A Cultura organizacional e o direito à informação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1518-2924.2019.e58115

Palavras-chave:

Cultura Organizacional, Acesso à Informação Pública, Transparência Pública

Resumo

Objetivo: Analisa o acesso à informação pública sob a ótica da cultura organizacional de uma universidade pública, buscando saber se as instituições de ensino, mesmo afeitas à produção e disseminação de informações sistematizadas na forma de conhecimento, revelam uma cultura organizacional diferente quando se trata de informações públicas.

Método: A pesquisa de campo, com abordagem quantitativa foi realizada com professores e técnicos do Instituto de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Federal do Pará e revelou os seguintes fatores de influência: Legitimidade da Administração Pública,

Resultado: Utilização Indevida da Informação Pública e Perda do controle da informação, em dois grupos: um favorável à política de amplo acesso às informações e outro que se mostrou reticente quanto à divulgação das informações.

Conclusões: Embora os entrevistados percebam a política de amplo acesso às informações públicas como um avanço na perspectiva social, ainda persiste na cultura organizacional a perspectiva do segredo e da propriedade da informação pública.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Merabe Carvalho Ferreira da Gama, Universidade Federal Rural da Amazônia

Mestre em Gestão Pública pela Universidade Federal do Pará (2016). Especialista em em Gestão Pública com ênfase em Gestão por competências (2013) e Gestão do Conhecimento (2012). Possui graduação em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Pará (2010). Atualmente é bibliotecária-documentalista da Universidade Federal Rural da Amazônia

Carlos André Corrêa de Mattos, Universidade Federal do Pará

Doutor em Ciências Agrárias (2012) pela Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA) e Mestre em Gestão e Desenvolvimento Regional (2008) pela Universidade de Taubaté (Unitau). Cursou MBA em Gestão Empresarial (2004) e Gerenciamento de Projetos (2005) pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Bacharel em Administração (2002) pela Universidade da Amazônia (Unama), na trajetória profissional atuou em organizações públicas e privadas. Dentre as áreas de concentração, destacam-se: Gestão de Organizações Públicas, Competitividade, Agronegócio e Organização Agroindustrial. Atualmente é professor da Faculdade de Administração (FAAD) e do Programa de Mestrado em Gestão Pública para o Desenvolvimento (PPGGPD) da Universidade Federal do Pará (UFPa).

Ana Larissa Costa Aguiar, Universidade Federal do Pará

Graduação em Administração pela Universidade Federal do Pará (2017)

Referências

ALMAD, R. Re-conceptualisation of accountability: from government to governance. International Journal of Multidisciplinary Approach and Studies, Bhopal, v. 3, n. 5, p. 1-11, out. 2016.

BERGUE, S.T. Modelos de gestão em organizações públicas: teorias e tecnologias para análise e transformação organizacional. Caxias do Sul: Educs, 2011.

CARAPETO, C.; FONSECA, F. Administração pública: modernização, qualidade e inovação. Lisboa: Sílabo, 2014.

CASEMIRO, I. P.; LICORIO, A. M.; SIENA, O. Produção científica sobre cultura organizacional: uma análise das publicações brasileiras, 2008-2011. Revista Brasileira de Administração Científica, Aquidabã, v. 5, n. 3, p. 7-17, jul./set. 2014.

COSTA, F. J. Mensuração e desenvolvimento de escalas. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2011.

CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO. Manual da Lei de Acesso à Informação para Estados e Municípios. Brasília: Controladoria-Geral da União, 2013.

CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO. Programa Brasil Transparente. Disponível em: http://www.cgu.gov.br/assuntos/transparencia-publica/brasil-transparente/o-programa. 2017. Acesso em: 18 set. 2017.

CRUZ, M. C. M. T.; SILVA, T. A. B.; SPINELLI, M. V. O papel das controladorias locais no cumprimento da Lei de Acesso à Informação pelos municípios brasileiros. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 14, n. 3, p. 721-743, jul. /set. 2016.

DA MATTA, R. (coord.). Pesquisa diagnóstico sobre valores, conhecimento e cultura de acesso à informação pública no Poder Executivo Federal Brasileiro. Brasília: CGU, 2011.

DILLON, W. R.; GOLDSTEIN, M. Multivariate analysis: methods and applications. New York: John Wiley & Sons, 1984.

FÁVERO, L. P. et al. Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. São Paulo: Campus, 2009.

FÁVERO, L. P.; BELFIORE, P. Manual de análise de dados: estatística e modelagem multivariada com Excel, SPSS e Stata. Rio de Janeiro: Elsevier, 2017.

HAIR, J. R. et al. Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman, 2009.

HARRISON, G.; BAIRD, K. The organizational culture of public sector organizations in Australia. Australian Journal of Management, [Camberra], v. 40, n. 4, p. 613-629, 2015.

HONG, H. The internet, transparency, and government-public relationships in Seoul, South Korea. Public Relatins Review, [s.l.], v. 40, p. 500-502, set. 2014.

KHOULY, S. E.; FADL, N. The impact of organizational culture on work quality. Competition Forum, Indiana, v. 14, n. 2, p. 210-216, 2016.

MARTINS, G. A.; THEÓPHILO, C. R. Metodologia da investigação científica para Ciências Sociais Aplicadas. São Paulo: Atlas, 2017.

MATHIAS, S. K.; ANDRADE, F. O. O serviço de informações e a cultura do segredo. Varia História, Belo Horizonte, v. 28, n. 48, p. 537-554, jul./dez. 2012.

MENDEL, T. Liberdade de informação: um estudo de deito comparado. Brasília: UNESCO, 2009.

MIKLOS, J. Cultura e desenvolvimento local: ética e comunicação comunitária. São Paulo: Érica, 2014.

MORGAN, G. Imagens da organização. São Paulo: Atlas, 1996.

NEWBOLD, S. P. Federalist no. 27: is transparecy essential for public confidence in govermment? Public Administration Review, [s. l.], número especial, p. 547-552, dec. 2011.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração Universal dos Direitos Humanos. 1948. Disponível em: < https://nacoesunidas.org/direitoshumanos/documentos/>. Acesso em: 24 set. 2017.

ORGANIZAÇÕES DAS NAÇÕES UNIDAS. Desafios da universidade na sociedade do conhecimento. Brasília: UNESCO, 2008.

PINHO, J. A. G.; SACRAMENTO, A. R. S. Accountability: já podemos traduzi-la para o português? Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 43, n. 6, p. 1343-1368, nov. / dez. 2009.

PIRES, J. C. S.; MACÊDO, K. B. Cultura organizacional em organizações públicas no Brasil. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 40, n. 1, p. 81 – 105, jan. /fev. 2006.

REIS, G.; TRULLEN, J.; STORY, J. Perceived organizational culture and engagement: the mediating role of authenticity. Jounal of Managerial Psychology, [Bingley], v. 31, n. 6, p. 1091-1105, 2015.

SILVA, L. P.; FADUL, E. Administração pública de Quebec: um caso de mudança cultural. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 15, n. 6, p. 1040-1058, nov. / dez. 2011.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ. Demonstrativo de pessoal lotado. Disponível em: https://sigrh.ufpa.br/sigrh/relatorios/form_relatorio_servidores_lotados.jsf. Acesso em: 15 set. 2017.

VIEIRA, J.B. The impact of public transparency in fighting corruption: a study on brasilian municipalities e-government. e-Journal of Deocracy & Open Government - JeDEM, v. 5, n. 1, p. 80-106, jan./jul. 2013.

WARRICK, D. D. What leaders need to know about organizational culture. Business Horizons, 60, p. 395-404, 2017.

WARRICK, D. D.; MILLIMAN, J. F.; FERGUNSON, J.M. Building hight performance culture. Organizational Dynamics, v. 45, n, 1, p, 64-70, 2016.

Publicado

2019-05-06

Como Citar

GAMA, Merabe Carvalho Ferreira da; MATTOS, Carlos André Corrêa de; AGUIAR, Ana Larissa Costa. A Cultura organizacional e o direito à informação. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, [S. l.], v. 24, n. 55, p. 1–22, 2019. DOI: 10.5007/1518-2924.2019.e58115. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518-2924.2019.e58115. Acesso em: 28 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.