Breve histórico da ressignificação da Ayahausca na religião Santo Daime

Autores

  • Isabela Lara Oliveira Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-1384.2010v7n2p316

Palavras-chave:

Santo Daime, Ayahuasca, Psicoativos, Ressignificação religiosa, História

Resumo

A Ayahuasca é um chá com propriedades psicoativas, utilizado milenarmente pela população nativa amazônica. A partir do início do século XX, a população não índia passou a ter contato com a bebida e formaram-se novos contextos de utilização desse chá, além de novos significados para ele. Entre esses contextos encontra-se a religião Santo Daime, uma religião brasileira, cristã, de cultura essencialmente oral. O presente artigo analisa o processo de ressignificação da Ayahuasca nessa religião entre as décadas de 30 e 60. A hipótese que se coloca é que a ressignificação da Ayahuasca no contexto da religião se insere no processo dialético mais amplo de construção social de significados que fundamenta a constituição da religião. Como metodologia foi utilizada a análise do conteúdo das memórias e das histórias orais presentes na religião. A partir dessa análise, observou-se que o processo de ressignificação da Ayahuasca é um evento contínuo, inserido no processo dialético de formação da religião; que inicialmente a bebida era percebida pelos seguidores como uma droga e que foi progressivamente ganhando o significado de sacramento cristão. No presente, delineia-se a construção de outro significado para a bebida: patrimônio histórico e cultural da nação brasileira.

Biografia do Autor

Isabela Lara Oliveira, Universidade de Brasília

Doutora em História, mestrado em Comunicação Social pela Universidade de Brasília (UnB), professora adjunta da Faculdade de Comunicação Social da Universidade de Brasilia (UnB), Pesquisadora correspondente do NEIP - Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre Psicoativos e membro da ABESUSP - Associação Brasileira de Estudos de Substâncias Psicoativas.

Downloads

Publicado

2010-07-22

Edição

Seção

Artigos