A escola tem que discutir; a família que deve orientar: as escolas rio-grandinas e as questões de gênero

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2021e78100

Palavras-chave:

Sociedade, Escola, Questões de gênero

Resumo

O presente estudo se propôs a averiguar o tratamento dado a temática gênero em escolas da cidade de Rio Grande – RS, assim como, identificar o posicionamento dos professores e professoras sobre a temática gênero ser trabalhada nessas instituições. Os sujeitos participantes dessa pesquisa foram professores e professoras de Educação Física e alunos e alunas do 9° ano do ensino fundamental, os quais contribuiram, respectivamente, através dos seguintes instrumentos de coleta: entrevista semiestruturada e questionário. Percebemos que a instituição escola não é um campo neutro, pois ela ainda é um espaço que internaliza os preceitos que estruturam a sociedade, reforçando binarismos. Identificamos que às questões que envolvem gênero não são uma temática muito recorrente nas escolas investigadas, sendo que os professores e as professoras têm distintas percepções sobre essa ser tratada nas escolas e nas aulas de Educação Física, resultando em dois grupos: os pró-discussão e os contra discussão.

Biografia do Autor

Thais Mortola Dias, Universidade Federal de Pelotas - UFPEL

Mestrado em Educação Física pela Universidade Federal de Pelotas - UFPEL

Universidade Federal de Pelotas - UFPEL

Giovanni Felipe Ernst Frizzo, Universidade Federal de Pelotas - UFPEL

Doutorado em Ciências do Movimento pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

Universidade Federal de Pelotas - UFPEL

 

Referências

BONI, Valdete; QUARESMA, Sílvia Jurema. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Em Tese, v. 2, n. 1, p. 68-80, 2005.

BRASIL. Ministério da saúde; conselho nacional de saúde. Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília, Diário Oficial da União, 12 dez. 2012.

CASIQUE, Leticia Casique; FUREGATO, Antonia Regina Ferreira. Violência contra mulheres: reflexões teóricas. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 14, n. 6, 2006.

CISNE, Mirla. Feminismo e marxismo: apontamentos teórico-políticos para o enfrentamento das desigualdades sociais. Serviço Social & Sociedade, n. 132, p. 211-230, 2018.

CORREIO BRAZILIENSE. Educação (sexual) vem de casa?, 2017. Disponível em: https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/revista/2017/10/22/interna_revista_correio,634722/educacao-sexual-vem-de-casa.shtml. Acesso em: 13 de abril de 2020.

DAS NEVES PEDRUZZI, Alana et al. Análise textual discursiva: os movimentos da metodologia de pesquisa. Atos de pesquisa em Educação, v. 10, n. 2, p. 584-604, 2015.

DIÁRIO DE CANOAS. No RS, mulheres têm salário 26% menor que dos homens e queda nas posições de chefia, 2020. Disponível em: http://www.diariodecanoas.com.br/noticias/rio_grande_do_sul/2020/03/05/no-rs--mulheres-tem-salario-26--menor-que-dos-homens-e-queda-nas-posicoes-de-chefia.html. Acesso em: 15 de março de 2020.

DO AMARAL MADUREIRA, Ana Flávia; BRANCO, Ângela Uchoa. Gênero, sexualidade e diversidade na escola a partir da perspectiva de professores/as. Temas em Psicologia, v. 23, n. 3, p. 577-591, 2015.

FRERES, Helena; RABELO, Jackeline; SEGUNDO, M. O papel da educação na sociedade capitalista: uma análise onto-histórica. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO. 2008. p. 1-15.

GESE. Sexualidade e Escola - Escolas Promotoras da Igualdade de Gênero. Disponível em: http://www.sexualidadeescola.furg.br/index.php/igualdade-de-genero. Acesso em: 25 de Fevereiro de 2020.

GODOY, Arilda Schmidt. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. RAE-revista de administração de empresas, v. 35, n. 2, p. 57-63, 1995.

GOMES, Nilma Lino. Educação, raça e gênero: relações imersas na alteridade. cadernos pagu, n. 6/7, p. 67-82, 1996.

HARAWAY, Donna. " Gênero" para um dicionário marxista: a política sexual de uma palavra. Cadernos pagu, n. 22, p. 201-246, 2004.

MAIA, Ana Claudia Bortolozzi; NAVARRO, Carolina; MAIA, Ari Fernando. Relações entre gênero e escola no discurso de professoras do ensino fundamental. Psicologia da Educação. Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: Psicologia da Educação. ISSN 2175-3520, n. 32, 2011.

METODOLOGIA, DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Coletivo de autores–São Paulo. 1992.

MINAYO, Maria Cecília de Souza; GUERRIERO, Iara Coelho Zito. Reflexividade como éthos da pesquisa qualitativa. Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, p. 1103-1112, 2014.

PESQUISA NACIONAL SOBRE O AMBIENTE EDUCACIONAL NO BRASIL (2016). Disponível em: http://static.congressoemfoco.uol.com.br/2016/08/IAE-Brasil-Web-3-1.pdf. Acesso em: 22 de Fevereiro de 2020.

RELATÓRIO GRUPO GAY DA BAHIA, 2019. Disponível em: https://grupogaydabahia.files.wordpress.com/2019/01/relat%C3%B3rio-de-crimes-contra-lgbt-brasil-2018-grupo-gay-da-bahia.pdf Acesso em: 14 de Fevereiro de 2020.

RELÓGIOS DA VIOLÊNCIA, 2020. Disponível em: https://www.relogiosdaviolencia.com.br/. Acesso em: 15 de abril de 2020.

SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. O poder do macho. Editora Moderna, 1987.

SAVEGNAGO, Sabrina Dal Ongaro; ARPINI, Dorian Mônica. Conversando sobre sexualidad en la familia: miradas de niñas de grupos populares. Cadernos de Pesquisa, v. 43, n. 150, p. 924-947, 2013.

WERNECK, Christianne Luce Gomes. Dissimulação do uso social e político do corpo na Educação Física. In: Coletânea. 3º Congresso Latino-Americano de Esporte, Educação e Saúde no movimento humano. Cascavel: Gráfica Universitária. 1996. p. 139-149.

Downloads

Publicado

2021-05-26

Edição

Seção

Artigos Originais