Da sequela docente à querela epistemológica: o ensinar cansado de uma Geografia enferma

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-795X.2022.e84002

Palavras-chave:

Educação Geográfica, Professores, Adoecimento

Resumo

Assim como qualquer outra área da Ciência, a Epistemologia da Educação Geográfica está em constante renovação. Hora e outra surge alguma nova tendência educacional e a indicação de renovação das bases filosóficas que sustentam a Geografia Escolar. Nesse artigo, pensamos a Epistemologia da Educação Geográfica a partir do adoecimento dos professores de Geografia como impeditivo das realizações existenciais e, como consequência, dos sentidos que os professores atribuem a sua prática. Chegamos à essa consideração por meio da interpretação fenomenológica-hermenêutica de asserções de diferentes autores sobre a Educação Geográfica que, nas generalidades de seus sentidos, corroboram com as metas de formar cidadãos ativos, educar a partir de e para a realidade dos educandos e educar para a transformação. Entretanto, as descrições das condições e organizações do trabalho docente demonstraram que, na prática cotidiana da sala de aula os professores experienciam o adoecimento como impeditivo das realizações pessoais, e da própria Educação Geográfica.

Biografia do Autor

Antonio Bernardes, Universidade Federal Fluminense

Docente do Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas da Unicamp; Docente do Programa de Pós-graduação em Geografia da UFSCar; Docente do Departamento de Geografia e Políticas Públicas da Universidade Federal Fluminense (UFF), Angra dos Reis-RJ. Líder do Grupo de pesquisa “Geografia e contemporaneidade”. Pesquisador FAPERJ pelo “Programa jovem cientista do nosso Estado”, processo n°. E-26/201.311/2021 (260037). Com experiência na área de Geografia Humana, com ênfase em Epistemologia, Metodologia e Ontologia em Geografia. Há interesse nas áreas de Geografia Humanista, Geografia Cultural e em relações sociais virtuais. Orcid:0000-0002-4996-7031. E-mail: antoniobernardes@iduff.com.br

Felipe Costa Aguiar, Universidade Federal Fluminense

Mestrando em Geografia pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal Fluminense, Instituto de Ciências da Sociedade e Desenvolvimento Regional, Departamento de Geografia, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasil. Pesquisador dos grupos de pesquisa do CNPq – Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Espaço e Cultura em Rede (NEPEC em Rede); Grupo de Pesquisa em Geografia Humanista Cultural (GHUM) e; Geografia e Contemporaneidade (GEOCON). Orcid: 0000-0002-6563-4763. E-mail: <felipeaguiar@id.uff.br>.

Regina Célia Frigério, Universidade Federal Fluminense

Doutora em Geografia pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia pela Universidade Estadual de Campinas. Docente na Graduação e na Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal Fluminense, Instituto de Ciências da Sociedade e Desenvolvimento Regional, Departamento de Geografia, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasil. Pesquisadora do grupo de pesquisa do CNPq – Geografias Colaborativas (GeoCoLAB). Orcid: 0000-0003-2588-9582. E-mail: <reginafrigerio@id.uff.br>.

Referências

APPLE, M. W. Maetros y textos: una economia politica de las relaciones de clase y de sexo en educación. Barcelona: Paidós, 1989.

BICUDO, M. A. V. A pesquisa qualitativa fenomenológica: interrogação, descrição e modalidades de análise. In: BICUDO, M. A. V. (Org.). Pesquisa qualitativa segundo a visão fenomenológica. 1. ed. São Paulo: Editora Cortez, 2011c, p. 41-74.

BICUDO, M. A. V. A pesquisa qualitativa olhada para além dos seus procedimentos. In: BICUDO, M. A. V. (Org.). Pesquisa qualitativa segundo a visão fenomenológica. 1. ed. São Paulo: Editora Cortez, 2011a, p. 11-28.

BICUDO, M. A. V. Aspectos da pesquisa qualitativa efetuada em uma abordagem fenomenológica. In: BICUDO, M. A. V. (Org.). Pesquisa qualitativa segundo a visão fenomenológica. 1. ed. São Paulo: Editora Cortez, 2011b, p. 29-40.

BOSS, M. Angústia, culpa e libertação. São Paulo: Duas Cidades, 1975.

BOSS, M. O modo de ser esquizofrênico à luz de uma fenomenologia daseinsanalítica. Revista da Associação Brasileira de Daseinsanálise, São Paulo, 3, 5-27, 1977.

Cardinalli, I. A saúde e a doença mental segundo a fenomenologia existencial. Revista da Associação Brasileira de Daseinsanalyse, São Paulo, 15/16, 98-114, 2011.

CASTROGIOVANNI, A. C.; CAMRA, M. A; LUZ, R. R. S; ROSSATO, M. S. Ensino da Geografia - caminhos e encantos. 2. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2011. v. 1. 111p.

DEJOURS, C. A Loucura do Trabalho: Estudo de Psicopatologia do Trabalho. São Paulo: Cortez, 1987.

Delory-Momberger, C. (2016). A experiência da doença: um tocar do existir. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, vol. 25, núm. 46, pp. 25-31. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/faeeba/ article/download/2698/1827. (acesso em: 15-03-2017).

ESPÓSITO, V. H. C. A Escola: Um enfoque fenomenológico. São Paulo: Escuta, 1993. 120 p.

ESTEVE, J. M. O mal-estar docente: a sala de aula e a saúde dos professores. São Paulo: EDUSC. 1999.

ESTEVE, J. M. A terceira revolução educacional: a educação na sociedade do conhecimento. São Paulo: Moderna, 2004.

ESTEVE, J. M. O mal-estar docente. 3. ed. Barcelona: Paidós, 1994.

FEIJOO, A. M. L. C. ; Protásio, M. ; SILVA, J. N. . A psicopatologia em uma perspectiva daseinsanalítica. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental (Impresso) , v. 18, p. 92-103, 2015.

FERNANDES, M. A. Consciência, vivência e vida: um percurso fenomenológico. In: Revista de abordagem gestáltica. v. 16, n. 1, jan/jul, 2010, p. 29-41.

FREITAS, L. C. Os reformadores empresariais da educação e a disputa pelo controle do processo pedagógico na escola. Educação e Sociedade, Campinas, v. 35, n. 129, p. 1085-1114. out./dez., 2014.

GARCIA, M. M. A.; ANADON, S. B. Reforma educacional, intensificação e autointensificação do trabalho docente. Educação e Sociedade, Campinas, v. 30, n. 06, p. 63- 86, jan./abr., 2009.

HEIDEGGER, M. Ser e tempo. Tradução de Fausto Castilho. Campinas: Editora da Unicamp, 2012.

KLUTH, V. E. A rede de significados: imanência e transcendência: a rede de significação. In: Fenomenologia: confrontos e avanços. São Paulo: Editora Cortez, 2000, p. 105-139.

MARTINS, J.; BICUDO, M. A. V. A Pesquisa Qualitativa em Psicologia: fundamentos e recursos básicos. São Paulo: EDUC-MORAES, 1989.

MIARKA, Roger. Concepções de mundo de professores de matemática e seus horizontes antevistos. 2008. 162 f. Dissertação (mestrado) - Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Rio Claro, 2008. Disponível em: Concepções de mundo de professores de matemática e seus horizontes antevistos (unesp.br). Acesso em: 03 ago. 2021.

NÓVOA, A. Currículo e docência: a pessoa, a partilha, a prudência. In: GONSALVES, E.; PEREIRA, M. Z.; CARVALHO, M. E. (Org.). Currículo e contemporaneidade: questões emergentes. Campinas: Alínea, 2004. p. 17-29.

OLIVEIRA, D. A. A Reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Educação e Sociedade, V. 25, N° 89, 2004.

OLIVEIRA, L. Novos Desafios na Formação do Professor de Geografia. Revista Geografares, v. 1, p. 61-64, 2003.

OLIVEIRA, Lívia. Que é Geografia? Sociedade & Natureza, Uberlândia, v. 11, p. 89-95, 1999.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. A condição dos professores: recomendação internacional de 1966: um instrumento para a melhoria da condição dos professores. Genebra: OIT/ UNESCO, 1984.

PONTUSCHKA, N. N. Licenciandos de Geografia e as Representações sobre o Ser Professor. Terra Livre, São Paulo, n.11, p. 189-206, 1996.

SANTOS, J. R. ; FERREIRA, L. G. . Desenvolvimento profissional, vida e carreira: história de professores atingidos pelo mal-estar docente. Educação e Emancipação (UFMA), v. 9, p. 108-137, 2016.

SOUZA, E. C. Existir para resistir: (auto)biografia, narrativas e aprendizagens com a doença. Revista FAEEBA, v. 25, p. 59-74, 2016.

WETTISTEIN, G. O que se deveria ensinar em Geografia hoje. In: OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino de (Org.). Para onde vai o ensino da geografia? São Paulo: Contexto, 1989.

Downloads

Publicado

2022-11-21

Como Citar

Bernardes, A. ., Costa Aguiar, F., & Célia Frigério, R. (2022). Da sequela docente à querela epistemológica: o ensinar cansado de uma Geografia enferma. erspectiva, 40(4), 1–16. https://doi.org/10.5007/2175-795X.2022.e84002

Edição

Seção

As Epistemologias da Educação Geográfica