Experiências de vida, saberes e práticas da tradição no Observatório Etnoformador em Timor-Leste

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-795X.2021.e66426

Resumo

Quando se pensa as histórias dos povos colonizados submetidos aos conhecimentos hierarquizados e a sua relação com a escola, podemos apontar várias consequências: a naturalização dos problemas encontrados como “não problemas”, a transnacionalização de currículos, a não problematização da realidade, a violência epistêmica, a subalternização dos povos, entre outros.  É preciso pronunciar o mundo para que este volte problematizado, diz Paulo Freire (2005). Este trabalho analisa conhecimentos produzidos por professores formadores da educação básica em dispositivo de formação-ação-investigação, no Observatório Etnoformador em Timor-Leste.  Pretendemos refletir até que ponto os saberes e práticas tradicionais podem contribuir para diferentes leituras e interpretações na perspectiva da educação timoriana. A análise mostra a natureza contextual do conhecimento, a importância e alcance das interpretações e compreensões dos sujeitos sociais e culturais.

Biografia do Autor

Rosiete Costa de Sousa, Universidade Federal da Bahia

Mestra em Educação Científica e Tecnológica pela Universidade Federal de Santa Catarina (PPGECT/UFSC). Possui graduação em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia e especialização em Metodologia e Didática do Ensino Superior pela mesma Universidade. Com experiência em gestão pública, em ensino básico e superior; participou da cooperação internacional em educação, com atuação em formação de professores, pela Capes, em Timor-Leste, no Programa de Qualificação de Docentes e Ensino de Língua Portuguesa (PQLP). Doutoranda em Educação (PPGE/UFBA).

 

Cáudio Orlando Costa do Nascimento, Universidade Federal do Recôncavo Baiano

Professor/Pesquisador do Centro de Estudos Interdisciplinares em Cultura, Linguagens e Tecnologias Aplicadas (CECULT) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Curso Bacharelado Interdisciplinar em Cultura, Linguagens e Tecnologias Aplicadas (BICULT); Docente Permanente do Mestrado Profissional em História da África, da Diáspora e dos Povos Indígenas (NEAB Recôncavo-CAHL).  Doutor em Educação (Faculdade de Educação-FACED-UFBA). Coordenador (2016-2018) e Membro do Grupo de Pesquisa em Formação, Currículo e Cultura FORCCULT (UFRB); Membro do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiro NEAB-Recôncavo (UFRB); e do Grupo de Pesquisa FORMACCE em Aberto (FACED-UFBA).

Suzani Cassiani, Universidade Federal de Santa Catarina

É professora titular do Departamento de Metodologia de Ensino da Universidade Federal de Santa Catarina e líder do Grupo de Estudos e Pesquisas Discursos da Ciência e da Tecnologia na Educação, do Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica (PPGECT).  É licenciada em Ciências Biológicas com Especialização, Mestrado, Doutorado em Educação pela UNICAMP (2000) e Pós Doutorado em Ciências Sociais (Estágio Sênior (2015) na Universidade de Coimbra-Portugal.

Referências

ALMEIDA, M. C. Complexidade, saberes científicos, saberes da tradição. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2010.

CASSIANI et all 2016. Alguns Estudos Sobre A Cooperação Educacional em Timor Leste: Foco Na Educação Em Ciências E Tecnologias. Revista da SBEnBIO, v. 9, p. 6385, 2016.

CASSIANI, S.; LINSINGEN, I.; GIRALDI, P. M.: Histórias de leituras: produzindo sentidos sobre Ciência e Tecnologia. Pro-Posições, Campinas, v. 22, n. 1 (64), p. 59-70, jan./abr. 2011.

COULON, A. Etnometodologia e Educação. Trad.: Ana Teixeira. São Paulo: Cortez, 2017.

COULON, A. Etnometodologia. Petrópolis-RJ: Editora Vozes, 1995.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 48ª reimpressão. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 17ª ed. 23ª reimpressão. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, P.; MACEDO. D. Alfabetização: leitura do mundo, leitura da palavra. São Paulo/Rio de janeiro: Editora Paz e Terra, 2011.

FREITAS, J. C. Breve informação sobre uma lulik. Texto de 7 páginas [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por jiovannifreitas.17@gmail.com em 20 jan. 2019.

GARFINKEL, H. Estudos de etnometodologia. Petrópolis, RJ: Vozes, 2018.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2017.

GIROUX. H. A. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Trad.: Daniel Bueno. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

JOSSO, M-C. As narrações do corpo nos relatos de vida e suas articulações com os vários níveis de profundidade do cuidado de si. In: VICENTINI, P. P.; ABRAHÃO, M. H. M. B. (orgs). Sentidos, potencialidades e usos da (auto)biografia. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010 pp. 171-192.

LE GOFF, J. Memória. In: História e memória. Trad.: Bernardo Leitão. 5ª ed. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2003, pp. 419-476.

LINSINGEN, I; CASSIANI, S. Educação CTS em perspectiva discursiva: contribuições dos estudos sociais da Ciência e da Tecnologia. Disponível em: http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/viiienpec/resumos/R1100-2.pdf.

MACEDO, R. S. Etnopesquisa crítica, etnopesquisa-formação. Brasília: Liber Livro Editora, 2006.

MACEDO, R. S. Compreender/mediar a formação: o fundante da educação. Brasília: Liber Livro Editora, 2010.

MACEDO, R. S. Atos de currículo e autonomia pedagógica: o socioconstrucionismo curricular em perspectiva. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

MACEDO, R. S. Atos de currículo formação em ato: para compreender, entretecer e problematizar currículo e formação. Ilheus, Bahia: EDITUS, Editora da UESC, 2011.

MACEDO, R. S. A teoria etnoconstitutiva de currículo: teoria-ação e sistema curricular formacional. Curitiba: CRV, 2016.

NASCIMENTO, C. O. Observatórios Etnoformadores: outros olhares em/na formação continuada de professores. Salvador, BA: UFBA, 2007.

ORLANDI. E. P. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. 12ª ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2015.

PEREIRA, P. B.; CASSIANI, S. Globalização, colonialidade e formação de professores de ciências na natureza em contextos internacionais: condições de produção do PQLP em Timor-Leste. X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (X ENPEC). Águas de Lindóia, SP, 24 a 27 de novembro de 2015.

SANTOS, B. S.; MENESES, M. P. (orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SANTOS, B. S. Por que as epistemologias do Sul? Aula Magistral, Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. 14 de março de 2014.

Downloads

Publicado

2021-07-12

Como Citar

Sousa, R. C. de, Nascimento, C. O. C. do, & Cassiani, S. (2021). Experiências de vida, saberes e práticas da tradição no Observatório Etnoformador em Timor-Leste. erspectiva, 39(2), 1–18. https://doi.org/10.5007/2175-795X.2021.e66426

Edição

Seção

Dossiê Linguagem, literatura e decolonialidade: caminhos para pensar a educação em ciências