Práticas pedagógicas inclusivas e o ensino de conceitos matemáticos na educação de jovens e adultos (EJA)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-795X.2021.e71201

Resumo

Observa-se significativa mudança no perfil dos alunos atendidos pela modalidade da Educação de Jovens e Adultos (EJA), os quais não se restringem mais a pessoas que não tiveram acesso à escolarização em época apropriada, mas também aos que, mesmo escolarizados, não tiveram aprendizagens significativas para o desenvolvimento e participação plena nos contextos sociais. Assim frente a diversidade que compõem a EJA, podemos destacar que esta modalidade de ensino se insere no cenário educacional brasileiro com questões específicas. Questões estas, que se relacionam tanto com a constituição da identidade – geração, raça, deficiência e classe social, como com as práticas pedagógicas. Assim, considerando a necessidade de práticas pedagógicas que abarquem a compreensão das relações e das condições sociais dos jovens e adultos, no presente artigo traz-se para debate a construção de práticas pedagógicas inclusivas sobre os conceitos matemáticos na modalidade de ensino. De abordagem qualitativa, a pesquisa teve como  sujeitos professor da turma de Nivelamento e professor de Atendimento Educacional Especializado (AEE) e dois jovens com deficiência intelectual matriculados na respectiva turma em Centro de Educação de Jovens e Adultos (CEJA), localizado em município do Estado de Santa Catarina. Constatou-se que as práticas utilizadas pelas professoras podem efetivamente auxiliar na aquisição de conceitos matemáticos. Assim, espera-se que este estudo desperte reflexões entre os pesquisadores dos campos da Educação Matemática e da Educação Especial e destaque, desse modo, a necessidade de trabalhos colaborativos com o ensino de saberes matemáticos para os sujeitos que compõem a modalidade de ensino.

Biografia do Autor

Valéria Becher Trentin, Fundação Catarinense de Educação Especial -FCEE

Pedagoga, Mestre em Educação pela FURB e Doutora em Educação pela UNIVALI.

Referências

ARROYO, Miguel. Educação de jovens e adultos: um campo de direitos e de responsabilidade pública. In: GIOVANETTI, Leôncio; GIOVANETTI, Maria Amélia; GOMES, Nilma Lino (org.). Diálogos na educação de jovens e adultos. Belo Horizonte: Autêntica, 2006. p. 19- 50.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Diário Oficial da União: Brasília, DF, n. 248, Seção 1, p. 27833-27841, 23 dez. 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: MEC, 2018. (Terceira Versão). Disponível em: https://bit.ly/3rBtvK8. Acesso em: 9 abr. 2020.

BRITO, Jessica de; CAMPOS, Juliane Aparecida de Paula Perez; ROMANATTO, Mauro Carlos. Ensino da Matemática a Alunos com Deficiência Intelectual na Educação de Jovens e Adultos. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v. 20, n. 4, p. 525-540, 2012. ISSN 1413-6538. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-65382014000400005.

CAVALCANTI, Lana. de Souza. Cotidiano, mediação pedagógica e formação de conceitos: uma contribuição de Vygotsky ao ensino de geografia. Caderno Cedes, Campinas, v. 25, n. 66, p. 185-207, ago. 2005. ISSN 1678-7110. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-32622005000200004.

DANTAS, Helena. Brincar e Trabalhar. In: KISHIMOTO, Tizuko Morchida (org.). O Brincar e suas teorias. São Paulo: Cengage Learning, 2013. Cap. 5, p. 111-122.

FERREIRA, Naura Syria Carapeto. Poderemos trabalhar juntos na sociedade mundializada? Desafios para os educadores. In: PORTO, Tania Maria Esperon. Redes em construção: meios de comunicação e práticas educativas. Araraquara, SP: JM, 2003.

FERREIRA, Bárbara Carvalho; MENDES, Enicéia Gonçalves; ALMEIDA, Maria Amélia; DEL PRETTE, Zilda Aparecida Pereira. Parceria colaborativa: descrição de uma experiência entre o ensino regular e especial. Revista do Centro de Educação, Santa Maria, n. 29, p. 1-7, 2007. Disponível em: https://bit.ly/2OescCk. Acesso: 2 jul. 2019.

FONTANA, Roseli Aparecida Cação. Mediação pedagógica na sala de aula. Campinas, SP: Autores Associados, 2005.

GÓES, Maria Cecília Rafael de. A abordagem microgenética da matriz histórico-cultural: uma perspectiva para o estudo da constituição da subjetividade. Cadernos Cedes, Campinas, v. 20, n. 50, p. 9-25, abr. 2000. ISSN 1678-7110. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-32622000000100002.

HOSTINS, Regina Célia Linhares; SILVA, Cristiane; ALVES, Adriana Gomes. Coletividade, colaboração e experiência: pressupostos para a inclusão escolar e a aprendizagem de alunos com deficiência intelectual. Revista Teias: Observatórios de Educação Especial e Inclusão Escolar, Rio de Janeiro, v. 17, n. 46, jul./set. 2016. ISSN: 1982-0305. DOI: https://doi.org/10.12957/teias.2016.25520.

LURIA, Alexander. Pensamento e linguagem: as últimas conferências de Luria. Tradução: Diana Myriam Lichtenstein. Porto Alegre: Artes Médicas, 1986.

MACHADO, Andréa Carla; ALMEIDA, Maria Amélia. Parceria no contexto escolar: uma experiência de ensino colaborativo para educação inclusiva. Rev. Psicopedagogia, São Paulo, v. 27, n. 84, p. 344-351, 2010. Disponível em: https://bit.ly/38mFm76. Acesso em: 20 set. 2020.

OLIVEIRA, Barbosa Inês. Reflexões acerca da organização curricular e das práticas pedagógicas na EJA. Educar em Revista, Curitiba, n. 29, p. 83-100, 2007. ISSN 1984-0411. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40602007000100007.

PLETSCH, Márcia Denise. Repensando a inclusão escolar: diretrizes políticas, práticas curriculares e deficiência intelectual. 2. ed. Rio de Janeiro: Nau, 2014.

SANTA CATARINA. Proposta Curricular de Santa Catarina. Formação integral na Educação Básica. Florianópolis: Secretaria de Estado da Educação, 2014.

SANTA CATARINA. Plano Estadual de Santa Catarina. Florianópolis: IOESC, 2015.

SCHASTAI, Burda Marta. Pró-letramento em matemática: problematizando a construção do conceito de frações – uma contribuição para a formação de professores. 2012. 204 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciência e Tecnologia) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Ponta Grossa, Paraná, 2012.

TRIBECK, Priscila Meier. Andrade. Construção do conhecimento em educação infantil: sequências didáticas e lúdicas para o ensino de ciências e matemática. 2010. 143 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciência e Tecnologia) – Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciência e Tecnologia, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Ponta Grossa. 2010.

VYGOTSKY, Lev Semyonovich. A formação social da mente. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

VYGOTSKY, Lev Semyonovich. Quarta aula: a questão do meio na pedologia. Tradução: Márcia Pileggi Vinha. Rev. Psicologia USP, São Paulo, v. 21, n. 4, 681-701, 2010. ISSN 0103-6564. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-65642010000400003.

VYGOTSKY, Lev Semyonovich. Imaginação e criatividade na infância. Tradução: João Pedro Fróis. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2014.

Downloads

Publicado

2021-08-10

Como Citar

Trentin, V. B. (2021). Práticas pedagógicas inclusivas e o ensino de conceitos matemáticos na educação de jovens e adultos (EJA). erspectiva, 39(2), 1–18. https://doi.org/10.5007/2175-795X.2021.e71201