Um retrato da Educação Infantil no/do Campo no Rio Grande do Sul

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-795X.2019.e54170

Resumo

A Educação Infantil e as infâncias do campo têm registrado em diferentes marcos regulatórios de nosso país direitos essenciais no que se refere ao atendimento das crianças em instituições educativas. No entanto, mesmo com a luta dos movimentos sociais do campo e da Educação Infantil, dados apontam a discrepância entre o número de crianças matriculadas na etapa no contexto rural e urbano brasileiro (ROSEMBERG; ARTES, 2011). No Rio Grande do Sul, a demanda por creche e pré-escola, bem como as condições de oferta, foram questões estudadas pela pesquisa Caracterização do atendimento de crianças de 0 a 6 anos residentes em áreas rurais do Estado do Rio Grande do Sul/Brasil (2013-2016), a partir da imersão em dois contextos: um assentamento da Reforma Agrária e uma comunidade remanescente de quilombo. Neste artigo, apresentamos algumas proposições legais e norteadoras da Educação Infantil do Campo. Questionamos a relevância das pesquisas para mudanças reais às crianças do campo brasileiras e indicamos que a escola no campo é fundamental para a socialização das crianças, sendo necessário, no entanto, um trabalho pedagógico articulado com as especificidades culturais do contexto em que está inserida.

Biografia do Autor

Crisliane Boito, UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professora na Unidade Acadêmica de Educação Infantil da Universidade Federal de Campina Grande. Pesquisadora colaboradora do CLIQUE - Grupo de Pesquisa em Linguagens, Currículo e Cotidiano de bebês e crianças pequenas/UFRGS, do GEIN - Grupo de Estudos de Educação Infantil/UFRGS e do NUPEIN - Núcleo de Estudo e Pesquisa em Educação da Infância/FURG.

Simone Santos de Albuquerque, UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professora Associada da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Pesquisadora e vice-líder do Grupo de estudos em Educação Infantil e Infâncias(GEIN/UFRGS) na linha de pesquisa Políticas e Pedagogias da Educação Infantil. Pesquisadora do Núcleo de Estudo em Educação das Infâncias (NEPE/FURG).

Referências

ALBUQUERQUE, Simone Santos de; FELIPE, Jane; CORSO, Luciana Vellinho. Apresentação. In: ALBUQUERQUE, Simone Santos de; FELIPE, Jane; CORSO, Luciana Vellinho (org.). Para pensar a Educação Infantil em tempos de retrocessos: lutamos pela Educação Infantil. Porto Alegre: Evangraf, 2017. p. 8-11.

ARENDT, Hannah. A crise na educação: entre o passado e o futuro. 7. ed. São Paulo: Perspectiva, 2011. v. 1.

BARBOSA, Maria Carmen Silveira et al. (org.). Oferta e demanda de Educação Infantil no Campo. Porto Alegre: Evangraf, 2012. v. 1.

BOITO, Crisliane. Práticas pedagógicas para infâncias no/do campo: experiências de uma escola em interlocução com crianças e famílias. 2017. 183 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Prefácio: Perguntas, pesquisas. Para quem? Para quê? In: OLIVEIRA, Maria Waldenez de; SOUSA, Fabiana Rodrigues de (org.). Processos educativos em práticas sociais: pesquisas em educação. 1 ed. São Carlos: Edufscar, 2014. p. 7-10.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Coordenação Geral de Educação Infantil. Critérios para um atendimento em creches que respeite os direitos fundamentais das crianças. Brasília, 1995.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução nº 1, de 3 de abril de 2002. Institui Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo. Diário Oficial da União: Brasília, DF, Seção 1, p. 32, 9 abr. 2002. Disponível em: https://bit.ly/2DdgUoZ. Acessado em: 5 out. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Política Nacional de Educação Infantil: pelo direito das crianças de zero a seis anos à Educação. [S. l.: s. n.], 2006.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução nº 2, de 28 de abril de 2008. Estabelece diretrizes complementares, normas e princípios para o desenvolvimento de políticas públicas de atendimento da Educação Básica do Campo. Diário Oficial da União: Brasília, DF, Seção 1, p. 81, 29 abr. 2008. Disponível em: https://bit.ly/2D9BQgr. Acesso em: 11 nov. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução n° 5, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Diário Oficial da União: Brasília, DF, Seção 1, p. 18, 18 set. 2009a. Disponível em: https://bit.ly/33k6n69 . Acesso em: 5 jul. 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Indicadores da Qualidade na Educação Infantil. Brasília, MEC/SEB/Coedi, 2009b.

BRASIL. Censo Escolar 2010. Brasília: MEC/Inep, 2010. Disponível em: https://bit.ly/2OGr7zs. Acesso em: 26 set. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade e Inclusão (SECADI). Educação do Campo: marcos normativos. Brasília: Secadi, 2012. Disponível em: https://bit.ly/2RBjv4y. Acesso em: 20 set. 2018.

BRASIL. Lei nº 12.796, de 4 de abril de 2013. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Diário Oficial da União: Brasília, DF, Seção 1, p. 1, 5 abr. 2013a. disponível em: https://bit.ly/3461ZYK. Acesso em: 20 set. 2018.

BRASIL. O Pronacampo. Pronacampo, [S. l.], 2013b. Disponível em: https://bit.ly/2pJLSSn. Acesso em: 25 set. 2017.

BRASIL. Grupo de Trabalho Interinstitucional. Educação Infantil do campo: proposta para a expansão de política. Brasília: MEC, mar. 2014. Disponível em: https://bit.ly/2XGhbKt. Acesso em: 25 set. 2017.

BRASIL. Sistema Integrado de Monitoramento e controle – SIMEC. Banco de dados. Consulta em agosto de 2017. Disponível em: https://bit.ly/2qEGiBi. Acesso em: 20 ago. 2017.

BRASIL. Parâmetros Nacionais de Qualidade da Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB/Coedi, 2018. Disponível: https://bit.ly/2qEF0Gs. Acesso em: 14 ago. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Coordenação Geral de Educação Infantil; UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Faculdade de Educação. Pesquisa Nacional Caracterização das práticas educativas com crianças de 0 a 6 anos de idade residentes em área rural – 2012. Relatório Ação 2: Análise dos dados quantitativos das condições educacionais de crianças de 0 a 6 anos de idade residentes em área rural. v. 1. [S. l.]: MEC, 2012a. Disponível em: https://bit.ly/2OGrVV0. Acesso em: 12 ago. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Coordenação Geral de Educação Infantil; UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Faculdade de Educação. Pesquisa Nacional Caracterização das práticas educativas com crianças de 0 a 6 anos de idade residentes em área rural - 2012. Produção acadêmica nacional sobre a Educação das crianças residentes em área rural (1996-2011). [S. l.]: MEC, 2012b. Disponível em: https://bit.ly/37yX1Xe. Acesso em: 22 ago. 2019.

CALDART, Roseli Salete. Sobre Educação do campo. In: SANTOS, Clarice Aparecida dos (org.). Educação do Campo: Campo - políticas públicas - educação. Brasília: Nead especial, 2008. p. 67-86.

CALDART, Roseli Salete et al. (org.) Dicionário da Educação do Campo. São Paulo: Expressão Popular, 2012.

FLORES, Maria Luiza Rodrigues; ALBUQUERQUE, Simone Santos de. Direito à Educação Infantil no contexto da obrigatoriedade da matrícula escolar na pré-escola. Textura, Canoas, v. 18, n. 36, p. 87-110, jan./abr. 2016. Disponível em: https://bit.ly/33dKbKE. Acesso em: 20 set. 2018.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Esperança: um reencontro com a Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Estatística de gênero: uma análise do Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: https://bit.ly/2KNJWQd. Acesso em: 25 set. 2017.

MOSS, Peter. Para além do problema com qualidade. In: MACHADO, Maria Lúcia de A. (org.). Encontros e desencontros em educação infantil. São Paulo: Cortez, 2002. p. 17-25.

RIO GRANDE DO SUL. Tribunal de Contas do Estado. Radiografia da Educação Infantil no RS: análise do desempenho 2015. Porto Alegre, dez. 2016. Disponível em: https://bit.ly/2OCr5IZ. Acesso em: 25 set. 2017.

ROSEMBERG, Fúlvia. A criança pequena e o direito à creche no contexto dos debates sobre infância e relações raciais. In: BENTO, Maria Aparecida Silva (org.). Educação Infantil, igualdade racial e diversidade: aspectos políticos, jurídicos e conceituais. São Paulo: CEERT, 2011. p. 11-46.

ROSEMBERG, Fúlvia; ARTES, Amélia. O rural e o urbano na oferta de educação para crianças de até 6 anos. In: BARBOSA, Maria Carmen Silveira et al. (org.). Oferta e demanda de Educação Infantil no Campo. Porto Alegre: Evangraf, 2012. p. 15-69.

SILVA, Ana Paula Soares da e; PASUCH, Jaqueline. Orientações Curriculares para a Educação Infantil do Campo. [S. l.: s. n.], 2010. Disponível em: https://bit.ly/2OgG9gp. Acesso em: 6 set. 2017.

SILVA, Ana Paula Soares da e; PASUCH, Jaqueline; SILVA, Juliana Bezzon. Educação Infantil do Campo. São Paulo: Cortez, 2012.

SILVA, Isabel de Oliveira; SILVA, Ana Paula Soares; MARTINS, Aracy Alves (org.). Infâncias do campo. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Laboratório de Dados Educacionais. Disponível em: https://dadoseducacionais.c3sl.ufpr.br/#/. Acesso em: 12 out. 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SUL. Faculdade de Educação. Projeto de Assessoramento Técnico-Pedagógico na implementação do Proinfância a um grupo de Municípios do Estado do Rio Grande do Sul. Relatório Técnico Geral. Porto Alegre: MEC/SEB//UFRGS, jan. 2014. (Não publicado).

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SUL. Faculdade de Educação. Departamento de Estudos Especializados. Grupo de Estudos sobre Educação Infantil. Pró-Reitoria de Pesquisa. Caracterização do atendimento de crianças de 0 a 6 anos residentes em áreas rurais do Estado do Rio Grande do Sul/Brasil. Relatório de Pesquisa de Iniciação Científica. Porto Alegre: UFRGS, abr. 2015. Disponível em: https://bit.ly/2P48wyH. Acesso em: 20 ago. 2018.

Downloads

Publicado

2019-12-19

Como Citar

Boito, C., & Albuquerque, S. S. de. (2019). Um retrato da Educação Infantil no/do Campo no Rio Grande do Sul. Perspectiva, 37(4), 820-843. https://doi.org/10.5007/2175-795X.2019.e54170

Edição

Seção

Dossiê Retratos da Educação Infantil do Campo