Professores iniciantes e o trabalho docente no período de isolamento social devido à covid-19: busca de possibilidades nas impossibilidades

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-795X.2022.e85718

Palavras-chave:

Professor iniciante, Trabalho docente, Pandemia da Covid-19

Resumo

Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa quali-quantitativa realizada com 84 professores iniciantes atuantes na Educação Básica e no Ensino Superior, de 15 estados brasileiros. O estudo teve por objetivo compreender as vivências e experiências dos professores iniciantes sobre o trabalho docente no período de isolamento social devido à Covid-19. Para a obtenção dos dados, utilizou-se um questionário disponibilizado via Google Forms em rede social. Para a codificação e organização quantitativa dos dados coletados, utilizamos o IRAMUTEQ, software gratuito e desenvolvido sob a lógica do open source. Trata-se de um ambiente estatístico ancorado no software R e na linguagem python. Neste estudo, utilizamos a análise de similitude que se pauta na frequência de palavras e na teoria dos grafos, possibilitando identificar as coocorrências entre as palavras e possíveis relações existentes entre os termos. Para análise qualitativa dos dados, utilizou-se a Análise de Conteúdo (Bardin, 2016). A pesquisa revela que os aspectos relacionados à desprofissionalização docente foram intensificados na pandemia. Permitiu também constatar que os professores, movidos pelo compromisso político e ético, encaminham-se para uma ação que se propõe a superar o que é oferecido ou negado em termos de condições de trabalho. Os professores participantes atuaram com as (im) possibilidades e (im) previsibilidades que se apresentaram na escola (e fora dela) e estabeleceram um caminho possível.

Biografia do Autor

Flavia Wegrzyn Magrinelli Martinez, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, UFMS, Brasil

Doutora e Mestre em Educação pela Universidade Estadual de Ponta Grossa- PR. Professora adjunta da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, UFMS, Brasil.

Analígia Miranda da Silva, UFMS/CPAN

Mestre e Doutora em Educação pela UNESP. Professora Adjunta na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul/CPAN. Membra do GEPE (Grupo de Pesquisa e Estudos em Educação). E-mail: analigia.miranda@ufms.br.

Ana Caroline Oliveira Costa, UENP/CJ

Pós-graduada em Educação Infantil - Práticas em sala de aula, pela UNINA (2021). Licenciada em Pedagogia pela Universidade Estadual do Norte do Paraná (2019). Membra do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação (GEPE/UENP). E-mail: anacaoliveira65@gmail.com.

Pâmela Cardoso Rodrigues, UENP/CJ

Pós-graduada em Educação Especial e Inclusiva - com ênfase em salas de recursos multifuncionais pela Faculdade Dom Bosco (2019). Licenciada em Pedagogia pela Universidade Estadual do Norte do Paraná (2018). Membra do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação (GEPE/UENP). E-mail: pamelarodriguescardoso@hotmail.com

Referências

ALESSI, Sandra Mara. et al. A crise sanitária aliada às consequências da pandemia pela Covid-19 no contexto da crise do capital. In: Andes-SN. Universidade e Sociedade. 67. ed. Brasília: Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior, jan. 2021. p. 8-21. Disponível em: https://www.andes.org.br/img/midias/0e74d85d3ea4a065b283db72641d4ada_1609774477.pdf. Acesso em: 15 mar. 2021.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições Setenta, 1977.

BARROS, Cláudia Cristiane Andrade. et al. Precarização do Trabalho Docente: reflexões em tempos de pandemia e pós pandemia. Ensino em Perspectivas, [S. l.], v. 2, n. 2, p. 1–23, 2021. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/ensinoemperspectivas/article/view/4975/4231. Acesso em: 1 out. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP nº 5/2020. Reorganização do Calendário Escolar e da possibilidade de cômputo de atividades não presenciais para fins de cumprimento da carga horária mínima anual, em razão da Pandemia da COVID-19. Brasília: Ministério da Educação, 28 abr. 2020. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=145011-pcp005-20&category_slug=marco-2020-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 01 out. 2021.

CONTRERAS, José. Autonomia de professores. São Paulo, Cortez. 2002.

DINIZ, Nelson. Reestruturação do trabalho docente e desigualdades educacionais em tempos de crise sanitária, econômica e civilizatória. Revista Thema, v. 18, n. Especial, p. 278-300, 2020. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/tamoios/article/view/50253/33477. Acesso em 24 set. 2021.

GARCÍA, Carlos Marcelo. Desenvolvimento Profissional: passado e futuro. Sísifo – Revista de Ciências da Educação, n. 08, p. 7-22, jan./abr. 2009. Disponível em: https://idus.us.es/bitstream/handle/11441/29247/Desenvolvimento_profissional_docente.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 2 out. 2021.

GARCÍA, Carlos Marcelo. Formação de professores para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora, 1999.

GESTRADO. Grupo de Estudos Sobre Política Educacional e Trabalho Docente. Base de dados: Trabalho Docente em Tempos de Pandemia. Belo Horizonte: UFMG, 2020. Disponível em: https://gestrado.net.br/pesquisas/trabalho-docente-em-tempos-de-pandemia-cnte-contee-2020/. Acesso em: 25 set. 2021.

GIROUX, Henry A. A escola crítica e a política cultural. São Paulo: Cortez, 1987.

GIROUX, Henry A. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

GIROUX, Henry A. Professores como Intelectuais Transformadores. In: GIROUX, Henry A. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997, 157-164.

GIROUX, Henry A. Teoria crítica e resistência em educação. Petrópolis: Editora Vozes, 1986.

HUBERMAN, Michael. O ciclo de vida profissional dos professores. In: NÓVOA, Antônio. (org.). Vidas de professores. 2. ed. Porto: Porto, 2005. p. 31-61.

KUENZER, Acacia Zeneida. As políticas de formação: A constituição da identidade do professor sobrante. Educação & Sociedade, n. 68, p. 163-183. 1999. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/yXkX6Nmc398FDDQcsJwm38P/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 14 set. 2021.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003. MARTINEZ, Flavia Wegrzyn Magrinelli. A construção da Identidade docente de professores iniciantes de ciências e biologia de egressos do curso de Ciências Biológicas da UENP/ Jacarezinho-PR. Orientadora: Susana Soares Tozetto. 2019. 204f. (Tese de doutorado em Educação). Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2019. Disponível em: https://tede2.uepg.br/jspui/bitstream/prefix/2914/1/Fl%c3%a1via%20Martinez.pdf. Acesso em: 1 out. 2021.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8. ed. São Paulo: Hucitec, 2004.

MINAYO, Maria Cecília de Souza; SANCHES, Odécio. Quantitativo-qualitativo: oposição ou complementaridade? Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 239-262, jul./set. 1993. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csp/v9n3/02.pdf. Acesso em: 15 jan. 2021.

NÓVOA, António; ALVIM, Yara Cristina. Os professores depois da pandemia. Educação & Sociedade, Campinas, v. 42, p. 1-16, 2021. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/mvX3xShv5C7dsMtLKTS75PB/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 26 nov. 2021.

OLIVEIRA, Dalila Andrade; PEREIRA Jr, Edmilson Antonio Pereira. Trabalho docente em tempos de pandemia: mais um retrato da desigualdade educacional brasileira. Retratos da Escola, Brasília, v. 14, n. 30, p. 719-735, set./dez. 2020. Disponível em: http://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/1212/pdf. Acesso em: 01 out. 2021.

PONTES, Fernanda. Rodrigues; ROSTAS, Márcia Helena Sauaia Guimarães. Precarização do trabalho do docente e adoecimento: COVID-19 e as transformações no mundo do trabalho, um recorte investigativo. Revista Thema, Pelotas, v. 18, n. Especial, p. 278-300, 2020. Disponível em: https://periodicos.ifsul.edu.br/index.php/thema/article/view/1923/1597. Acesso em: 1 out. 2021.

PORTELINHA, Ângela Maria Siqueira. et al. As (in) certezas do trabalho docente na pandemia. Uberlândia: Navegando Publicações, 2021. Disponível em: https://issuu.com/navegandopublicacoes/docs/livro_angela. Acesso em: 01 out. 2021.

SACRISTÁN, José Gimeno. Conciencia y acción sobre la práctica como Liberación profesional. In: IMBERNON, Francisco. (Coord.). La formación permanente del profesorado en los países de la CEE. Barcelona: ICE/Universitat de Barcelona, Horsori, 1993.

SACRISTÁN, José Gimeno. O currículo: os conteúdos do ensino ou uma análise da prática? In: GIMENO SACRISTÁN, José; PÉREZ GÓMEZ, A. I. Compreender e transformar o ensino. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 1998. p. 271-293.

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 11. ed. São Paulo: Cortez, 2013.

SOUZA, Kátia Reis de. et al. Trabalho remoto, saúde docente e greve virtual em cenário de pandemia. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 19, p. 1-14, 2021. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/tes/v19/0102-6909-tes-19-e00309141.pdf. Acesso em: 15 mar. 2021.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

Downloads

Publicado

2022-11-23

Como Citar

Wegrzyn Magrinelli Martinez, F., Miranda da Silva, A., Oliveira Costa, A. C., & Cardoso Rodrigues, P. . (2022). Professores iniciantes e o trabalho docente no período de isolamento social devido à covid-19: busca de possibilidades nas impossibilidades. erspectiva, 40(4). https://doi.org/10.5007/2175-795X.2022.e85718