Anônimos supercampeões: a equipe de rafting Bozo D´água e a caracterização dos esportes de aventura

Marília Martins Bandeira, Alexandre Bastos, Sílvia Cristina Franco Amaral

Resumo


O objetivo deste artigo foi problematizar a caracterização dos esportes de aventura a partir do caso da equipe de rafting Bozo D’água, um contraexemplo em relação à literatura pioneira sobre o tema. Parte de etnografia mais ampla, o presente texto analisa dez entrevistas cotejadas com observação de campo. Os resultados indicam que, ao contrário da prática de aventura caracterizada como participação não competitiva de lazer, o esporte de alto rendimento foi a alternativa para viabilizar a participação esportiva em atividade de aventura para praticantes de classes sociais baixas. Conclui-se que diferentes formas de apropriação e distintas versões do esporte de aventura variam conforme contexto e questões de classe e que o potencial das práticas de aventura, de colocar em circulação valores esportivos alternativos, perde espaço na medida em que as políticas públicas brasileiras priorizam o esporte de alto rendimento.


Palavras-chave


Esporte de aventura; Esporte alternativo; Esporte na natureza

Texto completo:

PDF/A

Referências


ARCHETTI, E. El potrero, la pista y el ring: las patrias del deporte argentino. Buenos Aires: Colección Popular, 2001.

BANDEIRA, M. No galejo da remada: estudo etnográfico sobre a noção de aventura em Brotas, SP. Dissertação de mestrado em Antropologia Social, Universidade Federal de São Carlos, 2012.

BANDEIRA, M. M. e RIBEIRO, O.C. Sobre os profissionais da aventura: problemas da atuação na interface esporte e turismo. Licere. Belo Horizonte, set/2015, p. 116-157.

BANDEIRA, M. Territorial disputes, identity conflicts, and violence in surfing. Motriz: Revista de Educação Física, v. 20, 2014, p. 16-25.

BANDEIRA, M. Políticas públicas para o lazer de aventura: entre esporte e turismo, fomento e controle do risco. Tese de doutorado em Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, 2016.

BETRÁN, J. Rumo a um novo conceito de ócio ativo e turismo na Espanha: atividades físicas de aventura na natureza. In: MARINHO, Alcyane; BRUHNS, Heloisa. Turismo, lazer e natureza. Barueri: Manole, 2003. p.157-202.

BOURDIEU, P. Como é possível ser esportivo? In: _________. Questões de Sociologia. Marco Zero: Rio de Janeiro, 1983.

¬¬________Programa para uma sociologia do esporte In: Bourdieu, P. Coisas Ditas. São Paulo: Brasiliense, 1990.

BRACHT, V. Sociologia crítica do esporte: uma introdução. Ijuí: Editora Unijuí, 2005.

CARNICELLI FILHO, S. e SCHWARTZ. GM Guias de Rafting: perfil e emoções. Lécturas educación física y deportes (Buenos Aires), v. 10, n. 85, 2005.

CARNICELLI FILHO 2006

CLIFFORD, J. A experiência etnográfica: Antropologia e Literatura no Século XX. Rio de Janeiro: EdUFRJ, 2002.

COSTA, V. Esportes de aventura e risco na montanha: um mergulho no imaginário. Barueri: Manole, 2000.

DAMO, A. Do dom à profissão: uma etnografia do futebol de espetáculo a partir da formação de futebolistas no Brasil e na França. Tese de doutorado em Antropologia Social, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2006.

DIAS, C., MELO, V. & ALVES JUNIOR, E. Os estudos dos esportes na natureza: desafios teóricos e conceituais. Rev. Port. Cien. Desp., dez. 2007, vol.7, n.3, p.358-367.

DIAS, C. e ALVES JUNIOR, E. Em busca da Aventura: múltiplos olhares sobre esporte, lazer e natureza. Niterói: EDUFF, 2009.

FRANCISCHINI, S. A difícil nacionalização do futebol brasileiro: a era Havelange. In: Toledo, L. H. & Costa, C. E. (orgs.) Visão de jogo: antropologia das práticas esportivas. São Paulo: Terceiro Nome, 2009, p.167- 195.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro, LTC, 1989.

LACROIX, M. O culto da emoção. Rio de Janeiro: José Olympio, 2006.

LE BRETON, D. Condutas de risco: dos jogos de morte ao jogo de viver. Campinas: Autores Associados, 2009.

MARINHO, Alcyane. Da aceleração ao pânico de não fazer nada: corpos aventureiros como possibilidade de resistência. In: MARINHO, Alcyane; BRUHNS, Heloísa. Turismo, lazer e natureza. Barueri, SP: Manole, 2003, p. 29-52.

MARINHO, A. Lazer, Aventura e Risco: reflexões sobre atividades realizadas na natureza. Revista Movimento, v.14, n.2, p.181-206, 2008.

MASCARENHAS, F. Megaeventos esportivos e Educação Física: alerta de tsunami. Movimento, Porto Alegre, v. 18, n. 01,p. 39-67, 2012.

PEREIRA, D.; ARMBRUST, I & RICARDO, D. Esportes radicais de aventura e ação, conceitos, classificações e características. Revista Corpoconsciência, Santo André, jan./jun 2008, p. 37-55.

PIMENTEL,G. Ritos e risco na prática do voo livre. Movimento. Porto Alegre, v.14, n.03, p.13-32, set./dez. 2008.

PIMENTEL, G. A. Esportes na natureza e atividades de aventura: uma terminologia aporética. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 35, n.3, p. 687-700, jul/set, 2013.

POCIELLO, C. Os desafios da leveza: as práticas corporais em mutação, In: SANT´ANNA, D. (org.). Políticas do corpo. São Paulo: Estação Liberdade, 1995.

RINEHART, R.; SYDNOR, S. To The Extreme: alternative sports inside and out. Albany: State University of New York Press, 2003.

SÁ, M. e BRANDÃO, L. Esportes radicais: indícios de uma nova sociedade internacional em um mundo globalizado? Revista Esporte e Sociedade. ano 4, n.11, Mar/Jun, 2009.

SCHWARTZ, G (org.). Aventuras na natureza: consolidando significados. Jundiaí: Fontoura, 2006.

SOUZA, F. O imaginário no rafting: uma busca pelos sentidos da aventura, do risco e da vertigem. São Paulo: Zouk, 2004.

SPINK, M. Posicionando pessoas como aventureiros potenciais: imagens de risco-aventura em matérias de revista. Psicologia & Sociedade. n. 20, Edição Especial: 50-60, 2008.

STIGGER, M.P. Esporte, lazer e estilos de vida: um estudo etnográfico. Campinas: Autores Associados, 2002.

TOMLINSON, A. et al. Lifestyle sports and national sport policy: an agenda for research. Report to Sport England, Londres, 2005.

UVINHA, R. Juventude, lazer e esportes radicais. São Paulo: Manole, 2001.

WACQUANT, L. Corpo e alma: notas etnográficas de um aprendiz de boxe. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

WHEATON, B. (ed.), Understanding lifestyle sports, London: Routledge, 2004, pp. 55-69.

WHEATON B. (ed.) The consumption and Representation of Lifestyle Sports. London: Routledge, 2013.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8042.2018v30n55p156



R. Motriviv., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe: 2175-8042.

Os textos publicados na Revista Motrivivência estão licenciados com uma Licença Creative Commons de atribuição não comercial compartilhar igual: CC BY-NC-SA