Espaço, arte e expressão na formação docente: iluminuras do sensível

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-795X.2021.e70456

Palavras-chave:

Formação estética docente, Arte, Biblioterapia

Resumo

Resultado de pesquisa que teve por objetivo analisar contribuições de espaços-tempos poéticos, simbólicos e expressivos na formação de professores da Educação Infantil, este artigo apresenta e discute a proposta denominada “Estúdio do sensível”. Criado no âmbito da pesquisa e estruturado em dez encontros sustentados pelos recursos expressivos que dialogam com a arte e outros dispositivos culturais – arteterapia, biblioterapia, dança circular e escrita criativa –, o “Estúdio do sensível” foi desenvolvido com um grupo de oito professoras de Educação Infantil da rede pública. Os pressupostos teórico-metodológicos da psicologia analítica e arquetípica e das abordagens autobiográficas fundamentaram a condução da proposta e a pesquisa como um todo. Notas de campo (caderno de ressonâncias), fotografias do processo e material narrativo-expressivo criado pelas participantes constituíram o conjunto de dados. Das narrativas textuais e imagéticas docentes, inúmeros símbolos emergiram. Por um lado, notou-se a recorrência dos símbolos “árvore” e “pássaros”, que, pelas suas significâncias no contexto, foram iluminados, nas análises, apresentando-se como conteúdos estruturantes do caminho da individuação, sinalizando percursos da formação estética docente. Por outro lado, o ninho construído por meio do formato do “Estúdio do Sensível”, como um espaço de criação, pluralidade de linguagens e conhecimento de si, revelou aspectos que podem inspirar propostas de formação de professores que integrem conhecimento sensível e cognoscível. A qualidade dos tempos e dos espaços, as possibilidades expressivas das materialidades e dos recursos disponibilizados mostraram-se como elementos geradores de poéticas singulares, decisivos para fecundar o reconhecimento e a ampliação do senso estético e anímico na educação.

Biografia do Autor

Cristiana Garcez dos Santos Seixas, Universidade Federal Fluminense

Mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense.
Psicóloga e Biblioterapeuta. 

Luciana Esmeralda Ostetto, Universidade Federal Fluminense

Professora do Programa de pós-graduação em Educação, Universidade Federal Fluminense.

 

Referências

ALBANO, A. A. O espaço do desenho: a educação do educador. 15. ed. São Paulo: Loyola, 2012.

BACHELARD, G. O ar e os sonhos. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BARTON, A. Danças circulares: dançando o caminho sagrado. São Paulo: TRIOM, 2012.

BRAQUE, G. Gênios da Pintura. Fascículo 28. São Paulo: Abril Cultural, 1967.

BRASIL. Resolução Nº 1, de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 92, p. 11-12, 16 maio 2006.

BRASIL. Resolução No 2, de 1 de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 124, p. 8-12, 2 jul. 2015.

CABRAL, A. Palavra na Berlinda. Rio de Janeiro: Ibis Libris, 2011.

CHEVALIER, J.; GHEERBRANT, A. Dicionário de símbolos: (mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números). Rio de Janeiro: José Olympio, 2012.

CORALINA, C. Melhores poemas/Cora Coralina. Seleção e apresentação Darcy França Denófrio. 2. ed. São Paulo: Global, 2004.

DAHLKE, R. Mandalas: formas que representam a harmonia do cosmos e a energia divina. São Paulo: Pensamento, 1984.

DELORY-MOMBERGER, C. Abordagens metodológicas na pesquisa biográfica. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 17, n. 51, p. 523-536, set./dez. 2012.

FOLQUE, M. A. A formação de educadores de infância: da exigência e complexidade da profissão ao projeto de formação na UniverCidade de Évora. Poiésis, Tubarão, v. 12, n. 21, p. 32-56, jan./jun. 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.19177/prppge.v12e21201832-56

GAMBINI, R. Sonhos na escola. In: SCOZ, B. (org.). (Por) Uma educação com alma: a objetividade e a subjetividade nos processos ensino/aprendizagem. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2001. p. 103-157.

GULLAR, F. Toda poesia. Rio de Janeiro: José Olympio, 2015.

HILLMAN, J. O pensamento do coração e a alma do mundo. Campinas: Verus, 2010a.

HILLMAN, J. Re-vendo a psicologia. Petrópolis: Vozes, 2010b.

HOLM, A. Fazer e Pensar Arte. São Paulo: MAM-SP, 2005.

JECUPÉ, K. W. Tupã Tenondé: A criação do Universo, da Terra e do Homem segundo a tradição Guarani. São Paulo: Petrópolis, 2001.

JOSSO, M. Experiências de vida e formação. São Paulo: Cortez, 2004.

JUNG, C. G. Estudos Alquímicos. Petrópolis: Vozes, 2002.

JUNG, C. G. Memórias, sonhos, reflexões. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1975.

LATINI, M. Fio de Prumo. Rio de Janeiro: 7Letras, 2006.

MATTOS, B. Mandalas: arte têxtil, meditativa e terapêutica. Apostila oferecida aos participantes de cursos de mandalas têxteis Bel Mattos – São Paulo, [200-?]. (Digitado).

NERUDA, P. Confesso que vivi – memórias. São Paulo: Círculo do Livro, 1992.

NÓVOA, A. Os professores e as histórias da sua vida. In: NÓVOA, A. (org.). Vidas de professores. 2. ed. Porto: Porto Editora, 2007. p. 11-30.

OSTETTO, L. E. Danças circulares na formação de professores: a inteireza do ser na roda. Florianópolis: Letras Contemporâneas, 2014.

OSTETTO, L. E. Sobre a organização curricular da Educação Infantil: conversas com professoras a partir das Diretrizes Curriculares Nacionais. Revista Zero-a-seis, Florianópolis, v. 19, n. 35, p. 46-68, jan./jun. 2017. DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2017v19n35p46

OSTETTO, L. E.; SILVA, G. D. de B. Formação docente, Educação Infantil e arte: entre faltas, necessidades e desejos. Revista Educação e Cultura Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 15, n. 41, p. 260-287, 2018. DOI: DOI10.5935/2238-1279.20180077PDF

OSTROWER, F. Criatividade e processos de criação. Petrópolis: Vozes, 1989.

OUAKNIN, M. Biblioterapia. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

PARMEGGIANI, R. A lição das árvores. São Paulo: Editora DSOP, 2013.

PETIT, M. A arte de ler ou como resistir à adversidade. São Paulo: Editora 34, 2009.

PHILIPPINI, A. Arteterapia: métodos, projetos e processos. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2013.

PHILIPPINI, A. Linguagens e materiais expressivos em arteterapia: uso, indicações e propriedades. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2009.

PROTETI, J. Árvore. São Paulo: Cortez, 2014.

SEIXAS, C. Vagar sem pressa no esconderijo da vida alada. 2018. 204 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2018.

SEIXAS, C. Vivências em biblioterapia: práticas do cuidado através da literatura. Niterói: Edição da autora, 2014.

SILVEIRA, N. Imagens do inconsciente. 2. ed. Rio de Janeiro: Alhambra, 1982.

SOUSANIS, N. Desaplanar. São Paulo: Veneta, 2017.

VECCHI, V. Arte e criatividade em Reggio Emilia: explorando o papel e a potencialidade do ateliê na educação da primeira infância. São Paulo: Phorte, 2017.

WOSIEN, B. Dança: um caminho para a totalidade. São Paulo: TRIOM, 2000.

Downloads

Publicado

2021-06-07

Edição

Seção

Artigos de Demanda Contínua