A exclusão (normativa) em aulas de Educação Física: enfrentando a indisciplina por meio do modelo de ensino sport education

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2020e73650

Palavras-chave:

Educação física, Indisciplina, Sport education

Resumo

O artigo aborda uma intervenção pedagógica com estudantes que eram punidos com a exclusão das aulas de Educação Física por apresentarem mau comportamento na escola. Procuramos experimentar o modelo Sport Education no enfrentamento à indisciplina em uma escola da rede pública. A pesquisa objetivava identificar e compreender possíveis mudanças atitudinais em estudantes tidos como indisciplinados. O estudo teve na pesquisa-ação seus princípios metodológicos e o grupo focal e questionário como instrumentos de produção de dados. O Sport Education carrega potencial de apropriação crítica da cultura corporal. O trabalho coletivo pode ser uma estratégia pedagógica alternativa na melhoria de comportamento dos estudantes caso a mediação se realize em compasso ao recrudescimento das relações afetivas entre professores e estudantes. A indisciplina permanece tema complexo e desafia os educadores. Entretanto, é fundamental superar o problema da exclusão normativa das aulas de Educação Física por ocasião da indisciplina.

Biografia do Autor

Hadamo Fernandes de Souza, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal - SEEDF Brasília - Brasil

Mestre em Educação Física - Universidade de Brasília - UnB

Jonatas Maia da Costa, Universidade de Brasília - UnB Faculdade de Educação Física - FEF Brasília - Brasil

Doutor em Educação - Universidade de Brasília - UnB

Referências

AQUINO, Julio Groppa. A indisciplina e a escola atual. Revista da Faculdade de educação, São Paulo, v. 24, n. 2, p. 181-204, 1998.

BETTI, Mauro. Educação Física escolar: ensino e pesquisa-ação. Ijuí: Unijuí, 2009. 344 p.

CAPARROZ, Francisco Eduardo. Entre a Educação Física na escola e a Educação Física da escola. Vitória: CEFD/UFES, 1997.

CONSELHO DA EUROPA. Código de Ética Desportiva. Rodes: Sétima Conferência de Ministros Europeus Responsáveis pelo Desporto, 1992. Disponível em: http://napsi.no.sapo.pt/codigoetica.html. Acesso em: 23 dez. 2004.

CRUZ, Elio Oliveira; FIAMENGHI JÚNIOR, Geraldo Antônio. O significado das aulas de educação física para adolescentes. Revista Motriz, Rio Claro, v. 16, n. 2, p. 425-431, abr. 2010.

DAOLIO, Jocimar. Da cultura do corpo. 9. ed. Campinas, SP: Papirus, 2005.

DARIDO, Suraya Cristina. A educação física na escola e o processo de formação dos não praticantes de atividade física. Revista brasileira de educação física e esporte, São Paulo, v. 18, n. 1, p. 61-80, janeiro 2004.

DE PAULA, Eliana de Jesus; PAIXÃO, Jairo Antônio; OLIVEIRA, Emerson Cruz. Suspensão de aulas de educação física como forma de punição: a percepção discente. Pensar a prática, Goiânia, v. 18, n. 2, p. 461-471, abr./jun. 2015.

DUARTE, Newton. Concepções afirmativas e negativas sobre o ato de ensinar. Cadernos CEDES, Campinas, v.19, n.44, 1998.

ESTRELA, Maria Teresa. Relação pedagógica, disciplina e indisciplina na aula. Porto: Porto, 1992.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

GARCIA, Joe. Indisciplina na escola: uma reflexão sobre a dimensão preventiva. Revista Paranaense de desenvolvimento. Curitiba, n. 95, p.101-108, jan./abr. 1999.

GATTI, Bernadete Angelina. Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília: Líber livro editora, 2005.

GRAÇA, Amândio; MESQUITA, Isabel. A investigação sobre os modelos de ensino dos jogos desportivos. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, Porto/Portugal, v. 7, n. 3, p. 401-421, 2007.

HANAUER, Fernando Cristyan. Fatores que influenciam na motivação dos alunos para participar das aulas de educação física. Revista FAI, Itapiranga, v. 2, n. 4, p. 76-82, 2013. Disponível em: http://www.seifai.edu.br/artigos/Fernando-MotivacaonasaulasdeEdFisica.pdf. Acesso em: 31 mai. 2019.

LA TAILLE, Yves de; PEDRO-SILVA, Nelson; JUSTO, José Sterza. Indisciplina/disciplina: ética, moral e ação do professor. 5. ed. Porto Alegre: Mediação, 2013. 120 p.

LOVISOLO, Hugo. Pós-graduações e educação física: paradoxos, tensões e diálogos. Revista brasileira de ciências do esporte, Campinas, v. 20, n. 1, p. 11-21, 1998.

MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política – Tomo III. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 2008.

POWELL, Richard A.; SINGLE, Helen M. Focus groups. International journal of quality in health care, [s. l.], v. 8, n. 5, p. 499-504, 1 jan. 1996.

RANGEL–BETTI, Irene Conceição. O Prazer em Aula de Educação Física Escolar: a perspectiva discente. 1992. 189 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Universidade de Campinas, Campinas, 1992.

RANGHETTI, Diva Spezia. Afetividade. In: FAZENDA, Ivani. (org.). Dicionário em Construção: Interdisciplinaridade. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002. p. 87-89.

SAVIANI, Demerval. Pedagogia Histórico-Crítica: primeiras aproximações. Campinas: Autores Associados, 2003.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. rev. e atual. São Paulo: Cortez, 2007.

SIEDENTOP, Daryl. Sport education: quality pe through positive sport experiences. [s. l.]: Human Kinetics Publishers, 1994. 152 p.

THIOLLENT, Michel. Metodologia da pesquisa-ação. 8. ed. São Paulo: Cortez, 1998.

VARGAS, Tairone Girardon de; MORISSO, Maríndia Mattos; GONZÁLEZ, Fernando Jaime; SAWITZKI, Rosalvo Luis. A Experiência do Sport Education nas aulas de Educação Física: utilizando o modelo de ensino em uma unidade didática de Futsal. Movimento - Revista de Educação Física da UFRGS, Porto Alegre, v. 24, n. 3, p. 735-748, jul./set. 2018.

Downloads

Publicado

2020-08-25

Edição

Seção

Artigos Originais