Mediação da informação e reconhecimento intersubjetivo: aproximações teóricas

Autores

  • Jetur Lima de Castro Universidade Estadual Paulista https://orcid.org/0000-0002-9983-136X
  • Oswaldo Francisco de Almeida Junior Universidade Estadual Paulista

DOI:

https://doi.org/10.5007/1518-2924.2022.e87521

Palavras-chave:

Ação comunicativa, Teoria do Reconhecimento, Emancipação, Mediação da Informação, Bibliotecário

Resumo

Objetivo: Analisa características teóricas da Mediação da Informação considerando a dimensão coletiva emancipatória pautada na ação comunicativa e no reconhecimento intersubjetivo, pois se entende que eles possibilitam práticas relacionais que percorrem para além da transferência do conhecimento nas atividades informacionais e apresentam, a partir da formação discursiva pretensões de validade, um sentido de ressignificação.

Método: De natureza qualitativa, a investigação alia a pesquisa teórica e bibliográfica, sob uma perspectiva interpretativa à autorreflexão e referência crítica, pautada na ação comunicativa de Habermas e na teoria do reconhecimento de Honneth. Além disso, apresenta-se a necessidade de estabelecer concepções teóricas no processo ensino-aprendizagem sobre o fenômeno da mediação da informação.

Resultado: Acredita-se que a Mediação da Informação nas atividades que envolvem a prática informacional ainda tem o seu viés na racionalidade instrumental e, por sua vez, é necessário o processo emancipatório e intersubjetivo de reconhecimento para desestruturar a dependência sistêmica.

Conclusões: Entendeu-se de forma interpretativa as características teóricas da Mediação da informação e o que concerne o diálogo sobre a dimensão intersubjetiva do reconhecimento, isto é, a receptividade que a envolve como um fenômeno coletivo emancipatório. Por isso, este estudo visa contribuir para as reflexões sobre os estudos sociais e culturais na CI, no âmbito da mediação da informação, trazendo à luz abordagens interpretativas de lacunas, valores teóricos e práticos ainda pouco estudados, conferindo um novo sentido às práticas informacionais.

Biografia do Autor

Jetur Lima de Castro, Universidade Estadual Paulista

Doutorando em Ciência da Informação pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (PPGCI-UNESP). Mestre em Ciências da Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação Comunicação, Cultura e Amazônia da Universidade Federal do Pará (PPGCOM/UFPA). Bacharel em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Pará.

Oswaldo Francisco de Almeida Junior, Universidade Estadual Paulista

Professor Associado da Universidade Estadual de Londrina, Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP/Marília). Doutorem Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo.

Referências

ALMEIDA. M. A. produção social do conhecimento na sociedade da informação. Informação & Sociedade. Estudos, João Pessoa, v. 19, n. 1, p. 11‐18, 2009.

ALMEIDA JÚNIOR, O. F. Mediação da Informação e múltiplas linguagens. Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, Brasília, DF, v.2, n.1, p.89-103, jan./dez. 2009.

ALMEIDA JÚNIOR, O. F. de. Mediação da Informação: um conceito atualizado. In: BORTOLIN, S.; SANTOS NETO, J. A dos.; SILVA, R. J. da (Org.). Mediação oral da informação e da leitura. Londrina: ABECIN, 2015. 278p. p.9-32.

ALMEIDA JÚNIOR, Oswaldo Francisco de. Formação, formatação: profissionais da informação produzidos em série. In: Almeida Junior, O. F. Infohome [Internet]. Marília: OFAJ, 2018. Disponível em: https://ofaj.com.br/espacoofajs_conteudo.php?cod=18. Acesso em: 6 mar. 2022.

ARAÚJO, C. A. Ávila. Existe um pensamento informacional ibero-americano?. Logeion: Filosofia da Informação, v. 4, n. 2, p. 31-55, 2018.

ARAÚJO, C. A. Ávila; VALENTIM, M. L. P. A Ciência da Informação no Brasil: mapeamento da pesquisa e cenário institucional. Bibliotecas. Anales de Investigación, v. 15, n. 2, p. 232-259, 2019.

CASTRO, J. L. de; SILVA, L. E. F. da; OLIVEIRA, A. N. de. A importância da mediação comunicativa da informação na prática bibliotecária. Em Questão, Porto Alegre, v. 26, n. 2, p. 286–305, 2020. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/EmQuestao/article/view/90679. Acesso em: 25 jul. 2022.

DAVALON, J. A mediação: a comunicação em processo?. Prisma. com, n. 4, p. 4-37, 2007.

ESCOBAR, A. O lugar da natureza e a natureza do lugar: globalização ou pós-desenvolvimento? In: LANDER, Edgardo (Org.) A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

ESCOBAR, A. Territorios de diferencia:l, movimientos, vida, redes. Trad.: Eduardo Restrepo. Bogotá: Envión Editores, 2010.

FRANÇA, V. Paradigmas da Comunicação: conhecer o quê?. C-Legenda - Revista do Programa de Pós-graduação em Cinema e Audiovisual, [S.l.], n. 5, jan. 2001.

FRASER, N. Distorted beyond all recognition: a rejoinder to Axel Honneth. In: Redistribution or recognition. New York: NY, 2003. p. 198-236.

GARCÍA GUTIÉRREZ, A. Cientificamente favelados: uma visão crítica do conhecimento a partir da epistemografia. Transinformação, v. 18, p. 103-112, 2006.

GOMES, H. F. Mediação da Informaçãoe suas dimensões dialógica, estética, formativa, ética e política: um fundamento da Ciência da Informação em favor do protagonismo social. Informação & Sociedade: estudos, João Pessoa, v. 30, n. 4, p. 1-23, 2020.

GOMES, P. da C. Geografia e modernidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.

HABERMAS, J. A crise de legitimação no capitalismo tardio. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1980.

HABERMAS, J. Conhecimento e interesse. Trad. de Maurício Tragtenberg. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Coleção Os Pensadores).

HABERMAS, J. Conhecimento e interesse. Rio de Janeiro: Zahar, 1987.

HABERMAS, J. Consciência moral e agir comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989.

HABERMAS, J. Direito e democracia: entre facticidade e validade I. Trad. FlávíoBeno Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997.

HABERMAS, J. La lógica de lascienciassociales. Madrid: Tecnos, 1990.

HABERMAS, J. Pensamento Pós-metafísico. Tradução de: Flávio Beno Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1990.

HABERMAS, J. O Discurso filosófico da modernidade. 2. ed. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1998.

HABERMAS. J. Trabalho, amor e reconhecimento. O filósofo Axel Honneth completa 60 anos de idade. Uma viagem em pensamentos de Marx a Hegel para Frankfurt: ida e volta. Revista Educação e Filosofia. Uberlândia, v. 25, n. 49, p. 337-341, jan – jun de 2011.

HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HONNETH, A. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Ed34, 2009.

HAROCHE, C. Maneiras de ser e de sentir na aceleração e a ilimitação contemporânea. Cadernos Metrópole, v. 13, n. 26, p. 359-378, 2011.

HAROCHE, C. A condição sensível: formas e maneiras de sentir no Ocidente. Rio de Janeiro: Contracapa, 2008.

JESUS, L. E. de. Conflito social e luta por reconhecimento: debatendo a teoria crítico-normativa de Axel Honneth. Revista Ciências Humanas, v. 14, n. 1, 2021.

LEITE, R. A. O. Novos paradigmas para a socialização da informação e a difusão do conhecimento científico: perspectivas da interação entre a organização dos sistemas e a complexidade da informação. Informare: cadernos do Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, p. 57-69, 1996.

MAIA, R. Mídia e lutas por reconhecimento. São Paulo, Paulus, 2018.

MELO, R. Da teoria à práxis? Axel Honneth e as lutas por reconhecimento na teoria política contemporânea. Revista brasileira de ciência política, v.1, n.15. p. 17-36, 2014.

MENDONÇA, R. F. Democracia e desigualdade: as contribuições da teoria do reconhecimento. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, DF, n. 9, p. 119-146, set/dez. 2012.

OLIVEIRA, A. N; CASTRO, J. L. Entre a censura e a disseminação: uma análise crítica sobre a prática profissional bibliotecária fundada na emancipação de informação e dignidade humana. Páginas a&b, s. 3, n. 7, p. 31-50, 2017.

SANTOS, M. A natureza do espaço. 4° ed. São Paulo: EDUSP, 2006.

SANTOS, M. O espaço do cidadão. Edusp, 2007.

SARTRE, J. P. O ser e o nada: Ensaio de ontologia fenomenológica. Tradução de Paulo Perdigão. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

SHERA, Jesse. Epistemologia Social e Biblioteconomia. Ciência da Informação, Brasília (DF), v.6, n.1, p.9-12, 1977. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/92/92. Acesso em: 14 maio. 2022.

SIGNATES, L. Estudo sobre o conceito de mediação e sua validade como categoria de análise para os estudos de Comunicação. Revista Novos Olhares, São Paulo,v. 1, n. 2, 1998. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/novosolhares/article/view/51386. Acesso em: 08 set. 2021.

SIMMEL, G. Questões fundamentais da sociologia: indivíduo e sociedade. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

TOURAINE, A. O retorno do ator. Lisboa: Instituto Piaget, 2006.

Downloads

Publicado

2022-12-02

Como Citar

CASTRO, . L. de; ALMEIDA JUNIOR, . F. de. Mediação da informação e reconhecimento intersubjetivo: aproximações teóricas. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, [S. l.], v. 27, n. 1, 2022. DOI: 10.5007/1518-2924.2022.e87521. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/87251. Acesso em: 7 fev. 2023.