Algumas diferenças comunicativas entre o português e o inglês

Cristiane Roscoe-Bessa, Márcia Ney Pessoa, Izabel Cristina Brum Dias

Resumo


Este estudo tem como objetivo analisar diferenças ou similaridades comunicativas entre o inglês e o português, a partir do pressuposto de que tal conhecimento pode ser útil na atividade do tradutor em sua tentativa de melhor traduzir os fenômenos discursivos.  Acreditamos que a conscientização de diferenças comunicativas dentro de um par linguístico pode evitar inconsistências de discurso e até mesmo desentendimentos entre falantes de línguas distintas. Constatamos que a literatura enfatiza as diferenças estruturais entre o inglês e o português, porém não as diferenças discursivas. Por isso, propomos uma identificação preliminar dessas diferenças a partir das pesquisas de House (1997), Le Berre (2008), Negrão (2001), Piccolo (2002) e Nogueira (2013) com quem dialogamos para fundamentar nosso trabalho. 


Palavras-chave


Diferenças Comunicativas; Inglês e Português; Tradução

Texto completo:

PDF/A

Referências


BAKER, Mona. Reframing conflict in translation. In: BAKER, Mona (Ed.). Critical readings in translation studies. New York & London: Routledge, 2010, p. 113-129.

FRED. Usos avançados e curiosos de “You”. Publicado em 20 novembro de 2013. Disponível em http://www.inglesnosupermercado.com.br/usos-avancados-e-curiosos-dos-pronomes-i-you-he-she-it-we-they/. Acesso em 13 jun. 2015.

HOUSE, Juliane. Translation quality assessment: a model revisited. Tübingen: Narr, 1997, 93 p.

IBM..COM.. Instruções para instalação nos sistemas operacionais Windows. Disponível em https://www.trusteer.com/pt-br/support/win-install-instructions. Acessos em: 15 jun. 2015 e 5 set. 2015.

KRZESZOWSKI Tomasz P. Contrasting Languages: The Scope of Contrastive Linguistics. Berlin: Mouton de Gruyter, 1990.

LE BERRE, Carla Chiappetta. Formulação de atos diretivos, em língua oral, no português do Brasil. Dissertação (Mestrado em Letras): Rio de Janeiro: Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, 2008. p. 71-72 Disponível em: http://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/11177/11177_4.PDF Acessos em: 31 mai. 2015 e 23 ago. 2015.

NEGRÃO, Esmeralda Vailati. O princípio de projeção estendida no português brasileiro. Revista Letras, n.56, Curitiba, jul/dez 2001. p.141-155

NOGUEIRA, Alessandra Sartori. Diferenças culturais percebidas por brasileiros no uso da língua inglesa no exterior e seu tratamento em livros didáticos. Belo Horizonte: Revista brasileira de linguística aplicada, vol.13, nº.1, Jan./Mar. 2013, p. 345-368. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rbla/v13n1/aop1612.pdf. Acesso em 13 jun. 2015.

PICCOLO, Alexandre Prudente. (19) A alternância entre os pronomes “você” e “senhor” (2002). Disponível em: http://www.unicamp.br/iel/site/alunos/publicacoes/textos/a00005.htm. Acesso em 13 jun. 2015. p. 1-5.

REZENDE, Márcio. Caros estudantes de inglês: Aqui estão 5 coisas que você deve saber sobre a palavra “dear”. The conversation, a blog from livemocha. 14 fev. 2013. Disponível em http://livemocha.com/blog/2013/02/14/caros-estudantes-de-ingles-aqui-estao-5-coisas-que-voce-deve-saber-sobre-a-palavra-dear/?lang=pt-br. Acesso em 15 jun. 2015

ROSCOE-BESSA, Cristiane. A tradução-substituição. Brasília: Editora Centro, 2010. 107 p




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2016v36n2p91



Cadernos de Tradução, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2175-7968.