Classe, cor e etnia nas legislações de compulsão ao trabalho na Amazônia: do Diretório ao fim dos Corpos de Trabalhadores (1755-1859)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2020.e72949

Palavras-chave:

legislação e trabalho, Trabalho não livre, Amazônia

Resumo

Desde o final do século XVIII, diferentes administrações portuguesas e brasileiras se ocuparam em criar mecanismos de compulsão ao trabalho voltados às populações não legalmente escravizadas na Amazônia. Após a abolição do cativeiro de povos indígenas, em 1755, sucessivas legislações buscaram estabelecer rígidas bases oficiais (não raramente exasperadas pelas práticas cotidianas de coerção) para que os pobres livres e libertos, sobretudo índios, negros e mestiços, fossem obrigados a realizar atividades laborais tanto em serviços e obras públicas, quanto para particulares. Esses trabalhadores eram empregados em funções econômicas fundamentais tais como transporte, extrativismo, lavoura, comércio, entre outros, num cenário em que a presença de escravos negros era significativamente menor do que em outras regiões do país. A partir disso, pretende-se analisar de que modo as autoridades públicas e agentes privados articularam formas legais visando impelir os pobres livres e libertos ao trabalho, e como tais instrumentos buscaram regular e naturalizar diferenças de origem étnicas e sociais objetivando a máxima retenção e controle de toda força de trabalho não escrava disponível na Amazônia no século XIX. Igualmente serão enfatizados os modos pelos quais essas populações vivenciaram, reagiram e se opuseram a tais  investidas legais contra sua liberdade, mobilizando-se por meio de fugas, organizando-se politicamente em áreas de disputas fronteiriças e fazendo uso dos recursos naturais não apenas para sua sobrevivência, mas também para a reafirmação da sua autonomia sociocultural e econômica.

Biografia do Autor

Adalberto Paz, Universidade Federal do Amapá (UNIFAP)

Doutor em História pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Docente do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP)

Referências

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. Os Vassalos D’El Rey nos confins da Amazônia: a colonização da Amazônia ocidental (1750-1798). Dissertação (mestrado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 1990.

ALMEIDA, Rita Heloísa de. A Carta Régia de 12 de maio de 1798 e outros documentos sobre índios no códice 807. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Rio de Janeiro, a. 163, n. 416, p. 176-180, jul/set 2002.

ALMEIDA, Rita Heloísa de. O Diretório dos Índios: um projeto de “civilização” no Brasil do século XVIII. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1997.

ANGELO-MENEZES, Maria de Nazaré. O sistema agrário do vale do Tocantins colonial: agricultura para consumo e para exportação. Projeto História. São Paulo, n. 18, p. 237- 259, mai. 1999.

ANTONIL, André João. Cultura e opulência do Brasil. Rio de Janeiro: Typographia Imp. e Const. de J. Villeneuve e Cª, 1837.

BAENA, Antônio Ladislau Monteiro. Ensaio corográfico sobre a província do Pará. [1839] Brasília: Senado Federal, 2004.

BAENA, Antônio Ladislau Monteiro. Compêndio das eras da Província do Pará. [1838] 2.ed. Belém: Universidade Federal do Pará, 1969.

BASTOS, Aureliano Cândido Tavares. O valle do Amazonas – Estudo sobre a livre navegação do Amazonas, estatística, producções, commercio, questões fiscaes do valle do Amazonas. Rio de Janeiro: B. L. Garnier Editor, 1866.

BASTOS, Carlos Augusto de Castro. No limiar dos Impérios: projetos, circulações e experiências na fronteira entre a Capitania do Rio Negro e a Província de Maynas (c. 1780 – c. 1820). Tese (doutorado em História) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

BASTOS, Carlos Augusto de Castro. Os braços da (des)ordem. Indisciplina militar na província do Grão-Pará (meados do século XIX). Dissertação (mestrado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2004.

BARBOSA, Mário Médice Costa. O povo cabano no poder: memória, cultura e imprensa em Belém-PA (1982-2004). Dissertação (Mestrado em História) – Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2004.

BEATTIE, Peter M. Punishment in Paradise: Race, slavery, human rights, and a nineteenth-century Brazilian penal colony. Durham; London: Duke University Press, 2015.

BRASS, Tom; LINDEN, Marcel van der (eds), Free and unfree labour: the debate continues. Berne: Peter Lang AG, 1997.

BRITO, Cecília Maria Chaves. Índios das “corporações”: trabalho compulsório no Grão-Pará no século XVIII. In: MARIN, Rosa Acevedo (org.). A escrita da história paraense. Belém: UFPA/NAEA, 1998.

CARDOSO, Ciro Flamarion. Economia e sociedade em áreas coloniais periféricas: Guiana Francesa e Pará (1750-1817). Rio de Janeiro: Graal, 1984.

CARVALHO, Francismar Alex Lopes de. “Com despesas próprias a bem do Real Serviço”: funcionários, colonos e a defesa da fronteira no extremo oeste da América portuguesa, c.1750-1800. História. Franca, v. 33, n.1, p. 174, jan/jun 2014.

COELHO, Geraldo Mártires. Anarquistas, demagogos e dissidentes: a imprensa liberal no Pará de 1822. Belém: Cejup, 1993.

COELHO, Mauro Cezar. Do sertão para o mar: um estudo sobre a experiência portuguesa na América, a partir da colônia: o caso do Diretório dos Índios (1751-1798). Tese (doutorado em História) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

CHALHOUB, Sidney, A força da escravidão: ilegalidade e costume no Brasil oitocentista. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

CHALHOUB, Sidney. Costumes senhoriais: escravização ilegal e precarização da liberdade no Brasil Império. In: Elciene Azevedo et al. Trabalhadores na cidade: cotidiano e cultura no Rio de Janeiro e em são Paulo, séculos XIX e XX. Campinas: Editora da Unicamp, 2009.

CHALHOUB, Sidney; SILVA, Fernando Teixeira da. Sujeitos no imaginário acadêmico: escravos e trabalhadores na historiografia desde os anos 1980. Cadernos AEL, vol.14, n.26, 2009.

CHAMBOULEYRON, Rafael. Escravos do Atlântico equatorial: tráfico negreiro para o Estado do Maranhão e Pará (século XVII e início do século XVIII). Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 26, n. 52, p. 79-114, dez. 2006.

CHIAVENATO, Julio José. Cabanagem: o povo no poder. São Paulo: Brasiliense, 1984.

CLEARY, David. Cabanagem: documentos ingleses. Belém: Arquivo Público do Pará: SECULT/IOE, 2002.

CLEARY, David. “Lost altogether to the civilized world”: race and the Cabanagem in northern Brazil, 1750 to 1850. Comparative Studies in Society and History, Cambridge, v. 40, issue 1, p. 109-135, jan. 1998.

COOPER, Frederick; HOLT, Thomas C. e SCOTT, Rebecca J. Além da escravidão: investigações sobre raça, trabalho e cidadania em sociedades pós-emancipação. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

CRUZ, Ernesto. Nos bastidores da Cabanagem. Belém: Oficina Gráfica da Revista de Veterinária, 1942.

DIAS , Manuel Nunes. Fomento e mercantilismo: a Companhia Geral do Grão-Pará e Maranhão (1755-1778). Belém: UFPA, 1970, 2 v.

DI PAOLO, Pasquale. Cabanagem: a revolução popular na Amazônia. Belém: Cejup, 1985.

DOMAR, Evsey D. The Causes of Slavery or Serfdom: A Hypothesis. The Journal of Economic History, v. 30, n. 1, p. 18–32, marc. 1970.

DOMINGUES, Ângela. Quando os índios eram vassalos: colonização e relações de poder no Norte do Brasil na segunda metade do século XVIII. Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 2000.

EDWARDS, William H. A voyage up the river amazon including a residence at Pará. New York: D. Appleton & Company, 1847.

FALCON, Francisco José Calazans. A época pombalina. São Paulo: Ática, 1982.

FARAGE, Nádia; CUNHA, Manuela Carneiro da. Caráter da tutela dos índios: origens e metamorfoses. In: CUNHA, Manuela Carneiro da. Os direitos dos índios: ensaios e documentos. São Paulo: Brasiliense, 1987.

FARAGE, Nádia. As muralhas dos sertões: a colonização e os povos indígenas do rio Branco. Rio de Janeiro: Paz e Terra: ANPOCS, 1991.

FERREIRA, Eliana. Estado e administração colonial: a vila de Mazagão. In: MARIN, Rosa Elizabeth Acevedo (org.). A escrita da História paraense. Belém: NAEA/UFPA, 1998.

Free and Unfree Labour. International Review of Social History, v. 35, i. 1, p. 1-2, apr. 1990.

FULLER, Claudia Maria. Os Corpos de Trabalhadores: política de controle social no Grão-Pará. Revista Estudos Amazônicos. Belém, v. 3, n. 1, p. 93-115, 2008.

FULLER, Claudia. “V. Sª não manda em casa alheia”: disputas em torno da implantação dos Corpos de Trabalhadores na Província do Pará, 1838-1844. Revista Estudos Amazônicos. Belém, vol. 3, nº 2, p. 41-75, 2008.

GOMES, Flávio dos Santos; NEGRO, Antônio Luigi. Além das senzalas e fábricas: uma história social do trabalho. Tempo Social, revista de sociologia da USP, v.18, n.1, 2006.

GREGÓRIO, Vitor Marcos. Uma face de Jano: a navegação do rio Amazonas e a formação do Estado brasileiro (1835-1867). São Paulo: Annablume; FAPESP, 2012.

HARRIS, Mark. Rebellion on the Amazon: the Cabanagem, race and popular culture in the north of Brazil, 1798-1840. New York: Cambridge University Press, 2010.

HURLEY, Henrique Jorge. A Cabanagem. Belém: Livraria Clássica, 1936.

HURLEY, Henrique Jorge. Traços cabanos. Revista do IHGP, v. 10, 1936.

LEAL, Davi Avelino. Direitos e processos diferenciados de territorialização: os conflitos pelo uso dos recursos naturais no rio Madeira (1861-1932). Tese (doutorado em Sociedade e Cultura na Amazônia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Amazonas, Manaus 2013.

LIMA, Ana Renata do Rosário de. Revoltas camponesas no vale do Acará 1822-1840. Belém: Prefeitura Municipal de Belém, 2004.

LINDEN, Marcel van der; GARCÍA, Magaly Rodríguez (eds). On Coerced Labor: Work and Compulsion after Chattel Slavery. Leiden; Boston: Brill, 2016.

LISBOA, Karen Macknow. A Nova Atlântida de Spix e Martius: natureza e civilização na Viagem pelo Brasil (1817-1820). São Paulo: Hucitec: FAPESP, 1997.

LUCASSEN, Jan; ZÜRCHER, Erik Jan. Conscription as military labour: the historical context. International Review of Social History, v. 43, issue 3 p. 413, dec. 1998.

MACHADO, André Roberto de A. O fiel da balança: o papel do parlamento brasileiro nos desdobramentos do golpe de 1831 no Grão-Pará. Revista de História, São Paulo, n. 164, p. 195-241, jan/jun. 2011.

MACLACHLAN, Colin M. The Indian labor structure in the Portuguese Amazon, 1700-1800. In: ALDEN, Dauril (ed.). Colonial Roots of Modern Brazil: papers of the Newberry Library Conference. Berkeley; Los Angeles; London: University of California Press, 1973.

MAMIGONIAN, Beatriz G. Africanos livres: a abolição do tráfico de escravos no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

MARIN, Rosa Elizabeth Acevedo. Prosperidade e estagnação de Macapá colonial: as experiências dos colonos. In: Flávio dos Santos Gomes (org.). Nas Terras do Cabo Norte: fronteiras, colonização e escravidão na Guiana brasileira. Belém: Editora Universitária/UFPA, 1999.

MARIN, Rosa Elizabeth Acevedo. Camponeses, donos de engenho e escravos na região do Acará nos séculos XVIII e XIX. Papers do NAEA nº 153, outubro de 2000. Disponível em http://www.naea.ufpa.br/naea/novosite/paper/309. Acesso em: 12 jan. 2015.

MARIN, Rosa Elizabeth Acevedo. Civilização do rio, civilização da estrada: transportes na ocupação da Amazônia no século XIX e XX. Papers do NAEA nº 170, maio de 2004. Disponível em http://www.naea.ufpa.br/naea/novosite/paper/326. Acesso em: 17 de out. 2015.

MARX, Karl. Formações econômicas pré-capitalistas. 7.ed. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

MELLO, Christiane Figueiredo Pagano. Forças militares no Brasil Colonial: Corpos de Auxiliares e Ordenanças na segunda metade do século XVIII. Rio de Janeiro: E-Papers, 2009.

MELLO, Saulo Álvaro. O Arsenal da Marinha em Mato Grosso: projeto político de defesa nacional e de disciplinarização do trabalho – Do planalto à planície pantaneira (1719-1873). Dissertação (Mestrado em História)- Faculdade de Ciências Humanas, Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, 2009.

MENDONÇA, Marcos Carneiro de. A Amazônia na Era Pombalina. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1963, 3 v.

MONTEIRO, John. Tupis, tapuias e historiadores: estudos de história indígena e indigenismo. Tese (Livre Docência em Antropologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2001.

MOREIRA NETO, Carlos de Araújo. Índios da Amazônia: de maioria a minoria (1750-1850). Petrópolis: Vozes, 1988.

MOREIRA NETO, Carlos de Araújo. Igreja e Cabanagem (1832-1849). In: HOORNAERT Eduardo (Org.). História da Igreja na Amazônia. Petrópolis: Vozes, 1992.

NIEBOER, Herman J. Slavery as an industrial system: ethnological researches. The Hage: Martinus Nijhoff, 1900.

NOGUEIRA, Shirley Maria Silva. “A soldadesca desenfreada”: politização militar no Grão-Pará na Era da Independência (1790-1850). Tese (doutorado em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009.

OLIVEIRA FILHO, João Pacheco de. O Caboclo e o Brabo. Notas sobre duas modalidades de força de trabalho na expansão da fronteira amazônica no século XIX. Encontros com a Civilização Brasileira. V. 11, 1979.

PAZ, Adalberto Junior Ferreira. Repúblicas contestadas: liberdade, trabalho e disputas políticas na Amazônia do século XIX. Tese (doutorado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2017.

PAZ, Adalberto. Free and unfree labor in the nineteenth-century Brazilian Amazon. International Review of Social History, v. 62, Special Issue S25, p. 23-43, dec. 2017.

PERRONE-MOISÉS, Beatriz. Índios livres e índios escravos: os princípios da legislação indigenista do período colonial (séculos XVI a XVIII). In: CUNHA, Manuela Carneiro da. História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras: Secretaria Municipal de Cultura: FAPESP, 1992.

PINHEIRO, Luís Balkar Sá Peixoto. Nos subterrâneos da Revolta: trajetórias, lutas e tensões na Cabanagem. Tese (doutorado em História) – Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 1998.

PINHEIRO, Luís Balkar Sá Peixoto. Visões da Cabanagem: uma revolta popular e suas representações na historiografia. Manaus: Valer, 2001.

PRADO JÚNIOR, Caio. Formação do Brasil contemporâneo: colônia. 12.ed. São Paulo: Brasiliense, 1972.

QUEIROZ, Jonas Marçal de; COELHO, Mauro Cesar. Fronteiras da História, limites do saber: a Amazônia e seus intérpretes. In: Amazônia: modernização e conflito (séculos XVIII e XIX). Belém: UFPA/NAEA; Macapá: UNIFAP, 2001.

RAIOL, Domingos Antônio. Motins Políticos ou História dos principais acontecimentos políticos da província do Pará desde o ano de 1821 até 1835. [1865-1890, 5 v.] 2.ed. Belém: Editora da UFPA, 1970, 3 v.

RICCI, Magda. Do sentido aos significados da Cabanagem: percursos historiográficos. Anais do Arquivo Público do Pará, v. 4, t. 1, Belém, 2001.

RICCI, Magda. Cabanagem, cidadania e identidade revolucionária: o problema do patriotismo na Amazônia entre 1835 e 1840. Tempo, Niterói, v. 11, n. 22, p. 5-30, 2007.

ROCQUE, Carlos. Cabanagem: epopéia de um povo. Belém: Imprensa Oficial, 1984, 2 v.

SALLES, Vicente. Memorial da Cabanagem: esboço do pensamento político-revolucionário no Grão-Pará. Belém: Cejup, 1992.

SALLES, Vicente. O Negro no Pará sob o regime da escravidão. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1971.

SAMPAIO, Patrícia Maria Melo. Espelhos partidos: etnia, legislação e desigualdade na colônia. Manaus: EDUA, 2011.

SAMPAIO, Patrícia Melo. Administração colonial e legislação indigenista na Amazônia portuguesa. In: PRIORE, Mary Del; GOMES, Flávio. Os senhores dos rios. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

SAMPAIO, Patrícia Maria Melo. Os fios de Ariadne: tipologia de fortunas e hierarquias sociais em Manaus: 1840-1880. Manaus: EDUA, 1997.

SCOTT, James C. The Art of Not Being Governed: An Anarchist History of Upland Southeast Asia. New Haven; London: Yale University Press, 2009.

SILVA, Antonio Delgado da. Collecção da legislação portuguesa desde a última compilação das Ordenações. Legislação de 1750 a 1762. Lisboa: Typografia Maigrense, 1830.

SILVEIRA, Ítala Bezerra da. Cabanagem: uma luta perdida. Belém: Secretaria do Estado da Cultura, 1994.

SPIX, Johann B. von; MARTIUS, Carl Friedrich P. von. Viagem pelo Brasil: 1817-1820. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1981, vol. 3.

STEINFELD, Robert. Coercion, contract and free labor in the nineteenth century. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.

WEINSTEIN, Barbara. A borracha na Amazônia: expansão e decadência (1850-1920). São Paulo: Hucitec-Edusp, 1993.

Downloads

Publicado

2020-05-27

Edição

Seção

Artigos