A presença das práticas corporais de aventura em escolas públicas da região metropolitana de Goiânia: um estudo exploratório

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2020e76350

Palavras-chave:

Educação física e treinamento, Capacitação profissional, Área de atuação profissional, Educação ambiental, Práticas corporais de aventura

Resumo

Práticas corporais de aventura (PCAs) constituem-se um conjunto de atividades que passou a ser objeto da Educação Física escolar desde a publicação da Base Nacional Comum Curricular (2018); este estudo buscou diagnosticar se professores da região metropolitana de Goiânia trabalham ou não com este conteúdo em suas aulas. A pesquisa se caracterizou como um estudo quali-quantitativo, coletando dados com um questionário de questões objetivas e descritivas. Foram entrevistados 59 professores. Os resultados indicam que as PCAs são pouco trabalhadas no ambiente escolar; que a maioria dos professores não teve acesso a esse conteúdo em sua formação e as principais causas de não ser ministrado nas aulas são a falta de estrutura e equipamentos e o desconhecimento das PCAs

Biografia do Autor

Humberto Luís de Deus Inácio, Faculdade de Educação Física e Dança da Universidade Federal de Goiás

Faculdade de Educação Física e Dança da Universidade Federal de Goiás.

Licenciado em Educação Física pela Universidade Federal de Santa Catarina (1993), Mestrado em Educação (1997) e Doutorado em Sociologia Politica (2007) pela mesma instituição. Realizou estágio Pós-doutoral na Facultad de Ciencias del Deporto de la Universidad de Murcia, Espanha (2012). Professor Associado da Universidade Federal de Goias, na Faculdade de Educação Física e Dança; Professor permanente no Mestrado Profissional em Educação Física da Faculdade de Educação Física e Dança da UFG; atuando principalmente nos seguintes temas: Educação Física Escolar, Educação Física Escolar e práticas corporais de aventura, lazer, meio ambiente, ecologia; Líder do GEPELC-Grupo de Estudos e Pesquisas em Esporte, Lazer e Comunicação (UFG), e membro do Laboratório Physis de Pesquisa em Educação Física, Sociedade e Natureza (UFG). Sócio-pesquisador do CBCE - Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte. Editor de seção da Revista Pensar a Prática (UFG), Parecerista Ad Doc das revistas Brasileira de Ciências do Esporte (RBCE), Movimento (ESEF-UFRGS), Motrivivência (UFSC), Pensar a Prática (FEF-UFG), CONEXÕES (Unicamp) e EMASF-Revista Digital de EF (Espanha). Realizou estágio pós-doutoral na Universidade de Granada-Espanha (2018) sob a tutoria do Prof; Dr. Antônio Baena-Extremera.

Caroline Castro Sousa, Rede Municipal de Educação de Goiânia, GO

Especialista em Metodologia do ensino da Educação Física.

Professora da Rede Municipal de Educação de Goiânia, GO.

Lídia Ferreira Machado, Escola Centro Educacional Sesc Cidadania, Goiânia.

Especialista em Metodologia do ensino da Educação Física.

Professora na Escola Centro Educacional Sesc Cidadania, Goiânia.

Referências

BAIERLE, Edinara Fortes de Moura. Práticas Corporais Junto A Natureza Na Educação Física Escolar: As Percepções De Alunos Do 9º Ano Frente Às Vivências Do Esporte De Orientação. 2012. 61f. Universidade Regional Do Noroeste Do Estado Do Rio Grande Do Sul – UNIJUÍ. Ijuí, RS. 2012. Disponível em: http://bibliodigital.unijui.edu.br:8080/xmlui/bitstream/handle/123456789/812/TCC%20FINAL.pdf?sequence=1. Acesso em: 12 set. 2016.

BETRÁN, Albert Olivera.; BETRÁN, Javier Olivera. Propuesta de una clasificación taxonómica de las actividades físicas de aventura en la naturaleza: marco conceptual y análisis de los criterios elegidos. Apunts: Educación Física y Deportes, Barcelona, v. 41, p. 108-123, 1995

Brasil. MEC. Base Nacional Comum Curricular. Brasília. 2018.

COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do Ensino de Educação Física. 2ª Edição. São Paulo: Editora Cortez, 2009.

DELGADO, Monica; CORRÊA, Evandro A. Atividades de aventura nos currículos de formação inicial em Educação Física no Brasil. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ESTUDOS DO LAZER, 2., 2016. ANAIS. Pará. NAEA. 2016, p.878-888.

FRANCO, Laércio C. P. Atividades físicas de aventura na escola: uma proposta nas três dimensões do conteúdo. 2008. 134 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências de Rio Claro, 2008. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/96064. Acesso em: 23 set. 2016.

GARCÍA, Aitor Llandres; RODRÍGUEZ, Gema Sáez. “Situación educativa actual de las actividades físicas en el medio natural: planteamientos y soluciones”. Revista Internacional de Deportes Colectivos. 13, (2012), 14-31.

GUIMARÃES, Simone S.M. et al. Educação Física no Ensino Médio e as Discussões Sobre Meio Ambiente: Um Encontro Necessário. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, v. 28, n. 3, p.157-172. 2007.

INÁCIO, Humberto Luís de Deus, et al. Práticas corporais de aventura na escola: possibilidades e desafios - reflexões para além da Base Nacional Comum Curricular. Motrivivência. Florianópolis. V.28, n.48, p.168-187, 2016.

INÁCIO, Humberto Luís de Deus. Práticas Corporais de Aventura na Natureza. In: Fernando González; Paulo Fensterseifer. (Org.). Dicionário Crítico de Educação Física. 3ed.Ijuí: Unijuí, 2014, v. 01, p. 531-535.

INÁCIO, Humberto Luís de Deus; MORAES, Tais Messias.; SILVEIRA, Amanda Bárbara. Educação Física e Educação Ambiental Refletindo Sobre Formação Docente. Conexões. V.11 (4). p.01-23, Campinas. 2013.

INÁCIO, Humberto Luís de Deus; MARINHO, Alcyane. Educação física, meio ambiente e aventura: diálogos possíveis. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DO ESPORTE, 15, Recife, 2007. Anais ... Recife: CBCE, 2007. Cd-Rom.

INÁCIO, Humberto Luís de Deus. Lazer, educação e meio ambiente: uma aventura em construção. Pensar a Prática, 9, p.45-63, jan./jun. 2006.

MACHADO, Lídia Ferreira. Práticas corporais de aventura inseridas na escola: é possível?2014. 50f. Trabalho de Conclusão de Curso. Licenciatura em Educação Física. Faculdade de Educação Física e Dança, Universidade Federal de Goiás. 2014.

MAGALHÃES, Josy Cristina. O ensino das práticas corporais de aventura a partir da Pedagogia Crítico Superadora: experiência em uma escola municipal. 2016. 60f. Trabalho de Conclusão de Curso. Licenciatura em Educação Física. Faculdade de Educação Física e Dança, Universidade Federal de Goiás. 2016.

MARINHO, Alcyane; SCHWARTZ, Gizele Maria. Atividade de Aventura Como Conteúdo da Educação Física. Revista Digital - Buenos Aires - Año 10. Disponível em: http://www.efdeportes.com/. Acesso em: 01 out. 2016.

MEC. Ministerio de la Educación y Cultura (España). Ley Orgánica General del Sistema (LOGSE), de 3 de octubre de 1990. En BOE número 238, 28927-28942.

MINAYO, Maria Cecilia S. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Editora Vozes, 2009.

MOTRIVIVÊNCIA. V. 28, n.48. Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Desportos. Florianópolis. 2016.

PEÑARRUBIA, Carlos. GUILLÉN CORREAS, Roberto. LAPETRA COSTA, Susana. Actividades en el medio natural en educación física. Cultura, Ciencia y Deporte. Murcia: Universidad de Murcia. V.11, n.31, 2016. p. 27-36.

PEÑARRUBIA, Carlos. El rápel en la escuela, una actividad cooperativa de iniciación al medio natural. Tándem Didáctica de la Educación Física. 44, 2014. p. 63-67.

PIMENTEL, Giuliano Gomes A. Ritos e risco no vôo livre. Movimento. Porto Alegre, v.14, p.13-32, 2008.

SOUZA, Ramon Luiz Cardoso de. Atividades de aventura na natureza e o ensino da Educação Física em escolas públicas de Belém-PA: possibilidades e desafios. In: SOUSA, Vera Solange Pires Gomes de. (Org.). Entre cultura, currículo e professor de educação física: diálogos sobre a Educação Física. 01ed. Belém: Cromos, 2013.

TAHARA, Alexandre K.; CARNICELLI FILHO, Sandro. A Presença de Atividades de Aventura na Educação Física Escolar. Arquivos de Ciências do Esporte. V.1 (1), p.60-69, 2013.

TERUEL, Ana Paula. Atividades De Aventura No Contexto Escolar, Na Visão De Professores de Educação Física. 2011. 36f. Universidade Estadual Paulista. Instituto De Biociências - Rio Claro. Rio Claro – SP, 2011.

Downloads

Publicado

2020-11-16

Edição

Seção

Artigos Originais