A visão da pessoa com deficiência por crianças sem deficiência entremeada pela dança: um encontro de possibilidades

Fernanda Romano da Silva e Oliveira, Keyla Ferrari Lopes, Camila Lopes de Carvalho, Paulo Ferreira de Araújo

Resumo


A sociedade brasileira é legalmente inclusiva. Contudo, dificuldades em efetivá-la despontam, principalmente referentes às interações pessoais. Assim, esse estudo objetivou verificar a percepção pelas crianças sem deficiência sobre a performance de pessoas com deficiência por meio da dança. Para isso, foi desenvolvida uma pesquisa em três fases: uma inicial com conversa e realização de desenhos por 13 crianças do curso Esporte Criança, do SESC Santana, sobre a pessoa com deficiência e suas possibilidades de dançar; uma intervenção com a vivência, pelas crianças, da Metodologia Contato e Improvisação, com interação com um grupo de dançarinos com deficiência; e uma final construção de um novo desenho sobre o mesmo tema. Com os dados apreciados por análise de conteúdo, foi verificado que o contato entre as crianças e as pessoas com deficiência por meio da dança contribuiu com a superação de preconceitos e com a construção de conhecimento acerca das potencialidades dessa população.


Palavras-chave


Dança; Pessoas com deficiência; Relações interpessoais

Texto completo:

PDF/A

Referências


ANTUNES, A. P.; SILVA, C.; ARAÚJO, L. A dança como fator de desenvolvimento pessoal e de inclusão: percepções de um grupo de dança inclusiva. Revista Portuguesa de Educação Artística, v.3, n.1, p.33-45, 2013.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, LDA, 2009.

BARRETO, D. Dança, ensino, sentidos e possibilidades na escola. Campinas: Autores Associados, 2004.

BERNABÉ, R. Dança e deficiência: proposta de ensino. 2001. 97 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2001.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 1988. Disponível em: < www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm>. Acesso em: 14 jan. 2018.

______. Declaração de Salamanca. Sobre Princípios, Politicas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 1994. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2018.

______. Decreto nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999. Regulamenta a Lei no 7.853, de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de proteção, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 20 dez. 1999. Disponível em: < www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d3298.htm>. Acesso em: 04 fev. 2018.

CORREA, F. D. C. Corpo sitiado..., a comunicação invisível: dança, rodas e poéticas. 2007. 141f. Tese (Doutorado em Comunicação e Semiótica) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2007.

CORREIA, L. M. Alunos com necessidades educativas especiais nas classes regulares. Porto: Porto Editora, 1999.

COSTA, M. R. F.; SILVA, R. G. & AVILA, A. B. Relações de gênero no cotidiano das aulas de Educação Física de 5ª a 8ª série do Ensino Fundamental. In: CONGRESSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E CIÊNCIAS DO DESPORTO DOS PAÍSES DE LINGUA PORTUGUESA, 8, 2000, Lisboa. Anais... Lisboa: UTL, 2000. p. 167- 168.

DUARTE, E.; LIMA, S. T. Atividade física para pessoas com necessidades especiais. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003.

FIGUEIREDO, V. M. C.; TAVARES, M. C. G. C. F.; VENÂNCIO, S. Olhar para o corpo que dança - Um sentido para a pessoa portadora de deficiência visual. Movimento, Porto Alegre, v. 5, n. 11, p. 65-73, out. 2007. Disponível em: . Acesso em: 24 maio 2018.

LABAN, R. Dança educativa moderna. São Paulo: Ícone, 1990.

LAWS, G.; KELLY, E. The Attitudes and Friendship Intentions of Children in United Kingdom Mainstream Schools towards Peers with Physical or Intellectual Disabilities. International Journal of Disability, Development and Education, v. 52, n. 2, p.79-99, 2005.

LEITE, F. H. C. Contato improvisação (contact improvisation) um diálogo em dança. Movimento, Porto Alegre, v. 11, n. 2, p.89-110, maio/agosto 2005.

LIMA, P. R. F.; FROTA, M. A. Dança – Educação para crianças do ensino público: é possível? Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v.15, n.3, p.137-144, 2007.

MALLMANN; M. L. C; BARRETO, S. J. A dança e seus efeitos no desenvolvimento das inteligências múltiplas da criança. Instituto Catarinense de Pós-Graduação – ICPG, v.4, n.7, p.01-12, 2007. Disponível em . Acesso em 14 set. 2017.

MARQUES, I. Dança-educação ou dança e educação? Dos contatos às relações. In: TOMAZZONI, A.; WOSNIAK, C.; MARINHO, N. Algumas perguntas sobre dança e educação. Joinville: Nova Letra, 2010. p.23-37.

MARQUES, D. A. P.; SURDI, A. C.; GRUNENNVALDT, J. T.; KUNZ, E. Dança e expressividade: uma aproximação com a fenomenologia. Movimento, Porto Alegre, v. 19, n. 01, p.243-263, jan/mar de 2013.

MAZZOTTA, M. J. S.; D’ANTINO, M. L. F. Inclusão Social de Pessoas com Deficiências e Necessidades Especiais: cultura, educação e lazer. Saúde e Sociedade, São Paulo, v.20, n.2, p.377-389, abr./jun. 2011. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902011000200010>. Acesso em: 05 jun. 2018.

NAVAS, C. Centros de formação: o que há para além das ACADEMIAS. In: TOMAZZONI, A.; WOSNIAK, C.; MARINHO, N. Algumas perguntas sobre dança e educação. Joinville: Nova Letra, 2010, p.57-66.

NOVACK, C. Sharing the dance: contact improvisation and american culture. Madison, Wiscotin: The University of Wiscontin Press, 1990

OPS. Organização Pan-Americana da Saúde. Organização Mundial da Saúde. Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde – CIF. São Paulo: EDUSP, 2003.

PACHECO, A. J. P. Educação Física e dança: uma análise bibliográfica. Pensar a Prática, Goiânia, v.2, n.1, p. 156-171, jun./jun. 1999. Disponível em: < https://www.revistas.ufg.br/fef/article/view/148>. Acesso em: 05 jun. 2018.

PEREIRA, B. M. D. A percepção da criança diferente pelos seus pares em contexto escolar. 2011. 112f. Dissertação (Mestrado em Educação Especial) – Escola Superior de Educação, Instituto Politécnico de Coimbra, Coimbra, 2011.

PESSANHA, P. O. L. A visão deficiente acerca das “pessoas com deficiência”. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XIII, n. 76, maio 2010. Disponível em: . Acesso em novembro de 2017.

RAMOS, S. N. Música da televisão no cotidiano de crianças: um estudo de caso com um grupo de 9 e 10 anos de idade. 2002. 189f. Dissertação (Mestrado em Música) – Instituto de Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2002.

SCARPATO M.T. Dança educativa: um fato em escolas de São Paulo. Cadernos CEDES, Campinas, v.21, n.53, p.57-68, abr. 2001. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32622001000100004&Ing=pt&nrm=iso Acessado em 05 mar. 2018.

SILVA, R. F.; SEABRA JUNIOR, L.; ARAÚJO, P. F. Educação Física Adaptada no Brasil: da historia à inclusão educacional. São Paulo: Phorte, 2008.

STRAZACAPPA M. Dança da educação: discutindo questões básicas e polêmicas. Pensar a Prática, Goiânia, v. 6, n.1, p. 73-78, jul. 2003. Disponível em: < https://www.revistas.ufg.br/fef/article/download/55/54>. Acesso em: 05 jun. 2018.

VYGOTSKI, L. S. Fundamentos de defectologia. Havana: Editorial Pueblo y Educación, 1995.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8042.2019e57877



R. Motriviv., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe: 2175-8042.

Os textos publicados na Revista Motrivivência estão licenciados com uma Licença Creative Commons de atribuição não comercial compartilhar igual: CC BY-NC-SA