Currículo e “Novas Tecnologias” em tempos de globalização

Fernando Cesar Sossai, Geovana Mendonça Lunardi Mendes, José Augusto Pacheco

Resumo


Neste ensaio discutimos arranjos epistemológicos que supostamente inscrevem o campo dos estudos curriculares em uma agenda cosmopolita de reflexão. Além disso, analisamos como os estudos curriculares, sob a premissa do diálogo com o fenômeno da globalização, colocam-se a produzir metáforas, epítetos e jargões curriculares cada vez mais alegóricos. Nessa direção, refletimos também sobre o reenquadramento dos estudos curriculares enquanto lugar de práticas de significação, bem como acerca do caráter ambivalente que o processo de digressão sobre a globalização possibilita no próprio campo. No perscrutar desses sentidos, adotamos como lócus de reflexão os híbridos contextos curriculares do Brasil e de Portugal na expectativa de problematizar uma questão basilar: a equivalência semântica das propaladas “novas tecnologias educacionais” a veículos da globalização imaginariamente habilitadas à “atualização” do currículo escolar. Nesse fazer, adotamos como questões referenciais a relação entre currículo e globalização de modo a refletir sobre alguns dos argumentos que têm sido utilizados para interrogar o campo dos estudos curriculares frente aos ensejos de propagandeadas tecnologias capazes de promover o trânsito entre o local e o global.

 

 


Palavras-chave


Currículos; Globalização; Tecnologia da Informação

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-795X.2009v27n1p19



Direitos autorais 2009 Fernando Cesar Sossai, Geovana Mendonça Lunardi Mendes, José Augusto Pacheco

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Perspectiva, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN print 0102-5473, ISSN 2175-795X.

Recomendamos o uso do browser Firefox_Mozilla como navegador do portal .

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.