Trabalho docente e políticas de formação continuada na rede municipal do Rio de Janeiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-795X.2022.e86823

Palavras-chave:

Trabalho docente, Formação continuada , Professor iniciante , Identidade profissional , Rede municipal de ensino , Desenvolvimento profissional

Resumo

Este artigo apresenta algumas reflexões sobre a formação continuada de professores que se originam de resultados de pesquisas realizadas entre os anos de 2010 e 2020 no âmbito de uma universidade pública. O foco está direcionado às ações de formação continuada, promovidas pelo sistema municipal de ensino do Rio de Janeiro (SME/RJ) e pelas escolas que o integram, voltadas aos professores que nelas atuam, em especial, àqueles que ingressam na Rede. Buscamos analisar essas ações em diálogo com autores que discutem a temática, tais como: Gatti, Barreto e André (2011), Maués (2003), Nóvoa (1991), Zeichner (1998) e Diniz-Pereira (2010). Os procedimentos metodológicos buscaram atender aos objetivos e especificidades de cada uma das pesquisas e, dentre os recursos para a coleta de dados, estão questionários, entrevistas e observação, além da consulta a documentos. Compreendemos a formação continuada como parte importante do trabalho docente, que pode favorecer o desenvolvimento profissional. As pesquisas apontaram para a importância da formação continuada, pensada em uma perspectiva que tenha o trabalho docente como categoria central. Apontaram, ainda, para a falta de continuidade das ações formativas promovidas pelo sistema de ensino e para uma fragilidade no que se refere a transformar essas ações em políticas públicas, visto que, muitas vezes, elas estão circunscritas a um grupo gestor que trabalha com a periodicidade de um governo, portanto, delimitado pelo tempo das eleições municipais.

Biografia do Autor

Maria das Graças Chagas de Arruda Nascimento, Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil

Professora associada da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ. Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2006), mestre em Educação pela mesma universidade (1996). Realizou estágio pós doutoral (CNPq PDJ) na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2013). Possui graduação em Pedagogia. É coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre a Profissão e a Formação Docente (GEPROD/UFRJ).

Yrlla Ribeiro de Oliveira Carneiro da Silva, Instituto Nacional de Educação de Surdos, INES, Brasil

Professora associada do Instituto Nacional de Educação de Surdos. É doutora em Educação pela UNICAMP (2009). Mestre em Ciências da Educação pela Université René Descartes Paris V - Sorbonne (1997). Possui graduação em Pedagogia também pela Université René Descartes Paris V - Sorbonne (1995). Realizou estágio pós doutoral na Université Paris-Descartes. Integra o grupo de estudos e pesquisas sobre profissão e formação docente - GEPROD, UFRJ. 

Michele Silva de Avelar, Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ

Mestre em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ (2019). Especialista em Educação a Distância pela Faculdade de Tecnologia SENAC Rio - FATEC (2012). Graduação em Pedagogia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ (2010). Coordenadora Pedagógica no Centro de Tecnologia Educacional (CTE) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Tutora a distância do curso de Licenciatura em Pedagogia da UERJ no Consórcio Cederj. Integrante do Grupo de Pesquisa Educação e Cibercultura - EduCiber/UERJ. 

Referências

ALFERES M. A.; MAINARDES, J. A formação continuada de professores no Brasil. In: SEMINÁRIO DE PESQUISA DO PPE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ. 2011, Maringá. Anais [...]. Naringã: UEM, 2011. p. 1-13. Disponível em: http://www.ppe.uem.br/publicacoes/seminario_ppe_2011/pdf/1/001.pdf. Acesso em: 11 jan. 2022.

ANDRÉ, M. E. D. A. A produção acadêmica sobre formação docente: um estudo comparativo das dissertações e teses dos anos 1990 e 2000. Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, Autêntica, v. 1, n. 1, p. 41-56, ago./dez, 2009. Disponível em: https://redib.org/Record/oai_articulo2210993-a-produ%C3%A7%C3%A3o-acad%C3%AAmica-sobre-forma%C3%A7%C3%A3o-de-professores-um-estudo-comparativo-das-disserta%C3%A7%C3%B5es-e-teses-defendidas-nos-anos-1990-e-2000. Acesso em: 20 mar. 2022.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO. Parecer CNE para BNC-Formação Continuada. Manifesto GT-08 e ANPEd. Rio de janeiro: ANPEd, 2020. Disponível em: https://www.anped.org.br/news/manifesto-gt-08-e-anped-parecer-cne-para-bnc-formacao-continuada. Acesso em: 15 dez. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 867, de 4 de julho de 2012. Institui o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa e as ações do Pacto e define suas diretrizes gerais. Diário Oficial da União: Brasília, DF, n. 129, Seção 1, p. 22, 5 jul. 2012. Disponível em: http://pacto.mec.gov.br/images/pdf/2016/Portarias/PORTARIA_N_867_DE_4_DE_JULHO_DE_2012.pdf. Acesso em: 15 dez. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução nº 2, de 1º de julho de 2015. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Diário Oficial da União: Brasília, DF, Seção 1, p. 8-12, 2 jul. 2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file. Acesso em; 20 mar. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Diário Oficial da União: Brasília, DF, Seção 1, p. 46-49, 15 abr. 2020. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2019-pdf/135951-rcp002-19/file. Acesso em; 20 mar. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Projeto de Resolução CNE/CP 2020. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Continuada de Professores da Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Continuada de Professores da Educação Básica (BNC-Formação Continuada). Brasília: CNE, 2020. Disponível em: https://www.semesp.org.br/wp-content/uploads/2021/07/CNE-V6-6072021-COVID-MHGC-revista.pdf. Acesso em: 30 mar. 2022.

BRZEZINSKI, I. Pedagogia, pedagogos e formação de professores: busca e movimento. Campinas: Papirus, 1996.

CARNOY, M. Mondialisation et réforme de l'éducation: ce que les planificateurs doivent savoir. Paris: Unesco, 1999.

DEMAILLY, L. C. Modelos de formação contínua e estratégias de mudança. In: NÓVOA, A. (org.). Professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992. p. 139-158.

DINIZ-PEREIRA, J. E. A epistemologia da experiência na formação de professores: primeiras aproximações. Formação Docente, Belo Horizonte, v. 2, n. 2, p. 83-93, 2010. Disponível em: https://revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/15. Acesso em: 20 mar. 2022.

ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL PELA FORMAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO – ENANFOPE, 18. 2016, Goiânia. Documento Final. Campinas: Anfope, 2016.

ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL PELA FORMAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO – ENANFOPE, 20. 2021, online. Documento final. Campinas: Anfope, 2021.

ESCOLA PAULO FREIRE. Quem somos. Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: http://epf.rioeduca.net/sobrenos.html. Acesso em: 15 dez. 2021.

GATTI, B.; BARRETTO, E. S. S.; ANDRÉ, M. E. D. A. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: Unesco, 2011.

GATTI, B et al. Professores do Brasil: novos cenários de formação. Brasília: Unesco, 2019.

HIRTT, N. Les Nouveaux maîtres de l'école: l'enseignement européen sous la coupe des marchés. Anvers: EPO, 1999.

KRAMER, S. Melhoria da qualidade do ensino: o desafio da formação de professores em serviço. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 70, n. 165, p. 189-207, 1989.

MARIN, A. J. Educação continuada: introdução a uma Análise de Termos e Concepções. Cadernos Cedes, Campinas, n. 36, p. 13-20, 1995.

MAUES, O. C. Reformas internacionais da educação e formação de professores. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 118, p. 89-118, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010015742003000100005&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 2 dez. 2021.

NASCIMENTO, M. das G. C. de A. A escola como espaço de formação continuada de professores: análise de uma experiência. 1996. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pós-Graduação em Educação. Pontifícia Universidade Católica. Rio de Janeiro, 1996.

NÓVOA, A. Formação contínua de professores: realidades e perspectivas. Portugal: Universidade de Aveiro, 1991.

NÓVOA, A. (org.). Vidas de professores. 2. ed. Porto: Porto Editora, 2007.

RIO DE JANEIRO (município). Secretaria Municipal de Educação. Decreto nº 35.602, de 9 de maio de 2012. Rio de Janeiro, RJ, 2012a. Disponível em: http://smaonline.rio.rj.gov.br/legis_consulta/43001Res%20SME%201201_2012.pdf. Acesso em: 2 dez. 2021.

RIO DE JANEIRO (município). Secretaria Municipal de Educação. Decreto nº 35.674, de 30 de maio de 2012. Rio de Janeiro, 2012b. Disponível em: http://smaonline.rio.rj.gov.br/legis_consulta/42308Dec%2035674_2012.pdf. Acesso em: 2 dez. 2021.

RIO DE JANEIRO (município). Prefeitura do Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Educação. Ato do Secretário. Resolução SME nº 112, de 11 de janeiro de 2019. Institui o calendário escolar e o calendário pedagógico da Secretaria Municipal de Educação para o ano letivo de 2019 e dá outras providências. Rio de janeiro, 2019. Disponível em: https://engrobertomagno.blogspot.com/2019/02/calendario-escolar-2019.html. Acesos em: 20 mar. 2022.

SANTOS, E. O dos. Políticas de formação continuada para os professores da Educação Básica. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 25. 2011, São Paulo. Anais [...]. Goiânia: Anpae, 2011. p. 1-12. Disponível em: https://anpae.org.br/simposio2011/cdrom2011/PDFs/trabalhosCompletos/comunicacoesRelatos/0141.pdf. Acesso em: 2 dez. 2021.

SCHÖN, D. A. Formar professores como profissionais reflexivos. In: NÓVOA, A. (org). Professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992. p. 77-91.

VAILLANT, D.; MARCELO, C. Ensinando a Ensinar: as quatro etapas de uma aprendizagem. Curitiba: Editora UTFPR, 2012.

WELLER, W. Grupos de Discussão na Pesquisa com Adolescentes e Jovens: aportes teórico-metodológicos e análise de uma experiência com o método. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n. 2, p. 241-260, maio/ago. 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ep/a/7c6QvcWJc6pX6xwgxYVLFKv/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 15 dez. 2021.

ZEICHNER, K. M. Para além da divisão entre professor-pesquisador e pesquisador acadêmico. In: GERALDI, C. M. G., FIORENTINI, D., PEREIRA, E. M. A. (org.). Cartografias do trabalho docente. Campinas: Mercado das Letras, 1998. p. 207-236.

Downloads

Publicado

2022-11-22

Como Citar

Nascimento, M. das G. C. de A. ., Silva, Y. R. de O. C. da ., & Avelar, M. S. de . (2022). Trabalho docente e políticas de formação continuada na rede municipal do Rio de Janeiro. erspectiva, 40(4), 1–22. https://doi.org/10.5007/2175-795X.2022.e86823