Relatos de viagem e a tradução de palavras culturalmente marcadas: um estudo de caso

Katia Aily Franco de Camargo

Resumo


O presente artigo tem por objetivo apresentar palavras culturalmente marcadas (AIXELA, 2013) e/ou culturemas (NADAL, 2009; SOTO ALMELA, 2014) presentes nos relatos de viagem e, mais precisamente, na obra O Brasil tal qual ele é/ Le Brésil tel qu’il est, de Charles Expilly, polêmico viajante francês que fixou residência durante dois anos no Rio de Janeiro, em meados do século XIX. Trata-se de um livro riquíssimo, que foi deixado de lado pela historiografia brasileira e francesa por muito tempo e que nos propicia, graças às palavras culturalmente marcadas e/ou culturemas, uma reflexão sobre tradução (LAPLANTINE, 1996; FERREIRA, 2013) naquilo que diz respeito à transformação do olhar em linguagem, a fazer existir no texto um Outro, ao encontro entre culturas, numa via de mão dupla. Concluímos o artigo comentando as estratégias de tradução utilizadas, para os culturemas, na nossa tradução para a língua portuguesa desta obra (CAMARGO, 2016).


Palavras-chave


Relato de viagem; Palavra culturalmente marcada; Charles Expilly

Texto completo:

PDF

Referências


AIXELÁ, J. F. Itens culturais-específicos em tradução. In-Traduções. Florianópolis, 2013, v. 5, n. 8, p. 185-218. Disponível em: http://incubadora.periodicos.ufsc.br/index.php/intraducoes/article/viewFile/2119/2996. Acesso em: 13 dez 2016.

CAMARGO, K. A. F. A Revue des Deux Mondes: intermediária entre dois mundos. Natal : EdUFRN, 2007.

__________. Indícios de leitura e leitores da Revue e do Annuaire des Deux Mondes no Brasil na segunda metade do século XIX. Revista Graphos, 2015, v. 17., n. 1, p. 31-48. Disponível em: http://periodicos.ufpb.br/index.php/graphos/article/viewFile/25047/13701. Acesso em: 17 dez 2016.

__________. Apresentação. In: EXPILLY, C. O Brasil tal qual ele é. Trad. Katia Aily F. de Camargo. Jundiaí, SP: Paco, 2016.

EXPILLY, C. Le Brésil tel qu’il est. Paris-Leipzig: Jung-Treuttel, 1862.

__________. Les femmes et les mœurs du Brésil. Paris: Charlieu et Huillery, 1863.

__________. O Brasil tal qual ele é. Trad. Katia Aily Franco de Camargo. Jundiaí, SP: Paco, 2016.

FERREIRA, A. M. A. O paradigma da descrição na tradução etnográfica: Lévi-Strauss tradutor em Tristes Trópicos. Acta Scientiarum. Language and Culture. Maringá. 2014, v. 36, n. 4, p. 383-393. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciLangCult/article/viewFile/23837/pdf_44. Acesso em: 20 dez 2016.

HATJE-FAGGION, V. Tradutores em caminhos interculturais – a tradução de palavras culturalmente determinadas. In: BELL-SANTOS, C. A. ; ROSCOE-BESSA, C. ; HATJE-FAGGION, V. ; SOUSA, G. (orgs.). Tradução e cultura. Rio de Janeiro : 7 Letras, 2011. p.73-89.

LAPLANTINE, F. La description ethnographique. Paris: Armand Colin, 1996.

LE HUENEN, R. Le récit de voyage: l’entrée en littérature. Études littéraires, 1987, v. 20, n. 1, p. 45-61. Disponível em: http://www.erudit.org/revue/etudlitt/1987/v20/n1/500787ar.html?vue=resume. Acesso em: 15 dez 2016.

MACHADO, A. M.; PAGEAUX, D.-H. Da literatura comparada à teoria da literatura. 2ª ed. rev. e aum., Lisboa: Editorial Presença, 2001.

MENEZES, R. Dicionário Literário Brasileiro. São Paulo: Saraiva, 1969.

MONREAL, E. B. El traductor de relato de viajes : De París a Cádiz de Dumas. In : LAFARGA, F.; MÉNDEZ, P; SAURA, A. (orgs.). Literatura de viajes y traducción. Granada: Comares, 2007. p. 63-73.

URIARTE, C. G. El viaje y su narración. Sobre actitudes e implicaciones del viajeto-escritor. In : LAFARGA, F.; MÉNDEZ, P; SAURA, A. (orgs.). Literatura de viajes y traducción. Granada: Comares, 2007. p. 201-214.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2017v37n2p159



Cadernos de Tradução, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2175-7968.