Estratégias para a permanência na educação básica e na educação superior

Paulo Fossatti, Hildegard Susana Jung

Resumo


O tema deste artigo se dedica ao debate sobre estratégias da permanência na Educação Básica e Educação Superior. O objetivo consiste em discorrer a respeito de estratégias de boas práticas para a permanência de estudantes. A Metodologia recupera análise de literatura e análise documental de órgãos governamentais brasileiros e pesquisas de rankings mundiais, incluindo dados quantitativos. Os resultados focam para as seguintes estratégias: Valorização do Saber da Experiência; Educação para a Produção de Sentido; Consolidação das Políticas do Ministério da Educação (MEC) na parceria Escola-Universidade; Definição de Política de formação inicial e continuada docente; Valorização da Profissão Docente; e Humanização das relações educacionais. A complexidade do tema exige amplo debate no envolvimento de todos os atores partícipes dos processos educativos. Somente com efetivas políticas públicas em educação poderemos garantir melhores índices, percentuais e maior valor agregado, tangível e intangível na esfera educacional.


Palavras-chave


Práticas educacionais. Satisfação do aluno. Atitudes positivas. Gestão Educacional.

Texto completo:

PDFA

Referências


AZEVEDO SILVA, Paulo César. Políticas de fidelização dos estudantes na educação superior: Um estudo do Unilasalle Canoas/RS. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação), Centro Universitário La Salle, Canoas. Disponível em: http://repositorio.unilasalle.edu.br/bitstream/11690/920/1/SILVA.pdf. Acessado em: 23 fev. 2019.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2016.

BENJAMIN, Walter. Experiência. In: Reflexões: a criança, o brinquedo, a educação, 5ª Ed, trad. Macus Vinícius Mazzari. São Paulo: Summus, 1984.

BRAGHINI, Katya Mitsuko Zuquim. A história dos estudantes “excedentes” nos anos 1960: a superlotação das universidades e um “torvelinho de situações improvisadas”.

Educar em Revista, v. 1, n. 51, p. 123-144, 2014.

BRASIL. Presidência da República. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, 1988. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3%A7ao.htm. Acesso em 04.04.2017.

BRASIL. Lei n. 10.172, de 9/1/2001. Estabelece o Plano Nacional de Educação. Diário Oficial da União, Brasília, DF,10 jan. 2001.

BRASIL. Ministério da Educação / Secretaria de Articulação com os sistemas de ensino. Planejando a próxima década: conhecendo as 20 metas do Plano Nacional de Educação. (MEC/SASE, 2014). Disponível em: www.pne.mec.gov.br. Acesso em 04.04.2017.

BRASIL. Portaria Normativa n. 39 de 12/12/2007. Institui o Programa Nacional de Assistência Estudantil – PNAES. Diário Oficial da União, Brasília, 13 dez. 2007

BRASIL. Presidência da República. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: 20 de dezembro de 1996. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/l9394.htm Acesso em 07.04.2017.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em 08.04.2017.

CARDOSO, Daniela dos Santos. Formação Humanista na Educação Superior: O caso do Unilasalle Canoas. Dissertação (Mestrado em Educação). 101f. Centro Universitário La Salle – Unilasalle. Canoas, 2016.

CARMO, Erinaldo Ferreira; CHAGAS, José Aercio Silva; FIGUEIREDO FILHO, Dalson Britto; ROCHA, Enivaldo Carvalho. Políticas públicas de democratização do acesso ao ensino superior e estrutura básica de formação no ensino médio regular. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 95, n. 240, 2014.

CARVALHO, Cristina Helena Almeida de. O PROUNI no governo Lula e o jogo político em torno do acesso ao ensino superior. Educação & Sociedade, 2006.

CRESWELL, John W. Qualitative enquiry and research design: Choosing among five approaches. US: Sage publications Ltd, 2007.

DAL-FARRA, Rossano André; LOPES, Paulo Tadeu Campos. Métodos mistos de pesquisa em educação: pressupostos teóricos. Nuances: estudos sobre Educação, v. 24, n. 3, p. 67-80, 2014.

DELORS, Jacques. Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre a Educação para o século XXI. 10ª edição. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: MEC: UNESCO, 2006.

ESPEJO, Juan Cornejo. Tarefas pendentes em matéria de inclusão educativa: percepção dos acadêmicos da Universidade Católica do Maule – Chile. Revista Educação em Questão, Natal, v. 54, n. 41, p. 33-60, maio/ago 2016. Disponível em: http://www.revistaeduquestao.educ.ufrn.br/pdfs/v54n41.pdf. Acesso em 04.04.2017.

FOSSATTI, Paulo. A contribuição de Frankl para a formação de professores. In:RANGEL, Mary; CASAGRANDE, Cledes Antonio; RAMIREZ, Vera Lúcia. (Org.). Fundamentos da formação docente em temas de pesquisa. 1ed. Niterói: Intertexto, 2014, v.1 p.11-28

FOSSATTI, Paulo; CASAGRANDE, Cledes Antonio. Formação integral e integradora. In: FOSSATTI, Paulo; HENGEMÜL E. Edgard; CASAGRANDE, Cledes Antonio. (Org.). Ensinar a bem viver. Canoas: UnilaSalle, 2011. p. 67-84.

FOSSATTI, Paulo. Perfil docente e produção de sentido. Editora Unilasalle, 2013.

FOSSATTI, Paulo; GUTHS, Henrique; SARMENTO Dirleia Fanfa. Perspectivas para o Bem-estar na Docência: Trajetória de Vida e Produção de Sentido. Revista Mal-estar e subjetividade. Fortaleza - Vol. XIII - Nº 1-2 - P. 271 - 298 - Mar/Jun 2013.

FRANKL; Viktor E. Psicoterapia e Sentido da Vida: fundamentos da Logoterapia e análise existencial. 4ª ed.São Paulo, Quadrante, 2003.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro,Paz & Terra, 59ªed., 2015.

GIL, Antonio. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2008.

GOMES, Kelly Amorin. Indicadores de permanência na Educação Superior: o caso da Disciplina Cálculo Diferencial e Integral I. Dissertação (Mestrado em Educação). 271f. Centro Universitário La Salle – Unilasalle. Canoas, 2015.

INEP. Censo Escolar 2016. Notas estatísticas. Brasília: Ministério da Educação, fevereiro de 2017. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/censo_escolar/apresentacao/2017/apresentacao_censo_escolar_da_educacao_basica_%202016.pdf. Acesso em 28.03.2017.

INEP. Diretoria de Avaliação da Educação Básica (DAEB). Relatório Pedagógico, setembro de 2015. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/documents/186968/484421/Relat%C3%B3rio+Pedag%C3%B3gico+Enem+2011-2012/b29257e3-2a6c-44a3-992a-02130c379ba9?version=1.1. Acesso em 09.04.2017.

INEP. Resumo Técnico. Censo da Educação Superior 2014. Diretoria de Estatísticas Educacionais (DEE). Disponível em: http://download.inep.gov.br/download/superior/censo/2014/resumo_tecnico_censo_educacao_superior_2014.pdf. Acesso em 04.04.2017.

JUNG, Hildegard Susana; SUDBRACK, Edite Maria; CANAN, Silvia Regina. Universidade e escola trabalhando juntas na formação de uma nova geração docente: a de professores-pesquisadores. Tendencias Pedagógicas, n. 28, 2016.

JUNG, Hildegard; SUDBRACK, Edite Maria. Educação e formação continuada: uma análise do Pacto Nacional do Ensino Médio - Pacto, percalços, possibilidades. Curitiba: Editora CRV, 2016.

KOSIK, Karel. Dialética do concreto. Trad. C. Neves e A. Toribio. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1976.

LARROSA, Jorge. Linguagem e educação depois de Babel. Autêntica Editora, 2004.

LOUZANO, Paula. ROCHA, Vaqléria. MORICONI, Gabriela Miranda. OLIVEIRA, Romualdo Portela de. Quem quer ser professor? Atratividade, seleção e formação do docente no Brasil. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 21, n. 47, p. 543-568, set/dez. 2010.

MEC. ENEM 2011-2012. Brasília, DF: Ministério da Educação, Setembro de 2015.

MEC. Últimas notícias. 2015. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/educacao/2015/12/numero-de-estudantes-universitarios-cresce-25-em-10-anos. Acesso em 28.03.2017.

NEVES, Clarissa Eckert Baeta; RAIZER, Leandro; FACHINETTO, Rochele Fellini. Acesso, expansão e equidade na educação superior: novos desafios para a política educacional brasileira. Sociologias, v. 9, n. 17, p. 124-157, 2007.

NÓVOA, António. Professores, Imagens do futuro presente. Lisboa: Educa, 2009.

OCDE. PISA. Country-Specific Overviews: Brazil. 2016. Disponível em: http://www.oecd.org/pisa/PISA-2015-Brazil-PRT.pdf. Acesso em 28.03.2017.

PEREIRA, Fernanda Cristina Barbosa. Determinantes da evasão de alunos e os custos ocultos para as instituições de ensino superior: uma aplicação na Universidade do Extremo Sul Catarinense. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção). 173f. Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2003.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Emílio ou da educação. 2 ed. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1973.

SINPRO. Sindicato dos Professores do Ensino Privado do Rio Grande do Sul. Disponível em: http://www.sinpro-rs.org.br/. Acesso em 09.04.2017.

STRAUSS, Anselm L.; CORBIN, Juliet. Pesquisa qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. Artmed, 2008.

UNILASALLE. Políticas e Programas de Pesquisa Unilasalle. Res. CONSUN 672/15 de 26 de junho de 2015. Canoas, RS: Unilasalle, 2015.

VELOSO, Tereza Christina Mertens Aguiar; MACIEL, Carina Elisabeth. Acesso e permanência na educação superior – análise da legislação e indicadores educacionais. Revista Educação em Questão, Natal, v. 51, n. 37, p. 224-250, jan./abr. 2015.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-795X.2019.e51925



Direitos autorais 2019 Paulo Fossatti, Hildegard Susana Jung

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Perspectiva, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN print 0102-5473, ISSN 2175-795X.

Recomendamos o uso do browser Firefox_Mozilla como navegador do portal .

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.