs.). Dicionário Crítico de Educação Física. 3a ed. pag. 161/163. Ijuí: Editora Unijuí, 2014.

ELIAS, N. & DUNNING, E. A busca da excitação. Lisboa: Difel, 1992.

FRAGO, Antônio Viñao; ESCOLANO, Augustin. Currículo, espaço e subjetividade: a arquitetura como programa. Tradução: Alfredo Veiga Neto. Porto Alegre: DP&A Editora, 2001.

FENSTERSEIFER, P. E.; GONZÁLEZ, F. J. Entre o “não mais” e o “ainda não: pensando saídas do não lugar da Educação Física Escolar II. Cadernos de Formação RBCE, p. 10-21, março, 2010.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro, Editora Paz e Terra, 2005.

FREUD, S. O mal-estar na civilização. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, vol. 21. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

IMBERNON, F. Formação Docente e Profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 9. Ed. São Paulo: Cortez, 2011.

KUNZ, E. Educação Física: a questão da Educação Infantil. In Educação Física, Esporte e Sociedade: temas emergentes. Vol 1, p. 11-21. São Cristovão-SE: 2007.

LARROSA, J. Pedagogia Profana : danças, piruetas e mascaradas. Tradução de Alfredo Veiga-Neto, Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

MIRANDA, J. V. A. Sensibilidade ética em Emmanuel Levinas. Vol. III, n° 06, Dezembro. Kínesis, 2011.

NOBREGA, T. P. da. Uma fenomenologia do corpo. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2010.

PÉREZ GÓMEZ, A. As funções sociais da escola: da reprodução à reconstrução critica do conhecimento e da experiência. In: PÉREZ GÓMEZ, A. & SACRISTÁN, J. G. Compreender e transformar o ensino. 4a ed. Porto Alegre: ArtMed, 1998.

PISH, S. Cultura Corporal de Movimento. In GONZÁLEZ F. J. & FENSTERSEIFER P. E. (Orgs.). Dicionário Crítico de Educação Física. 3a Edição. Ijuí: Editora Unijuí, 2014.

RICOEUR, P. Tempo e narrativa. Tradução Claudia Berliner. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

STAKE, R. E. A arte da investigação com estudos de caso. 2a ed. Lisboa: Fundação Calouste Kulbenkian, 2009.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 10a ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2010.

Fonte Oral

PROFESSOR entrevista realizada entre os dias 23 de Abril a 03 de Junho de 2015. Cuiabá – MT.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8042.2016v28n48p222



R. Motriviv., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe: 2175-8042.

Os textos publicados na Revista Motrivivência estão licenciados com uma Licença Creative Commons de atribuição não comercial compartilhar igual: CC BY-NC-SA