O lugar da educação física na educação infantil, existe?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2016v28n48p222

Resumo

O objetivo do artigo é discutir o lugar da Educação Física no cotidiano escolar tendo como suporte empírico uma prática pedagógica inovadora, na qual, a partir das possibilidades desenvolvidas pelo Professor, as crianças se tornam partícipes no processo de vivências e desenvolvimento de conhecimentos que envolvem a percepção de si e o conhecimento da sociedade. O Estudo de Caso intrínseco indica que a prática do Professor é resultado de um processo que se desvela na sua trajetória de vida pelos saberes desenvolvidos em formações continuadas e nas experiências comunitárias. Com isso, o Professor de Educação Física considerou a estética como possibilidade epistemológica, pois desenvolveu uma sensibilidade especial para trabalhar com crianças na Educação Infantil, principalmente, por ter transformado, ao longo de sua carreira, os modos de pensar a criança, a escola, a Educação Física Escolar e a própria vida.

Biografia do Autor

Vilma Aparecida Pinho, Universidade Federal do Pará UFPA; Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT/FEF.

Professora Adjunta da Universidade Federal do Pará (UFPA), Campus Universitário de Altamira, Faculdade de Educação. Possui Graduação em Educação Física, com especialização em Educação Física Escolar pela Universidade Federal de Mato Grosso (1996). Mestrado em Educação (2004) por essa mesma universidade. É Doutora em Educação pela Universidade Federal Fluminense ? UFF no Programa de Pós-Graduação em Educação, pesquisou como bolsista Internacional da Fundação Ford da coorte 2006. Atuou por 17 anos na Educação Básica ensinando classes de Educação Infantil e Ensino Fundamental nas áreas de Educação Física, alfabetização, e Ciências Humanas. Pesquisa sobre Infância e juventude, Direitos Humanos e Educação; Relações étnico-raciais, currículo e formação de professores.

José Tarcísio Grunennvaldt, Faculdade de Educação Física - Universidade Federal de Mato Grosso.

Doutor em Educação: História, Política, Sociedade pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2005). Pós-doutor em Educação Física - Universidade Federal de Santa Catarina (2012). Atualmente é professor associado da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Tem experiência na área de Educação e Educação Física com ênfase em História da Educação, Educação Física e esporte. 

Kátia Garcia Gelamo, Secretaria Estadual de Educação de Mato Grosso - SEDUC/MT Mestranda em Educação Física pelo Programa de Pós Graduação em Educação Física - PPGEF Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT

Possui graduação em Educação Física pela Universidade Estadual de Maringá (1986) , especialização em Educação Especial para Talentosos e Bem Dtados pela Universidade Federal de Lavras (2004) e especialização em Tecnologia Na Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2010) . Atualmente é Professora Formadora em Tecnologia Educaciona da CEFAPRO. Tem experiência na área de Educação Física. Mestranda em Educação Física pepla Universidade Federal de Mato Grosso.

Referências

ALMEIDA, L. & FENSTERSEIFER, P. E. A relação teoria-prática na educação física escolar: desdobramentos para pensar um “programa mínimo”. Revista Kinesis, Santa Maria, RS, v. 32, n. 2, p. 19-35, jul-dez de 2014.

ALMEIDA, L.; FENSTERSEIFER, P. E.; BRACHT V. Experiência. In GONZÁLEZ F. J. & FENSTERSEIFER P. E. (Orgs.). Dicionário Crítico de Educação Física. 3a ed. pag. 244/ 246. Ijuí: Editora Unijuí, 2014.

BRACHT V. & GONZÁLEZ, F. J. Educação Física Escolar. In GONZÁLEZ & FENSTERSEIFER (Orgs.). Dicionário Crítico de Educação Física. 3a ed. pag. 244/ 246. Ijuí: Editora Unijuí, 2014.

BRACHT V. Educação Física/Ciência do Esporte: que ciência é essa? Revista Brasileira de Ciências do Esporte – RBCE, vol. 14. nº 3. Maio/1993.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: educação física. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Senado Federal. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: nº 9394/96. Brasília: 1996.

CAPARROZ F. E. & BRACHT, V. O tempo e o lugar de uma Didática da Educação Física. In Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, v. 28, n 2, p. 21/37, Jan., 2007.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano. Tradução Ephain Ferreira Alves. 3a ed. Petrópolis - RJ: Editora Vozes, 1998.

CHARLOT, B. Ensinar a educação física ou ajudar o aluno a aprender o seu corpo-sujeito? In.: DANTAS JUNIOR, H.; KUHN R.; DORENSKI, S.(Org.) Educação física, esporte e sociedade: temas emergentes, v.3. p. 231-246, São Cristóvão: Editora da UFS, 2009.

CIDADE, R. E.; & FREITAS, P. S. de. Introdução à Educação Física Adaptada. Curitiba: Ed. UFPR, 2009.

COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do ensino da Educação Física. São Paulo: Cortez, 1992.

DAOLIO, J. Cultura. In GONZÁLEZ F. J. & FENSTERSEIFER P. E. (Orgs.). Dicionário Crítico de Educação Física. 3a ed. pag. 161/163. Ijuí: Editora Unijuí, 2014.

ELIAS, N. & DUNNING, E. A busca da excitação. Lisboa: Difel, 1992.

FRAGO, Antônio Viñao; ESCOLANO, Augustin. Currículo, espaço e subjetividade: a arquitetura como programa. Tradução: Alfredo Veiga Neto. Porto Alegre: DP&A Editora, 2001.

FENSTERSEIFER, P. E.; GONZÁLEZ, F. J. Entre o “não mais” e o “ainda não: pensando saídas do não lugar da Educação Física Escolar II. Cadernos de Formação RBCE, p. 10-21, março, 2010.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro, Editora Paz e Terra, 2005.

FREUD, S. O mal-estar na civilização. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, vol. 21. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

IMBERNON, F. Formação Docente e Profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 9. Ed. São Paulo: Cortez, 2011.

KUNZ, E. Educação Física: a questão da Educação Infantil. In Educação Física, Esporte e Sociedade: temas emergentes. Vol 1, p. 11-21. São Cristovão-SE: 2007.

LARROSA, J. Pedagogia Profana : danças, piruetas e mascaradas. Tradução de Alfredo Veiga-Neto, Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

MIRANDA, J. V. A. Sensibilidade ética em Emmanuel Levinas. Vol. III, n° 06, Dezembro. Kínesis, 2011.

NOBREGA, T. P. da. Uma fenomenologia do corpo. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2010.

PÉREZ GÓMEZ, A. As funções sociais da escola: da reprodução à reconstrução critica do conhecimento e da experiência. In: PÉREZ GÓMEZ, A. & SACRISTÁN, J. G. Compreender e transformar o ensino. 4a ed. Porto Alegre: ArtMed, 1998.

PISH, S. Cultura Corporal de Movimento. In GONZÁLEZ F. J. & FENSTERSEIFER P. E. (Orgs.). Dicionário Crítico de Educação Física. 3a Edição. Ijuí: Editora Unijuí, 2014.

RICOEUR, P. Tempo e narrativa. Tradução Claudia Berliner. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

STAKE, R. E. A arte da investigação com estudos de caso. 2a ed. Lisboa: Fundação Calouste Kulbenkian, 2009.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 10a ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2010.

Fonte Oral

PROFESSOR entrevista realizada entre os dias 23 de Abril a 03 de Junho de 2015. Cuiabá – MT.

Downloads

Publicado

2016-09-21

Edição

Seção

Artigos Originais