Retraduções de As flores do mal uma viagem entre Brasil e Portugal

Álvaro Silveira Faleiros

Resumo


Apesar de ser um livro de grande importância para a poesia brasileira e portuguesa desde o século XIX, Les fleurs du mal só recebem sua primeira tradução (praticamente) integral em língua portuguesa em 1958, no Brasil, por Jamil Almansour Haddad, à qual se seguem as traduções de Ignacio de Souza Moitta (1971) e de Ivan Junqueira (1985). A primeira edição integral portuguesa é de 1992, feita por Fernando Pinto do Amaral, à qual se segue a tradução de Maria Gabriela Llansol (2003). O Brasil, no século XXI, acolhe novamente Les fleurs du mal com o lançamento, em 2011, de mais duas traduções integrais, por Mário Laranjeira (2011) e Helena Amaral (2011, 2013). Apesar de já terem sido estudas no Brasil e em Portugal, são poucas as reflexões que comparam essas traduções brasileiras com as portuguesas; comparação que nos permite interessantes indagações sobre as práticas tradutórias dos dois lados do continente.



Palavras-chave


Retradução; Baudelaire; Flores do Mal; Relações França-Brasil-Portugal

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL Glória Carneiro do. Aclimatando Baudelaire. São Paulo: Annablume, 1996.

ASSIS, Machado de. A Nova Geração. Crítica Literária. Rio de Janeiro: Clássicos Jackson, 1946.

BAUDELAIRE, Charles. As flores do mal. Tradução Jamil Almansour Haddad. São Paulo: Max Limonad, 1981.

______. As flores do mal. Tradução de Ignácio de Souza Moitta. Belém: Conselho Estadual de Cultura, 1971.

______. As flores do mal. Tradução de Ivan Junqueira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

______. As flores do mal. Tradução Fernando Pinto do Amaral. Lisboa: Assirio

& Alvin, 1992.

______. As flores do mal. Tradução Maria Gabriela Llansol. Lisboa: Relógio

d’água, 2003.

______. As flores do mal: o amor segundo Charles Baudelaire. Tradução Juremir

Machado da Silva. Porto Alegre: Sulinas, 2003.

______. As flores do mal. Tradução Helena Amaral. Rio de Janeiro: Multifoco,

______. As flores do mal. Tradução Mário Laranjeira. São Paulo: Martin Claret, 2011.

COELHO, Paula Mendes. Les fleurs du Mal. Ciccia MarieNoëlle; Heyraud Ludovic; Maffre, Claude. Traduction et lusophonie. Traduite par Maria Gabriela Llansol ou l’hospitalité d’une mère porteuse. Montpellier: Presses universitaires de la Méditerranée, 2007, p.379-396.

FALEIROS, Álvaro. Maria Gabriela Llansol retradutora de Charles Baudelaire. Cadernos de Tradução XXV, Florianópolis, 2010. p.113-126.

______. As Flores do Mal sem medida: por uma retradução de Charles Baudelaire. Revista Brasileira de Literatura Comparada, São Paulo, v. 19, 2011a, p.145-156.

______. Brota uma nova flor no Jardim de Baudelaire. BAUDELAIRE,Charles. 2011b.

______. As flores de Llansol ou o poema contínuo. FENATI, Maria Carolina (org.). A partilha do incomum. Florianópolis: Edufsc, 2014a.

______. Tradução poética e xamanismo transversal: correspondências entre Llansol e Baudelaire. Revista Brasileira de Literatura Comparada, São Paulo, n.24, 2014b, p. 16-32.

______. Bendito Baudelaire. Teresa (USP),São Paulo, v. 14, 2014c, p. 43-52.

MELLO E SOUSA, Antônio Cândido. Os primeiros baudelairianos. In: A educação pela noite. São Paulo: Ática, 1989.

MEIRELLES, Ricardo. Entre brumas e chuvas: tradução e influência literária. 145f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem: Campinas, 2003.

______. Les Fleurs du mal no Brasil: traduções. 2010. 240f. Tese (doutorado) -Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

______. Les Fleurs du mal no Brasil: as traduções de Correspondances. Cultura & Tradução. João Pessoa, v.1, n.1, 2011a.

______. Les Fleurs du mal no Brasil: as traduções de Correspondances. FALEIROS, Álvaro et al (org.). A tradução de obras francesas no Brasil. São Paulo: Annablume, 2011b, p.159-174.

PEREIRA, Lawrence Flores. T.S. Eliot & Charles Baudelaire: poesia em tempo de prosa. São Paulo: Iluminuras, 1993.

RAMOS, Péricles Eugênio da Silva. O Verso Romântico e Outros Ensaios. São Paulo: Ed. Conselho Estadual de Cultura, 1959.

SANTOS, Maria do Rosário Girão Ribeiro dos. Qui fait courir les traducteurs? Pour une poétique de la traduction: Baudelaire traduit en espagnol, en catalan et en portugais. Actas do VII Congrès International de Linguistique Française, 2008.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2018v38nespp26



Cadernos de Tradução, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2175-7968.