Estratégias para a permanência na educação básica e na educação superior

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-795X.2019.e51925

Palavras-chave:

Práticas educacionais. Satisfação do aluno. Atitudes positivas. Gestão Educacional.

Resumo

O tema deste artigo se dedica ao debate sobre estratégias da permanência na Educação Básica e Educação Superior. O objetivo consiste em discorrer a respeito de estratégias de boas práticas para a permanência de estudantes. A Metodologia recupera análise de literatura e análise documental de órgãos governamentais brasileiros e pesquisas de rankings mundiais, incluindo dados quantitativos. Os resultados focam para as seguintes estratégias: Valorização do Saber da Experiência; Educação para a Produção de Sentido; Consolidação das Políticas do Ministério da Educação (MEC) na parceria Escola-Universidade; Definição de Política de formação inicial e continuada docente; Valorização da Profissão Docente; e Humanização das relações educacionais. A complexidade do tema exige amplo debate no envolvimento de todos os atores partícipes dos processos educativos. Somente com efetivas políticas públicas em educação poderemos garantir melhores índices, percentuais e maior valor agregado, tangível e intangível na esfera educacional.

Biografia do Autor

Paulo Fossatti, Universidade La Salle, Unilasalle, Campus Canoas

Doutor em Educação (aprovado com louvor) pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – PUCRS (2009) e Pós-Doutorado em Ciências da Educação e pesquisador associado da Universidade do Algarve (2011). Possui graduação em Filosofia (1993) e em Psicologia (1997) pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Especialista em Administração Escolar pela Unilasalle Canoas/RS (1999) e mestrado em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2002). Consultor Ad Hoc do CNPq. Coordenador do Projeto de pesquisa: Gestão Universitária – da teoria aos modos de efetivação em diferentes contextos do Consórcio das Universidades Comunitárias Gaúcha. Reitor da Universidade La Salle Canoas/RS e docente no PPGEdu desta instituição.

Hildegard Susana Jung, Universidade La Salle, Unilasalle, Campus Canoas

Doutoranda em Educação na Universidade La Salle - Campus Canoas, bolsista Prosup/Capes. Mestrado em Educação pela URI - Frederico Westphalen (2015), Pós-Graduação em Psicopedagogia (2009), e Graduação em Normal Superior (2007). Linha de pesquisa: Gestão Educacional e Políticas Públicas da Educação. Principais temas: autonomia, gestão e participação democrática, currículo, avaliação e planejamento. Integrante do Grupo de Pesquisa Gestão Educacional nos diferentes contextos - Unilasalle, e do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Políticas e Processos de Educação Superior (NEPPES), URI. Revisora da RIESup e tradutora da RIFP. Com Edite Sudbrack, é autora do livro Educação e Formação Continuada: Uma análise do Pacto Nacional do Ensino Médio - Percalços, Desafios e Possibilidades (2016).

Referências

AZEVEDO SILVA, Paulo César. Políticas de fidelização dos estudantes na educação superior: Um estudo do Unilasalle Canoas/RS. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação), Centro Universitário La Salle, Canoas. Disponível em: http://repositorio.unilasalle.edu.br/bitstream/11690/920/1/SILVA.pdf. Acessado em: 23 fev. 2019.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2016.

BENJAMIN, Walter. Experiência. In: Reflexões: a criança, o brinquedo, a educação, 5ª Ed, trad. Macus Vinícius Mazzari. São Paulo: Summus, 1984.

BRAGHINI, Katya Mitsuko Zuquim. A história dos estudantes “excedentes” nos anos 1960: a superlotação das universidades e um “torvelinho de situações improvisadas”.

Educar em Revista, v. 1, n. 51, p. 123-144, 2014.

BRASIL. Presidência da República. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, 1988. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3%A7ao.htm. Acesso em 04.04.2017.

BRASIL. Lei n. 10.172, de 9/1/2001. Estabelece o Plano Nacional de Educação. Diário Oficial da União, Brasília, DF,10 jan. 2001.

BRASIL. Ministério da Educação / Secretaria de Articulação com os sistemas de ensino. Planejando a próxima década: conhecendo as 20 metas do Plano Nacional de Educação. (MEC/SASE, 2014). Disponível em: www.pne.mec.gov.br. Acesso em 04.04.2017.

BRASIL. Portaria Normativa n. 39 de 12/12/2007. Institui o Programa Nacional de Assistência Estudantil – PNAES. Diário Oficial da União, Brasília, 13 dez. 2007

BRASIL. Presidência da República. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: 20 de dezembro de 1996. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/l9394.htm Acesso em 07.04.2017.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em 08.04.2017.

CARDOSO, Daniela dos Santos. Formação Humanista na Educação Superior: O caso do Unilasalle Canoas. Dissertação (Mestrado em Educação). 101f. Centro Universitário La Salle – Unilasalle. Canoas, 2016.

CARMO, Erinaldo Ferreira; CHAGAS, José Aercio Silva; FIGUEIREDO FILHO, Dalson Britto; ROCHA, Enivaldo Carvalho. Políticas públicas de democratização do acesso ao ensino superior e estrutura básica de formação no ensino médio regular. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 95, n. 240, 2014.

CARVALHO, Cristina Helena Almeida de. O PROUNI no governo Lula e o jogo político em torno do acesso ao ensino superior. Educação & Sociedade, 2006.

CRESWELL, John W. Qualitative enquiry and research design: Choosing among five approaches. US: Sage publications Ltd, 2007.

DAL-FARRA, Rossano André; LOPES, Paulo Tadeu Campos. Métodos mistos de pesquisa em educação: pressupostos teóricos. Nuances: estudos sobre Educação, v. 24, n. 3, p. 67-80, 2014.

DELORS, Jacques. Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre a Educação para o século XXI. 10ª edição. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: MEC: UNESCO, 2006.

ESPEJO, Juan Cornejo. Tarefas pendentes em matéria de inclusão educativa: percepção dos acadêmicos da Universidade Católica do Maule – Chile. Revista Educação em Questão, Natal, v. 54, n. 41, p. 33-60, maio/ago 2016. Disponível em: http://www.revistaeduquestao.educ.ufrn.br/pdfs/v54n41.pdf. Acesso em 04.04.2017.

FOSSATTI, Paulo. A contribuição de Frankl para a formação de professores. In:RANGEL, Mary; CASAGRANDE, Cledes Antonio; RAMIREZ, Vera Lúcia. (Org.). Fundamentos da formação docente em temas de pesquisa. 1ed. Niterói: Intertexto, 2014, v.1 p.11-28

FOSSATTI, Paulo; CASAGRANDE, Cledes Antonio. Formação integral e integradora. In: FOSSATTI, Paulo; HENGEMÜL E. Edgard; CASAGRANDE, Cledes Antonio. (Org.). Ensinar a bem viver. Canoas: UnilaSalle, 2011. p. 67-84.

FOSSATTI, Paulo. Perfil docente e produção de sentido. Editora Unilasalle, 2013.

FOSSATTI, Paulo; GUTHS, Henrique; SARMENTO Dirleia Fanfa. Perspectivas para o Bem-estar na Docência: Trajetória de Vida e Produção de Sentido. Revista Mal-estar e subjetividade. Fortaleza - Vol. XIII - Nº 1-2 - P. 271 - 298 - Mar/Jun 2013.

FRANKL; Viktor E. Psicoterapia e Sentido da Vida: fundamentos da Logoterapia e análise existencial. 4ª ed.São Paulo, Quadrante, 2003.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro,Paz & Terra, 59ªed., 2015.

GIL, Antonio. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2008.

GOMES, Kelly Amorin. Indicadores de permanência na Educação Superior: o caso da Disciplina Cálculo Diferencial e Integral I. Dissertação (Mestrado em Educação). 271f. Centro Universitário La Salle – Unilasalle. Canoas, 2015.

INEP. Censo Escolar 2016. Notas estatísticas. Brasília: Ministério da Educação, fevereiro de 2017. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/censo_escolar/apresentacao/2017/apresentacao_censo_escolar_da_educacao_basica_%202016.pdf. Acesso em 28.03.2017.

INEP. Diretoria de Avaliação da Educação Básica (DAEB). Relatório Pedagógico, setembro de 2015. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/documents/186968/484421/Relat%C3%B3rio+Pedag%C3%B3gico+Enem+2011-2012/b29257e3-2a6c-44a3-992a-02130c379ba9?version=1.1. Acesso em 09.04.2017.

INEP. Resumo Técnico. Censo da Educação Superior 2014. Diretoria de Estatísticas Educacionais (DEE). Disponível em: http://download.inep.gov.br/download/superior/censo/2014/resumo_tecnico_censo_educacao_superior_2014.pdf. Acesso em 04.04.2017.

JUNG, Hildegard Susana; SUDBRACK, Edite Maria; CANAN, Silvia Regina. Universidade e escola trabalhando juntas na formação de uma nova geração docente: a de professores-pesquisadores. Tendencias Pedagógicas, n. 28, 2016.

JUNG, Hildegard; SUDBRACK, Edite Maria. Educação e formação continuada: uma análise do Pacto Nacional do Ensino Médio - Pacto, percalços, possibilidades. Curitiba: Editora CRV, 2016.

KOSIK, Karel. Dialética do concreto. Trad. C. Neves e A. Toribio. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1976.

LARROSA, Jorge. Linguagem e educação depois de Babel. Autêntica Editora, 2004.

LOUZANO, Paula. ROCHA, Vaqléria. MORICONI, Gabriela Miranda. OLIVEIRA, Romualdo Portela de. Quem quer ser professor? Atratividade, seleção e formação do docente no Brasil. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 21, n. 47, p. 543-568, set/dez. 2010.

MEC. ENEM 2011-2012. Brasília, DF: Ministério da Educação, Setembro de 2015.

MEC. Últimas notícias. 2015. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/educacao/2015/12/numero-de-estudantes-universitarios-cresce-25-em-10-anos. Acesso em 28.03.2017.

NEVES, Clarissa Eckert Baeta; RAIZER, Leandro; FACHINETTO, Rochele Fellini. Acesso, expansão e equidade na educação superior: novos desafios para a política educacional brasileira. Sociologias, v. 9, n. 17, p. 124-157, 2007.

NÓVOA, António. Professores, Imagens do futuro presente. Lisboa: Educa, 2009.

OCDE. PISA. Country-Specific Overviews: Brazil. 2016. Disponível em: http://www.oecd.org/pisa/PISA-2015-Brazil-PRT.pdf. Acesso em 28.03.2017.

PEREIRA, Fernanda Cristina Barbosa. Determinantes da evasão de alunos e os custos ocultos para as instituições de ensino superior: uma aplicação na Universidade do Extremo Sul Catarinense. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção). 173f. Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2003.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Emílio ou da educação. 2 ed. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1973.

SINPRO. Sindicato dos Professores do Ensino Privado do Rio Grande do Sul. Disponível em: http://www.sinpro-rs.org.br/. Acesso em 09.04.2017.

STRAUSS, Anselm L.; CORBIN, Juliet. Pesquisa qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. Artmed, 2008.

UNILASALLE. Políticas e Programas de Pesquisa Unilasalle. Res. CONSUN 672/15 de 26 de junho de 2015. Canoas, RS: Unilasalle, 2015.

VELOSO, Tereza Christina Mertens Aguiar; MACIEL, Carina Elisabeth. Acesso e permanência na educação superior – análise da legislação e indicadores educacionais. Revista Educação em Questão, Natal, v. 51, n. 37, p. 224-250, jan./abr. 2015.

Downloads

Publicado

2019-06-28