Articular saberes, qualificar práticas: contribuições da Universidade à formação dos profissionais de educação infantil

Autores

  • Luciana Esmeralda Ostetto Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis

DOI:

https://doi.org/10.5007/%25x

Palavras-chave:

Profissionais de Educação Infantil, Formação, Universidade

Resumo

Os debates recentes sobre a formação do profissional de . educação infantil indicam uma tendência para a proposição de cursos de formação inicial específicos - em nível de segundo grau, preferencialmente - e programas de formação continuada para quem já está em serviço e não apresenta qualificação mínima. Contudo, a criação e a procura por cursos de formação de educadores para a educação infantil, em nível de graduação e pós-graduação (especialização) também é uma
realidade. Teria a Universidade contribuiet<>es nesta direção? Em que sentido? Tomando como princípio o direito constitucional das crianças brasileiras a uma educação infantil de qualidade, trago para discussão, no presente artigo, estas últimas questões delineadas. Procuro, assim, mapear contribuições e fazer indicações de possibilidades, visto que a
realidade complexa que envolve a educação infantil nas diferentes regiões do país exige alternativas diversificadas.

Biografia do Autor

Luciana Esmeralda Ostetto, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis

Professora do CED/ UFSC. Doutorado em Educação pela Unicamp (2006), mestrado em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (1992) e graduação em Pedagogia pela UFSC (1985).

Mais informações: Currículo Lattes - CNPq.

Downloads

Publicado

1997-01-01