Apontamentos sobre o fazer etnográfico: agruras e prazeres de uma pesquisadora-torcedora nas imediações de um estádio de futebol

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2022.e83371

Resumo

Neste trabalho, buscamos relatar, problematizar e instigar inquietações pertinentes a uma pesquisa etnográfica, abordando as agruras e prazeres de uma pesquisadora-torcedora, inerentes aos desdobramentos de uma investigação nas imediações do estádio Arena do Grêmio, na cidade de Porto Alegre/RS. Procuramos dar ênfase às questões de gênero e à sensação de insegurança urbana, que figuram o território como um cenário hostil à pesquisadora-torcedora, tecendo experiências de sujeição e enfrentamentos. Portanto, tratamos das especificidades de uma pesquisa de campo realizada por uma mulher, em território futebolístico e periférico da cidade. Ademais, abordamos os ‘sabores’ de se realizar a investigação, sejam eles agradáveis, pelas satisfações suscitadas na dupla pertença, ou desagradáveis, pelos desapontamentos vividos, estabelecendo barreiras e contornos específicos, que implicaram nos recursos possíveis e/ou disponíveis no campo. Tratamos ainda, de instigar os pares a potencializar as discussões que envolvam as desigualdades entre gêneros no campo científico. 

Biografia do Autor

Daiane Grillo Martins, UFRGS

Mestra em Educação Física (ESEF/UFPEL); Doutoranda em Ciências do Movimento Humano, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).   

Raquel da Silveira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutora em Ciências do Movimento Humano (ESEFID-UFRGS); docente da Escola de Fisioterapia e Dança da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e do Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano da UFRGS.

Alan Goularte Knuth, Universidade Federal do Rio Grande (FURG)

Doutor em Epidemiologia (UFPEL); Professor associado na Universidade Federal do Rio Grande (FURG), atuando no curso de Educação Física (Licenciatura), Residência Multiprofissional em Saúde da Família e Programa de Pós-graduação em Saúde Pública (Mestrado).

Referências

ALVES, Mércia. (In) segurança pública e violência urbana: desafios e perspectivas. Salvador, 2014. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.abong.org.br/handle/11465/351. Acesso em: 14 ago. 2021.

BAIERL, Luzia Fátima. Medo social: dilemas cotidianos. Ponto & vírgula, São Paulo, V. 3, p. 138-151, 2008. Disponível em: https://200.144.145.36/index.php/pontoevirgula/article/view/14246. Acesso em: 11 ago. 2021.

BAUMAN, Zygmunt. Comunidade: a busca por segurança no mundo atual. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

BAUMAN, Zygmunt. Tempos líquidos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

BUTLER. Judith. A vida psíquica do poder: teorias da sujeição. 1ª ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

CAMPOS, Priscila Augusta Ferreira. Mulheres torcedoras do Cruzeiro Esporte Clube presentes no Mineirão. 2010. Dissertação (Mestrado em Lazer) - Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010.

CAPELLANO, Renata. O torcer de futebol e a imprensa especializada. Juíz de Fora: UFJF, 1999.

COSTA, Leda Maria da. Maria-chuteiras x torcedoras “autênticas”: Identidade feminina e futebol. XII Encontro Regional de História. ANPUH-RJ, 2006. Disponível em: https://comunicacaoeesporte.files.wordpress.com/2017/02/torcedorasleda-maria-da-costa.pdf. Acesso em: 10 ago. 2021.

CUNHA, Manuela Ivone; DURÃO, Susana. Os sentidos da segurança: ambiguidades e reduções. Etnográfica, Portugal, vol. 15 (1), p. 53-66, 2011. Disponível em: https://journals.openedition.org/etnografica/790. Acesso em: 09 jul. 2021.

DAMATTA, Roberto. O Ofício de Etnólogo, ou como Ter “Anthropological Blues”. In: NUNES, Edson de Oliveira. (org.) A Aventura Sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1978. p. 23-35.

DAMO, Arlei Sander. Futebol e identidade social: uma leitura antropológica das rivalidades entre torcedores e clubes. Porto Alegre: Universidade/ UFRGS, 2002.

DAMO, Arlei Sander. Senso de jogo. Esporte e Sociedade, Rio de Janeiro, n.1, p. 1-43, 2005. Disponível em: https://periodicos.uff.br/esportesociedade/article/view/47796. Acesso em: 03 ago. 2021.

ELIAS, Norbert. Introdução à Sociologia. Lisboa: edições 70, 1999.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 7ª ed. Rio de Janeiro/ São Paulo: Paz e Terra, 2018.

GOELLNER, Silvana Vilodre. O esporte e a espetacularização dos corpos femininos. In: Revista Labrys: Estudos Feministas, nº 4, 2003. Disponível em: https://www.labrys.net.br/labrys4/textos/silvana1.htm. Acesso em: 10 de jun. 2021.

GOMES. Edlaine de Campos; MENEZES, Rachel Aisengart. Etnografias possíveis: “estar” ou “ser” de dentro. Ponto Urbe, nº3, São Paulo, 2008. Disponível em: https://journals.openedition.org/pontourbe/1748. Acesso em: 12 jun. 2021.

HAESBAERT, Rogério. Território e multiterrtorialidade: um debate. Geographia, Rio de Janeiro, v.9, n° 17, 2007. Disponível em: https://periodicos.uff.br/geographia/article/view/13531. Acesso em: 06 set. 2018.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 10ª ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

JAHNECKA, Luciano. O jeito Xavante de torcer: formação de memórias em uma torcida de futebol. 2010. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências) – Instituto de Ciências Básicas da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

KNIJNIK, Jorge Dorfman. A mulher brasileira e o esporte: seu corpo sua história. São Paulo: Mackenzie, 2003.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.

MARTINS; Daiane Grillo; KNUTH, Alan Goularte. Manifestações torcedoras e território: configurações das imediações da Arena do Grêmio. Movimento, Porto Alegre, v. 26, e26046, 2020a. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/Movimento/article/view/98929. Acesso em: 02 mai. 2021.

MARTINS; Daiane Grillo; KNUTH, Alan Goularte. A composição dos dias de jogos da Arena do Grêmio na vida de moradores e não moradores das imediações do estádio. Fulia, Belo Horizonte, v.5, n. 2, maio-ago 2020b. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/fulia/article/view/21822. Acesso em: 02 mai. 2021.

MARTINS, Daiane Grillo; SILVEIRA, Raquel da; FREITAS, Gustavo da Silva. Apontamentos sobre as manifestações do “ser torcedora” do Sport Club São Paulo. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Florianópolis, v. 36, n. 2, supl., p. S182-S196, 2014. Disponível em: http://revista.cbce.org.br/index.php/RBCE/article/view/2126. Acesso em: 20 ago. 2018.

MARTINS, Heloísa Helena de Souza. Metodologia qualitativa de pesquisa. Educação e pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 2, p. 289-300, 2004. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ep/article/view/27936/29708. Acesso em: 02 jun. 2017.

NASCIMENTO, Lecir Moreira; DOURADO, Priscila Maria de Souza. Os bastidores da ciência: enfrentamento e superação das pesquisadoras na Universidade Católica de Brasília e o impacto em suas carreiras, família e bem-estar. XV Colóquio Internacional de Gestão Universitária – CIGU: desafios da gestão universitária no século XXI. Mar del Plata – Argentina, 2015. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/136242. Acesso em: 10 fev. 2022.

SOARES, Guiomar Freitas. Da invisibilidade à cidadania: um estudo sobre as identidades de gênero. In: SEFFNER, Fernando; SOARES, Guiomar Freitas; SILVA, Méri Rosane Santos da; RIBEIRO, Paula Regina Costa. Corpo, gênero e sexualidade: problematizando práticas educativas e culturais. Rio Grande: FURG, 2006. p. 61-67.

VELHO, Gilberto. Observando o familiar. In: NUNES, Edson de Oliveira (org). A Aventura Sociológica. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978. p. 123-132.

WACQUANT, Löic. Corpo e Alma: notas etnográficas de uma aprendiz de boxe. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

WINKIN, Yves. A nova comunicação: da teoria ao trabalho de campo. Campinas: Papirus, 1998.

Downloads

Publicado

2022-03-07

Edição

Seção

Porta Aberta