Ocorrências típicas de fotografias relacionadas à violação dos direitos humanos das ditaduras militares Latino-Americanas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1518-2924.2020.e67924

Palavras-chave:

América Latina, Direitos humanos, Ditadura militar, Documento fotográfico, Fotografia

Resumo

Objetivo: identificar as funções da fotografia nesses períodos, no Brasil, Chile e Argentina, a fim de reforçar a necessidade da compreensão do documento fotográfico como ferramenta para a justiça e do desenvolvimento de instrumentos de organização de acervos que garantam a manutenção das propriedades desse tipo de documento.

Método: Foi realizado um levantamento de ocorrências de termos relacionados à fotografia nos relatórios produzidos pelo projeto Brasil Nunca Mais e por comissões da verdade dos países estudados e analisadas as transcrições de depoimentos. Ademais, foram inseridos outros exemplos de ocorrência de fotografias no contexto analisado para complementar a lista de funções, que foi classificada e apresentada como resultado não exaustivo dessas ocorrências.

Resultado: As 26 funções identificadas demonstram que a fotografia foi utilizada como produto administrativo, foi arma de oposição política e ideológica que reforçou a posição da imprensa, foi um recurso na busca e na denúncia de organizações de familiares de vítimas, foi utilizado por militantes para identificação de torturadores e para a produção de documentação falsa, foi e segue sendo prova apresentada em comissões da verdade e julgamentos, registrou e registra o trabalho das instituições de defesa dos direitos humanos e atua como ferramenta política e artística.

Conclusões: Espera-se que, cada vez mais, a fotografia seja compreendida como parte integrante dos acervos que contribuem para os processos de justiça de transição.

Biografia do Autor

Laila Figueiredo Di Pietro, Universidade de Brasília

Doutora em Ciência da Informação pelo Programa de Pós-Graduação de Ciência da Informação da Universidade de Brasília

Referências

ARQUIDIOCESE DE SÃO PAULO. Brasil: Nunca Mais. Prefácio de Dom Paulo Evaristo Arns. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011. (Vozes de Bolso).

BELLOTTO, Heloísa Liberalli; CAMARGO, Ana Maria de Almeida. Dicionário de terminologia arquivística. 1 ed. São Paulo: Associação dos Arquivistas Brasileiros/Secretaria de Estado da Cultura, 1996.

BRASIL. Comissão Nacional da Verdade. Relatório. Brasília: CNV, 2014. Disponível em: http://cnv.memoriasreveladas.gov.br/. Acesso em: 14 set. 2018.

CATELA, Ludmila da Silva. Lo invisible revelado: el uso de fotografías como (re) presentación de la desaparición de personas en la Argentina. In: FELD, Claudia; MOR, Jessica Stites (comps.). El pasado que miramos: memoria e imagen ante la historia reciente. Buenos Aires: Paidós, 2009. p. 337-361.

CATELA, Ludmila da Silva. Todos temos um retrato: indivíduo, fotografia e memoria no contexto do desaparecimento de pessoas. Topoi, v. 13, n. 24, jan.-jun. 2012, p. 111-123. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/topoi/v13n24/1518-3319-topoi-13-24-00111.pdf. Acesso em: 4 ago. 2019.

COMISSÃO NACIONAL DA VERDADE. Tomada de testemunho de Eliana Bellini Rolemberg (transcrição). Brasília: CNV, 2014g. Disponível em: http://cnv.memoriasreveladas.gov.br/images/pdf/depoimentos/vitimas_civis/Eliana_Bellini_Rolemberg_-_30.09.2014_-_ct_rp.pdf. Acesso em: 15 jan. 2020.

COMISIÓN NACIONAL DE VERDAD Y RECONCILIACIÓN. Informe de la Comisión Nacional de Verdad y Reconciliación (RETTIG I), 1996. Disponível em: https://bibliotecadigital.indh.cl/handle/123456789/170. Acesso em: 15 jun. 2019.

COMISIÓN NACIONAL SOBRE LA DESAPARICIÓN DE PERSONAS. Nunca más: informe de la Comisión Nacional sobre la Desaparición de Personas. 10. ed. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Eudeba, 2017.

COMISIÓN NACIONAL SOBRE PRISIÓN POLÍTICA Y TORTURA. Informe de la Comisión Nacional sobre Prisión Política y Tortura (Valech I), 2005. Disponível em: https://bibliotecadigital.indh.cl/handle/123456789/455. Acesso em: 28 jun. 2019.

COMISIÓN PRESIDENCIAL ASESORA PARA LA CALIFICACIÓN DE DETENIDOS DESAPARECIDOS, EJECUTADOS POLÍTICOS Y VÍCTIMAS DE PRISIÓN POLÍTICA Y TORTURA. Informe y Nómina de Personas Reconocidas como Víctimas en la Comisión Asesora Presidencial para la Calificación de Detenidos Desaparecidos, Ejecutados Políticos y Víctimas de Prisión, Política y Tortura (Valech II), 2011. Disponível em: https://bibliotecadigital.indh.cl/handle/123456789/600. Acesso em: 18 maio 2019.

COMISSÃO NACIONAL DA VERDADE. Disponível em: http://cnv.memoriasreveladas.gov.br/. Acesso em: 06 set. 2018.

DI PIETRO, Laila Figueiredo. Estruturação de acervos imagéticos e acesso à informação: estudo de instituições de memória no Chile e Argentina. 2014. 101 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação, Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília, Brasília, 2014. DI pietro

DI PIETRO, Laila Figueiredo. A importância do contexto para a manutenção do caráter probatório do documento fotográfico relacionado à violação dos direitos humanos na ditadura militar na América Latina. 2019. 229 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) - Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação, Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília, Brasília, 2019.

DURANTI, Luciana. Registros documentais contemporâneos como provas de ação. Tradução Adelina Novaes e Cruz. Estudos históricos, Rio de Janeiro, v. 7, n. 13, p. 49-64, jan./jun. 1994.

GAMARNIK, Cora. Fotografía y dictaduras: estrategias comparadas entre Chile, Uruguay y Argentina. Nuevo Mundo Mundos Nuevos, Paris, jun. 2012. Disponível em: https://journals.openedition.org/nuevomundo/63127. Acesso 29 set. 2019.

GAMARNIK, Cora. La política de las imágenes durante la dictadura militar: lo invisible y lo visible. Revista de la Facultad de Ciencias Sociales, Buenos Aires, n. 77, mar. 2011. Disponível em: http://areadefoto.sociales.uba.ar/la-politica-de-las-imagenes-durante-la-dictadura-militar-lo-invisible-y-lo-visible/. Acesso: 05 jun. 2019.

GARCÍA, Luis Ignacio; LONGONI, Ana. Imágenes invisibles: acerca de las fotos de desaparecidos. In: BLEJMAR, Jordana, FORTUNY, Natalia; GARCÍA, Luis Ignacio. (dirs.). Instantáneas de la memoria: fotografía y dictadura en Argentina y América Latina. Buenos Aires: Libraria, 2013. p. 25-44.

GUEMBE, Maria José. La reapertura de los juicios por los crímenes de la dictadura militar argentina. Sur - Revista Internacional de Direitos Humanos, São Paulo, n. 3, v. 1, 2005. Disponível em: https://sur.conectas.org/home/edicao-03/. Acesso em: 10 ago. 2019.

LACERDA, Aline Lopes de. A fotografia nos arquivos: produção e sentido de documentos visuais. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, p. 283-302, jan.-mar. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/hcsm/ v19n1/15.pdf. Acesso em: 18 fev. 2020.

LACERDA, Aline Lopes de. A fotografía nos arquivos: a produção de documentos fotográficos da Fundação Rockefeller durante o combate à febre amarela no Brasil. 2008. 258 f. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós Graduação em História Social. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

LONGONI, Ana. Fotos y siluetas: políticas visuales en el movimiento de derechos humanos en argentina. Afterall Jornaul, Andaluzia, n. 25, 2010. Disponível em: http://ayp.unia.es/dmdocuments/afterall_25_%20analong.pdf. Acesso em: 29 jan. 2019.

MANGUEL, Alberto. Lendo imagens: uma história de amor e ódio. Tradução Rubens Fugueiredo, Rosaura Eichemberg, Cláudia Strauch. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. (org.). Ditaduras militares: Brasil, Argentina, Chile e Uruguai. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2015.

ORENTLICHER, Diane. Promotion and protection of human rights. Organização das Nações Unidas (ONU), Comisión de derechos humanos, 2005. Disponível em: http://www.derechos.org/nizkor/impu/impuppos.html. Acesso em: 10 dez. 2018.

PETERSON, Trudy Huskamp. The role of archives in strengthening democracy. 2012. In: INTERNATIONAL CONVENTION OF ARCHIVISTS, 4., 2012, San Bernardo, Chile. Anais eletrônicos… San Bernardo: COINDEAR, 2012. Disponível em: http://apalopez.info/ivcoindear/coindear.html. Acesso em: 30 mar. 2019.

PINHEIRO, Douglas Antônio Rocha. Blow-up - depois daquele golpe: a fotografia na reconstrução da memória da ditadura. Revista Anistia Política e Justiça de Transição, v. 2, p. 89-79, jul. 2009. Disponível em: https://works.bepress.com/

douglas_pinheiro/6/. Acesso em: 28 jan. 2019.

PROYECTO DESAPARECIDOS. Disponível em: http://www.desaparecidos.org/main.html. Acesso em: 28 ago. 2019.

QUINALHA, Renan Honorio. Justiça de transição: contornos do conceito. 2012. Dissertação (Mestrado em Direito). Departamento de Filosofia e Teoria Geral do Direito, Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

REZENDE, Darcilene Sena; LOPEZ, André Porto Ancona. Adecuación de la descripción archivística de documentos fotográficos a estándares internacionales. In: Girona 2014: Archivos e Industrias Culturales. AMGi/ICA. 2014. Disponível em: http://www.girona.cat/web/ica2014/ponents/textos/id164.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

ROUILLÉ, André. A fotografia: entre documento e arte contemporânea. Tradução Constancia Egrejas. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2009.

SÁNCHEZ, Gabriel Ignacio Gómez. Justicia transicional “desde abajo”: un marco teórico constructivista crítico para el análisis de la experiencia colombiana. Revista Co-herencia, Medellín, v. 10, n. 19, dez. 2013. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=77429184006. Acesso em: 7 fev. 2019.

SANTAELLA, Lucia; NÖTH, Winfried. Imagem: Cognição, semiótica, mídia. 4. ed. São Paulo: Iluminuras, 2005.

SANTOS, Shana Marques Padro dos. Tratamento de arquivo de direitos humanos na América Latina. Brasília: Ministério da Justiça, Comissão de Anistia, Rede Latino-Americana de Justiça de Transição (RLAJT), 2016. [Edição bilingue]. Disponível em: http://www.justica.gov.br/central-de-conteudo/anistia/anexos/

tratamento-de-arquivos-tratamiento-de-archivos_shana_marques.pdf. Acesso em: 30 set. 2018.

Downloads

Publicado

2020-09-02

Edição

Seção

Artigo