Mediação da informação e reconhecimento intersubjetivo: aproximações teóricas

Autores

  • Jetur Lima de Castro Universidade Estadual Paulista https://orcid.org/0000-0002-9983-136X
  • Oswaldo Francisco de Almeida Junior Universidade Estadual Paulista

DOI:

https://doi.org/10.5007/1518-2924.2022.e87521

Palavras-chave:

Ação comunicativa, Teoria do Reconhecimento, Emancipação, Mediação da Informação, Bibliotecário

Resumo

Objetivo: Analisa características teóricas da Mediação da Informação considerando a dimensão coletiva emancipatória pautada na ação comunicativa e no reconhecimento intersubjetivo, pois se entende que eles possibilitam práticas relacionais que percorrem para além da transferência do conhecimento nas atividades informacionais e apresentam, a partir da formação discursiva pretensões de validade, um sentido de ressignificação.

Método: De natureza qualitativa, a investigação alia a pesquisa teórica e bibliográfica, sob uma perspectiva interpretativa à autorreflexão e referência crítica, pautada na ação comunicativa de Habermas e na teoria do reconhecimento de Honneth. Além disso, apresenta-se a necessidade de estabelecer concepções teóricas no processo ensino-aprendizagem sobre o fenômeno da mediação da informação.

Resultado: Acredita-se que a Mediação da Informação nas atividades que envolvem a prática informacional ainda tem o seu viés na racionalidade instrumental e, por sua vez, é necessário o processo emancipatório e intersubjetivo de reconhecimento para desestruturar a dependência sistêmica.

Conclusões: Entendeu-se de forma interpretativa as características teóricas da Mediação da informação e o que concerne o diálogo sobre a dimensão intersubjetiva do reconhecimento, isto é, a receptividade que a envolve como um fenômeno coletivo emancipatório. Por isso, este estudo visa contribuir para as reflexões sobre os estudos sociais e culturais na CI, no âmbito da mediação da informação, trazendo à luz abordagens interpretativas de lacunas, valores teóricos e práticos ainda pouco estudados, conferindo um novo sentido às práticas informacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jetur Lima de Castro, Universidade Estadual Paulista

Doutorando em Ciência da Informação pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (PPGCI-UNESP). Mestre em Ciências da Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação Comunicação, Cultura e Amazônia da Universidade Federal do Pará (PPGCOM/UFPA). Bacharel em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Pará.

Oswaldo Francisco de Almeida Junior, Universidade Estadual Paulista

Professor Associado da Universidade Estadual de Londrina, Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP/Marília). Doutorem Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo.

Referências

ALMEIDA. M. A. produção social do conhecimento na sociedade da informação. Informação & Sociedade. Estudos, João Pessoa, v. 19, n. 1, p. 11‐18, 2009.

ALMEIDA JÚNIOR, O. F. Mediação da Informação e múltiplas linguagens. Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, Brasília, DF, v.2, n.1, p.89-103, jan./dez. 2009.

ALMEIDA JÚNIOR, O. F. de. Mediação da Informação: um conceito atualizado. In: BORTOLIN, S.; SANTOS NETO, J. A dos.; SILVA, R. J. da (Org.). Mediação oral da informação e da leitura. Londrina: ABECIN, 2015. 278p. p.9-32.

ALMEIDA JÚNIOR, Oswaldo Francisco de. Formação, formatação: profissionais da informação produzidos em série. In: Almeida Junior, O. F. Infohome [Internet]. Marília: OFAJ, 2018. Disponível em: https://ofaj.com.br/espacoofajs_conteudo.php?cod=18. Acesso em: 6 mar. 2022.

ARAÚJO, C. A. Ávila. Existe um pensamento informacional ibero-americano?. Logeion: Filosofia da Informação, v. 4, n. 2, p. 31-55, 2018.

ARAÚJO, C. A. Ávila; VALENTIM, M. L. P. A Ciência da Informação no Brasil: mapeamento da pesquisa e cenário institucional. Bibliotecas. Anales de Investigación, v. 15, n. 2, p. 232-259, 2019.

CASTRO, J. L. de; SILVA, L. E. F. da; OLIVEIRA, A. N. de. A importância da mediação comunicativa da informação na prática bibliotecária. Em Questão, Porto Alegre, v. 26, n. 2, p. 286–305, 2020. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/EmQuestao/article/view/90679. Acesso em: 25 jul. 2022.

DAVALON, J. A mediação: a comunicação em processo?. Prisma. com, n. 4, p. 4-37, 2007.

ESCOBAR, A. O lugar da natureza e a natureza do lugar: globalização ou pós-desenvolvimento? In: LANDER, Edgardo (Org.) A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

ESCOBAR, A. Territorios de diferencia:l, movimientos, vida, redes. Trad.: Eduardo Restrepo. Bogotá: Envión Editores, 2010.

FRANÇA, V. Paradigmas da Comunicação: conhecer o quê?. C-Legenda - Revista do Programa de Pós-graduação em Cinema e Audiovisual, [S.l.], n. 5, jan. 2001.

FRASER, N. Distorted beyond all recognition: a rejoinder to Axel Honneth. In: Redistribution or recognition. New York: NY, 2003. p. 198-236.

GARCÍA GUTIÉRREZ, A. Cientificamente favelados: uma visão crítica do conhecimento a partir da epistemografia. Transinformação, v. 18, p. 103-112, 2006.

GOMES, H. F. Mediação da Informaçãoe suas dimensões dialógica, estética, formativa, ética e política: um fundamento da Ciência da Informação em favor do protagonismo social. Informação & Sociedade: estudos, João Pessoa, v. 30, n. 4, p. 1-23, 2020.

GOMES, P. da C. Geografia e modernidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.

HABERMAS, J. A crise de legitimação no capitalismo tardio. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1980.

HABERMAS, J. Conhecimento e interesse. Trad. de Maurício Tragtenberg. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Coleção Os Pensadores).

HABERMAS, J. Conhecimento e interesse. Rio de Janeiro: Zahar, 1987.

HABERMAS, J. Consciência moral e agir comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989.

HABERMAS, J. Direito e democracia: entre facticidade e validade I. Trad. FlávíoBeno Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997.

HABERMAS, J. La lógica de lascienciassociales. Madrid: Tecnos, 1990.

HABERMAS, J. Pensamento Pós-metafísico. Tradução de: Flávio Beno Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1990.

HABERMAS, J. O Discurso filosófico da modernidade. 2. ed. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1998.

HABERMAS. J. Trabalho, amor e reconhecimento. O filósofo Axel Honneth completa 60 anos de idade. Uma viagem em pensamentos de Marx a Hegel para Frankfurt: ida e volta. Revista Educação e Filosofia. Uberlândia, v. 25, n. 49, p. 337-341, jan – jun de 2011.

HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HONNETH, A. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Ed34, 2009.

HAROCHE, C. Maneiras de ser e de sentir na aceleração e a ilimitação contemporânea. Cadernos Metrópole, v. 13, n. 26, p. 359-378, 2011.

HAROCHE, C. A condição sensível: formas e maneiras de sentir no Ocidente. Rio de Janeiro: Contracapa, 2008.

JESUS, L. E. de. Conflito social e luta por reconhecimento: debatendo a teoria crítico-normativa de Axel Honneth. Revista Ciências Humanas, v. 14, n. 1, 2021.

LEITE, R. A. O. Novos paradigmas para a socialização da informação e a difusão do conhecimento científico: perspectivas da interação entre a organização dos sistemas e a complexidade da informação. Informare: cadernos do Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, p. 57-69, 1996.

MAIA, R. Mídia e lutas por reconhecimento. São Paulo, Paulus, 2018.

MELO, R. Da teoria à práxis? Axel Honneth e as lutas por reconhecimento na teoria política contemporânea. Revista brasileira de ciência política, v.1, n.15. p. 17-36, 2014.

MENDONÇA, R. F. Democracia e desigualdade: as contribuições da teoria do reconhecimento. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, DF, n. 9, p. 119-146, set/dez. 2012.

OLIVEIRA, A. N; CASTRO, J. L. Entre a censura e a disseminação: uma análise crítica sobre a prática profissional bibliotecária fundada na emancipação de informação e dignidade humana. Páginas a&b, s. 3, n. 7, p. 31-50, 2017.

SANTOS, M. A natureza do espaço. 4° ed. São Paulo: EDUSP, 2006.

SANTOS, M. O espaço do cidadão. Edusp, 2007.

SARTRE, J. P. O ser e o nada: Ensaio de ontologia fenomenológica. Tradução de Paulo Perdigão. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

SHERA, Jesse. Epistemologia Social e Biblioteconomia. Ciência da Informação, Brasília (DF), v.6, n.1, p.9-12, 1977. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/92/92. Acesso em: 14 maio. 2022.

SIGNATES, L. Estudo sobre o conceito de mediação e sua validade como categoria de análise para os estudos de Comunicação. Revista Novos Olhares, São Paulo,v. 1, n. 2, 1998. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/novosolhares/article/view/51386. Acesso em: 08 set. 2021.

SIMMEL, G. Questões fundamentais da sociologia: indivíduo e sociedade. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

TOURAINE, A. O retorno do ator. Lisboa: Instituto Piaget, 2006.

Publicado

2022-12-02

Como Citar

CASTRO, Jetur Lima de; ALMEIDA JUNIOR, Oswaldo Francisco de. Mediação da informação e reconhecimento intersubjetivo: aproximações teóricas. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, [S. l.], v. 27, n. 1, 2022. DOI: 10.5007/1518-2924.2022.e87521. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/87251. Acesso em: 23 maio. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.