Sangue feminino: Quando as mulheres Karipuna encontram com a lua

Autores

  • Ana Manoela Primo dos Santos Soares Universidade Federal do Pará

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2023v31n395197

Palavras-chave:

Karipuna do Amapá, Menstruação, Menarca, Mulheres indígenas, Gênero

Resumo

No artigo, trato sobre como a menstruação é vivenciada entre as mulheres indígenas Karipuna. A menstruação, para as Karipuna, tem a ver com a ruptura da infância para a vida adulta; com a formação saudável do corpo feminino; com o aperfeiçoamento de sua generificação; com o início da sexualidade; com os casamentos; com a gravidez; com os cuidados com a limpeza do território e as relações cosmopolíticas com os karuãnas “donos dos lugares”. A partir deste estudo, busco compreender: “Como a menstruação está na cosmologia Karipuna?”; “Quais são as suas características e significados?”; “Quais são as transformações históricas que ocorreram com relação a ela?”. Inserem-se nestes debates, também, os relatos da própria autora para com o seu djispoze ou lalin (menstruação) e suas inter-relações entre o modo de menstruar Karipuna e o modo menstruar das não indígenas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Bruna Santos. “Narrativas Orais de Mulheres Karipuna”. Revista Barbante, Araraquara, v. 43, n. 43, p. 98-114, mar. 2022.

ANDRADE, Ugo Maia (Org.). Turé dos povos indígenas do Oiapoque. Rio de Janeiro/São Paulo: Museu do Índio/Fundação Nacional do Índio/IEPÉ, 2009.

ARISI, Barbara. “Vida Sexual dos Selvagens (Nós): Indígenas Pesquisam a Sexualidade dos Brancos e da Antropóloga”. In: SACCHI, Ângela; GRAMKOW, Márcia Maria (Orgs.). Gênero e Povos Indígenas. Rio de Janeiro: Museu do Índio/GIZ/FUNAI, 2012. p. 50-77.

AURORA, Braulina. “Mulheres e território: reflexão sobre o que afeta a vida das mulheres indígenas quando os direitos territoriais são ameaçados”. Vuka?panavo: Revista Terena, p. 165-170, 2018.

CAUX, Camila. “A lua e o outro lado da terra: Menstruação, concepção e gestação entre as Araweté”. Mana, v. 24, n. 2. ago. 2018.

DAINISE, Graziele; SERAGUZA, Lauriene; BELAUNDE, Luisa Elvira. “Sobre gêneros, arte, sexualidade e a falibilidade de esses e outros conceitos: entrevista com Luisa Elvira Belaunde Olschewski”. Ñanduty, v. 4, n. 5, p. 286-307, 2016.

DIAS-SCOPEL, Raquel Paiva. A cosmopolítica da gestação, do parto e do pós-parto: práticas de autoatenção e processo de medicalização entre os índios Munduruku. Brasília: Paralelo 15, 2015.

CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO. CIMI. Documento Final Marcha Das Mulheres Indígenas. “Território: Nosso Corpo, Nosso Espírito”. Conselho Indigenista Missionário. Brasília, 2019. Disponível em https://cimi.org.br/2019/08/marcha-mulheres-indigenas-documento-final-lutar-pelos-nossos-territorios-lutar-pelo-nosso-direito-vida/#:~:text=15%2F08%2F2019-,Marcha%20das%20Mulheres%20Ind%C3%ADgenas%20divulga%20documento%20final%3A%20%E2%80%9Clutar%20pelos%20nossos,pelo%20nosso%20direito%20%C3%A0%20vida%E2%80%9D.

DOLLIS, Nelly Barbosa. [Marubo]. Nok? mevi revõsho shovima awe ‘o que é transformado pelas pontas das nossas mãos’. O trabalho manual dos marubo do rio Curuçá. 2017. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social), Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

FRANCHETTO, Bruna. “Mulheres entre os Kuikuru”. Revista Estudos Feministas, v. 7, n. 1, p. 35-54, jan. 1996.

LEA, Vanessa. “Desnaturalizando gênero na sociedade Mebengôkre”. Revista Estudos Feministas, v. 7, n. 1, p. 176-194. jan. 1999.

LOD MORAES, Claudia Renata. Amiakô Wolï Medela Neí AMiakô Nimüdai Elomem. A transição de menina para mulher e a menstruação como rito de passagem entre os Galibi Kali’na. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Curso de Licenciatura Intercultural Indígena) - Universidade Federal do Amapá, AP, Brasil.

KAXUYANA, Valéria Paye Pereira; SILVA, Suzy Evelyn de Souza. “A lei Maria da Penha e as mulheres indígenas”. In: VERDUM, Ricardo. Mulheres indígenas, direitos e políticas públicas. Brasília: INESC, 2008. p. 33-46.

McCALLUM, Cecilia. “Aquisição de gênero e habilidades produtivas: o caso Kaxinawá”. Revista Estudos Feministas, v. 7, n. 1, p. 157-175. jan. 1999.

PRIMO DOS SANTOS SOARES, Ana Manoela. “A autoria coletiva e a autoetnografia: experiências em antropologia com as parentas Karipuna do Amapá”. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, v. 17, n. 2, jul. 2022.

PRIMO DOS SANTOS SOARES, Ana Manoela. Mulheres Karipuna do Amapá: Trajetórias de Vida das Fam-Iela: Uma Perspectiva Autoetnográfica. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Faculdade de Ciências Sociais) - Universidade Federal do Pará, PA, Brasil. Manuscrito inédito.

PRIMO DOS SANTOS SOARES, Ana Manoela. “Mulheres originárias: reflexões com movimentos de indígenas mulheres sobre as existências e inexistências de feminismos indígenas”. Cadernos de Campo, v. 30, n. 2, p. 1-12, dez. 2021.

PRIMO DOS SANTOS SOARES, Ana Manoela. “Sangue menstrual na sociedade Karipuna do Amapá”. Amazônica: Revista de Antropologia, v. 11, n. 2, p. 414-433, nov. 2019.

SANTOS, Ariana dos; MACHADO, Tadeu Lopes. “As mulheres no movimento indígena de Oiapoque: uma reflexão a partir da associação das mulheres indígenas em mutirão”. Espaço Ameríndio, v. 13, n. 1, p. 67-86, jan./jun. 2019.

TASSINARI, Antonella. No bom da festa. O processo de construção cultural das famílias Karipuna do Amapá. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2003.

VIDAL, Lux. A Cobra Grande: uma introdução à cosmologia dos povos indígenas do Uaçá e Baixo Oiapoque - Amapá. Rio de Janeiro: Museu do Índio, 2007.

WAGNER, Roy. A invenção da cultura. São Paulo: Ubu, 2017.

Downloads

Publicado

2023-12-14

Como Citar

Primo dos Santos Soares, A. M. (2023). Sangue feminino: Quando as mulheres Karipuna encontram com a lua. Revista Estudos Feministas, 31(3). https://doi.org/10.1590/1806-9584-2023v31n395197

Edição

Seção

Dossiê Corpo e Menstruação na Amazônia Indígena

Artigos Semelhantes

<< < 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.